Pós-Modernidade, Entretenimento e Consumo Midiático: a Narrativa Intertextual Bad Blood

  • Beatriz Braga Bezerra Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), Brasil.
  • Rogério Covaleski Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Brasil.
Palavras-chave: Pós-modernidade, entretenimento, consumo midiático, intertextualidade, videoclipe.

Resumo

A partir dos conceitos de dialogismo, intertextualidade e alusionismo sobre a utilização de textos outros em discursos e conteúdos de entretenimento, o presente artigo se propõe a analisar tais narrativas contemporâneas averiguando a pertinência das referências inseridas em função do possível repertório cultural do público-alvo da artista. Para atingir esse objetivo, observaremos o videoclipe Bad Blood, da cantora Taylor Swift, destacando e refletindo sobre as tramas intertextuais dessa narrativa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Beatriz Braga Bezerra, Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), Brasil.
Doutoranda em Comunicação e Práticas de Consumo na Escola Superior de Propaganda e Marketing (Bolsista Capes – PROSUP) e Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Pernambuco.
Rogério Covaleski, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Brasil.
Doutor em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Pós-doutor pela Universitat Pompeu Fabra (Bolsista Capes – BEX 2047/14-4), Professor do Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade Federal de Pernambuco.

Referências

AUMONT, Jacques et al. A estética do filme. São Paulo: Pairus, 1995.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

CARROLL, Noël. Interpreting the Movie Image. Cambridge University Press: United Kingdom, 1998.

CAUDURO, Flávio. Pós-modernidade e hibridações visuais. Revista Em Questão: Porto Alegre, n.2, v.13, p.273-282, dez. 2007.

CONNOR, Steve. Cultura pós-moderna: introdução às teorias do contemporâneo. São Paulo: Edições Loyola, 1992.

COVALESKI, Rogério. Cinema e Publicidade: intertextualidades e hibridizações. Rio de Janeiro: Confraria do Vento, 2015.

DIAS, Eduardo. Branded content e videoclipe: o entretenimento como plataforma para interfaces artístico-mercadológicas. Trabalho apresentado no XII Congresso de Ciências da Comunicação na Região Nordeste. Natal, julho de 2015.

ECO, Umberto. Ironia Intertextual e Níveis de Leitura. In: _______. Ensaios sobre a literatura. Rio de Janeiro: Record, 2003.

______. Obra Aberta. São Paulo: Perspectiva, 2003.

FIORIN, José Luiz. Introdução ao pensamento de Bakthin. São Paulo: Ática, 2008.

GARCÍA CANCLINI, Néstor. Culturas híbridas. São Paulo: Edusp, 2011.

GENETTE, Gérard. Fronteiras da narrativa. In: BARTHES, Roland. et al. Análise estrutural da narrativa. Tradução de Maria Zélia Barbosa Pinto. 7.ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

JANOTTI JÚNIOR, Jeder; SOARES, Thiago. O videoclipe como extensão da canção: apontamentos para análise. Revista Galáxia, n. 15, p. 91-108, jun. 2008.

JOZEF, Bella. O espaço da paródia, o problema da intertextualidade e a carnavalização. In: Revista Tempo Brasileiro, n. 62, p. 53-70, set. 1980.

KAPLAN, E. Ann. Rocking around the clock: music television, post-modernism and consumer culture. Londres e Nova York: Meuthuen, 1987.

KRISTEVA, Julia. Introdução à semanálise. São Paulo: Perspectiva, 1974.

MAINGUENEAU, Dominique. Análise de textos de comunicação. São Paulo: Cortez, 2011.

SANTAELLA, Lucia. Estéticas: de Platão a Pierce. São Paulo: Experimento, 1994.

SOURIAU, Étienne (Orgs.) L’univers filmique. Paris: Flammarion Éditeur, 1953.

Publicado
2016-07-07
Como Citar
BEZERRA, B.; COVALESKI, R. Pós-Modernidade, Entretenimento e Consumo Midiático: a Narrativa Intertextual Bad Blood. RuMoRes, v. 10, n. 19, p. 190-208, 7 jul. 2016.
Seção
Artigos