O lead nos títulos jornalísticos: um estudo comparado entre os jornais Folha de S.Paulo e O Estado de S.Paulo

Palavras-chave: Título, lead, jornalismo

Resumo

Trabalhados de formas diferentes para as capas dos jornais impressos e para a internet, os títulos possuem uma íntima ligação com o lead, já que resumem a informação do primeiro parágrafo em um número menor de palavras. Nesse sentido, este artigo recupera de forma breve a história do chamado título informativo e discute sua relação com o lead. A proposta é entender quais perguntas que compõem o lead são costumeiramente destacadas nos títulos e se há diferenças nessa seleção quando o título está na plataforma digital ou de papel. O estudo tem como base um levantamento feito nos jornais Folha de S.Paulo e O Estado de S.Paulo, no meio impresso e na Internet. Ao todo, 206 títulos foram analisados. Por fim, coloca-se a prova o que é e o que deixou de ser característica do título jornalístico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas Santiago Arraes Reino, Universidade Federal do Maranhão

Professor adjunto do curso de Jornalismo da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), doutor em Comunicação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS), mestre em Ciência da informação pela Universidade de Brasília (UnB), especialista em Comunicação Empresarial pela Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal (Uniderp) e graduado em Jornalismo pela Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS).

Thaísa Cristina Bueno, Universidade Federal do Maranhão

Doutora em Comunicação Social pela PUC-RS, mestre em Letras pela UFMS e professora adjunta na UFMA em Imperatriz. Integra os grupos de pesquisa em Cibercultura (Gciber) e em Ciberjornalismo (Ciberjor).

Referências

AMADEI, R. P. A sobrevivência do jornal impresso diante de novos meios informacionais: padrões textuais e concepções discursivas da Tribuna de Minas. Monografia (Bacharelado em Comunicação Social) – Faculdade de Comunicação Social da Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2007.

AMARAL, L. Técnica de jornal e periódico. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1978.

ASSUMPÇÃO, M. E. O.; BOCCHINI, M. O. Recomendações para escrever bem textos fáceis de ler. São Paulo: Manole, 2006.

BAHIA, J. Jornal, história e técnica: as técnicas do jornalismo. São Paulo: Ática, 1990.

BERTOLINI, J. O título da notícia na internet: funções clássicas e impactos na leitura e na compreensão do texto. Ciência em Curso, Palhoça, v. 3, n. 2, p. 99-110, jul./dez. 2014.

BURNETT, L. A língua envergonhada. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1991.

COMASSETTO, L. R. As razões do título e do lead: uma abordagem cognitiva da estrutura da notícia. Concórdia: UnC, 2003.

CUNHA, D. S. Manchete, títulos e suas formas de expressão: uma pesquisa histórica pelos uivos impressos, idiotas da objetividade e outros modos de ver. Monografia (Graduação em Jornalismo – Habilitação em Jornalismo) – Escola de Comunicação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2010.

DOUGLAS, J. Jornalismo: a técnica do título. Rio de Janeiro: Agir, 1966.

GARCIA, L. Manual de redação e estilo. São Paulo: Globo, 2005.

GRADIM, A. Manual de jornalismo. Covilhã: Universidade da Beira Interior, 2000. Disponível em: <https://goo.gl/PKfbA6>. Acesso em: 16 out. 2017.

GRAY, J.; BOUNEGRU, L.; CHAMBERS, L. (Eds.). Manual de jornalismo de dados. 2015. Disponível em: https://issuu.com/andersonraimello/docs/manual_de_ jornalismo_de_dados_-_lic. Acesso em: 30 out. 2017.

GUIMARÃES, E. A articulação do texto. São Paulo: Ática, 1995.

______. Manual geral da redação. São Paulo: Folha de São Paulo, 2002.

MEDINA, J. B. Gêneros jornalísticos: uma questão de gênero. In: SIMPÓSIO DA PESQUISA EM COMUNICAÇÃO, 8., 2001a, Vitória. Anais eletrônicos… Disponível em: <https://goo.gl/pkyGgp>. Acesso em: 10 fev. 2017.

______. Gêneros jornalísticos: repensando a questão. Symposium, São Paulo, ano 5, n. 1, p. 45-55, jan./jun. 2001b.

MARTINS FILHO, E. L. Manual de redação e estilo. São Paulo: O Estado de S.Paulo, 1997.

MELO, J. M. História do pensamento comunicacional: cenários e personagens. São Paulo: Paulus, 2003.

______. A opinião no jornalismo brasileiro. Petrópolis: Vozes, 1985.

MESSA, F. C. Jornalismo esportivo não é só entretenimento. In: FÓRUM NACIONAL DE PROFESSORES DE JORNALISMO, 8., 2005, Maceió. Anais… Maceió: FNPJ, 2005. p. 1-8. Disponível em: <https://goo.gl/skDEHF>. Acesso em: 16 out. 2017.

MOUILLAUD, M. O título e os títulos. In: MOUILLAUD, M.; PORTO, S. D. (Org.). O jornal: da forma ao sentido. Brasília, DF: UnB, 2002. p. 99-116.

PELLIM, T. Análise textual de títulos jornalísticos: um estudo comparativo entre as seções de ciência e esporte. Vertentes, São João del-Rei, v. 34, p 171-178, 2009. Disponível em: <https://goo.gl/p8K6dQ>. Acesso em: 16 out. 2017.

RODRIGUES, A. D. Estratégias da comunicação. Lisboa: Presença, 1997.

ROSSI, C. O que é jornalismo. São Paulo: Brasiliense, 1981.

SARTORI, R. A relevância da inferência relevante. Dissertação (Mestrado em Linguística e Letras) – Faculdade de Letras da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1999.

TÍTULO. In: NOVO manual da redação. São Paulo: Folha da Manhã, 1996. Disponível em: <https://goo.gl/RTTK6E>. Acesso em: 18 out. 2017.

VIZEU, A.; MAZZAROLO, J. Telejornalismo: onde está o lead? Famecos, Porto Alegre, v. 6, n. 11, p. 57-63, dez. 1999.

Publicado
2017-11-23
Como Citar
REINO, L. S.; BUENO, T. O lead nos títulos jornalísticos: um estudo comparado entre os jornais Folha de S.Paulo e O Estado de S.Paulo. Rumores, v. 11, n. 22, p. 320-340, 23 nov. 2017.
Seção
Artigos