A filosofia de Match point: síntese do imaginário trágico de Woody Allen

  • Rogério de Almeida Universidade de São Paulo
  • Marcos Beccari Universidade Federal do Paraná
Palavras-chave: Match point, Woody Allen, imaginário trágico

Resumo

O objetivo deste artigo é tanto propor uma interpretação filosófica de Match point quanto demonstrar como tal película sintetiza o imaginário trágico de Woody Allen. De início, delineamos algumas bases conceituais que amparam a proposta de uma interpretação fílmica. Em seguida, apresentamos os elementos que caracterizam o pensamento trágico e os associamos ao filme elencado. Observamos, por fim, que o imaginário trágico que permeia a obra de Woody Allen desponta pela aprovação incondicional da existência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rogério de Almeida, Universidade de São Paulo

Professor associado da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (FEUSP). Coordenador do Lab_Arte e do Geifec. Graduado em Letras (1997), doutor em Educação (2005) e livre docente em Cultura e Educação, todos os títulos pela Universidade de São Paulo. Fez pós-doutorado na Universidade do Minho (2016).

Marcos Beccari, Universidade Federal do Paraná

Doutor em Educação na Universidade de São Paulo (USP). Graduado em Design Gráfico e Mestre em Design, ambos pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Professor do Departamento de Design e do PPG-Design da UFPR. Pesquisador nos grupos: Navis – Núcleo de Artes Visuais (UFPR e Unespar), Design Colaborativo e Cocriação (UFPR), Geifec – Grupo de Estudos sobre Itinerários de Formação em Educação e Cultura (USP), Lab_Arte – Laboratório Experimental de Arte-Educação & Cultura (USP).

Referências

A ROSA púrpura do Cairo. Direção: Woody Allen. Produção: Charles H. Joffe e Jack Rollins. Intérpretes: Mia Farrow; Jeff Daniels; Danny Aiello; Dianne Wiest e outros. Roteiro: Woody Allen. Los Angeles: Orion Pictures, 1985. (82 min.), son., color., 35 mm.

ALMEIDA, R. Meia-noite em Paris. In: ALMEIDA, R.; FERREIRA-SANTOS, M. Cinema e contemporaneidade. São Paulo: Képos, 2012. p. 39-52.

______. O imaginário trágico de Machado de Assis: elementos para uma pedagogia da escolha. São Paulo: Képos, 2015a.

______. O mundo, os homens e suas obras: filosofia trágica e pedagogia da escolha. Tese (Livre Docência em Cultura e Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo: FEUSP, 2015b.

______. Cinema e educação: fundamentos e perspectivas. Educação em Revista, Belo Horizonte, n. 33, p. 1-28, 2017.

ASSIS, M. Memórias póstumas de Brás Cubas. São Paulo: Ática, 1990.

BECCARI, M. Articulações simbólicas: uma nova filosofia do design. Teresópolis: 2AB, 2016.

BÍBLIA. A. T. Eclesiastes 4: 2-3. Trad. João Ferreira de Almeida revista e atualizada. 1993. Disponível em: <https://goo.gl/cpporm>. Acesso em: 11 out. 2017.

CIORAN, E. M. Do inconveniente de ter nascido. Lisboa: Letra Livre, 2010.

CRIMES e pecados. Direção: Woody Allen. Produção: Charles H. Joffe e Jack Rollins. Intérpretes: Martin Landau; Woody Allen; Bill Bernstein e outros. Roteiro: Woody Allen. Los Angeles: Jack Rollins & Charles H. Joffe Productions, 1989. (104 min.), son., color., 35 mm.

DELEUZE, G. Cinema: imagem-movimento. São Paulo: Brasiliense, 1985.

LAX, E. Conversas com Woody Allen. São Paulo: Cosac Naify, 2008.

MAGIA ao luar. Direção: Woody Allen. Produção: Ronald L. Chez. Intérpretes: Colin Firth; Emma Stone; Marcia Gay Harden e outros. Roteiro: Woody Allen. Londres: Dippermouth Productions, 2014. (97 min.), son., color., 35 mm.

MEIA-NOITE em Paris. Direção: Woody Allen. Produção: Javier Méndez. Intérpretes: Owen Wilson; Rachel McAdams; Kathy Bates e outros. Roteiro: Woody Allen. Barcelona: Mediapro; Versátil Cinema; Gravier Productions; Pontchartrain Productions; TV3, 2011. (94 min.), son., color., 35 mm.

MERLEAU-PONTY, M. O cinema e a nova psicologia. In: XAVIER, I. (Org.). A experiência do cinema. Rio de Janeiro: Graal, 1983. p. 101-117.

NIETZSCHE, F. O nascimento da tragédia ou helenismo e pessimismo. Tradução J. Guinsburg. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

______. Ecce homo: como alguém se torna o que é. Tradução Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

______. Genealogia da moral: uma polêmica. Tradução Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

OLIVA, R. H. El saber trágico: de Nietzsche a Rosset. Madrid: Laberinto, 2001.

PONTO final: Match point. Direção: Woody Allen. Produção: Stephen Tenenbaum. Intérpretes: Scarlett Johansson; Jonathan Rhys Meyers; Emily Mortimer e outros. Roteiro: Woody Allen. Londres: BBC Films; Thema Production; Jada Productions; Kudu Films, 2005. (124 min.), son., color., 35 mm.

REIA-BAPTISTA, V. Estudos fílmicos: o estado da Arte (e da Ciência). In: SOPCOM, 4., 2005, Faro. Livro de Actas. Faro: Universidade do Algarve, jun. 2005. p. 1029- 1033. Disponível em: <https://goo.gl/h6HeLY>. Acesso em: 10 maio 2017.

RICOEUR, P. Hermenêutica e ideologias. Petrópolis: Vozes, 2008.

ROSSET, C. A lógica do pior: elementos para uma filosofia trágica. Tradução Fernando J. F. Ribeiro e Ivana Bentes. Rio de Janeiro: Espaço e Tempo, 1989.

______. Alegria: a força maior. Tradução Eloisa Araújo Ribeiro. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 2000. (Coleção Conexões).

SCHEMBRI, J. Words from Woody. The Age, mar. 2006. Disponível em: <https://goo.gl/Evsoe5>. Acesso em: 10 maio 2017.

STEINER, G. Depois de Babel: questões de linguagem e tradução. Curitiba: Editora da UFPR, 2005.

ZANIRATTO, C. P. Tradução, comentário e notas de Édipo em Colono de Sófocles. 2003. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Unicamp, Campinas, 2003.

Publicado
2017-11-23
Seção
Dossiê