A colonização da cultura: ainda sobre Classificação Indicativa

Autores

  • Mayra Rodrigues Gomes Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-677X.rum.2017.132948

Palavras-chave:

Classificação indicativa, telenovela, programas de auditório

Resumo

Este texto se relaciona a trabalhos de pesquisa desenvolvidos junto ao Obcom (Observatório de Censura, Comunicação e Liberdade de Expressão) focando o controle do fluxo de produtos culturais através de variadas estratégias normativas. Assim, um dos objetos de investigação são as aplicações da Classificação Indicativa relacionadas à exibição de espetáculos fílmicos e/ou televisivos. Trazemos, aqui, algumas considerações tecidas a partir de casos polêmicos que têm transitado pelas mídias, evocando situações paradoxais, através das quais podemos ver modos, formais e informais, de cerceamentos que se configuram como censura.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mayra Rodrigues Gomes, Universidade de São Paulo

Professora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP).

Referências

BRASIL. Ministério da Justiça. Notícias de Governo, Brasília, DF, 8 set. 2000. Disponível em: <https://goo.gl/CD4ybT>. Acesso em: 30 out. 2017.

______. Ministério da Justiça. Secretaria Nacional de Justiça. Departamento de Justiça, Classificação, Títulos e Qualificação. Manual da nova classificação indicativa. Brasília, DF: Ministério da Justiça, 2006a. Disponível em: . Acesso em: 11 out. 2017.

______. Portaria nº 1.100, de 14 de julho de 2006. Regulamenta o exercício da Classificação Indicativa de diversões públicas, especialmente obras audiovisuais destinadas a cinema, vídeo, dvd, jogos eletrônicos, jogos de interpretação (RPG) e congêneres. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 20 jul. 2006b. Disponível em: <https://goo.gl/fQtwCQ>. Acesso em: 18 out. 2017.

______. Portaria MJ nº 1.220, de 11 de julho de 2007. Regulamenta as disposições da Lei n° 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente - ECA), da Lei no 10.359, de 27 de dezembro de 2001, e do Decreto nº 6.061, de 15 de março de 2007, relativas ao processo de classificação indicativa de obras audiovisuais destinadas à televisão e congêneres. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 12 jul. 2007. Disponível em: <https://goo.gl/sqxmrB>. Acesso em: 18 out. 2017.

______. Ministério da Justiça. Secretaria Nacional de Justiça. Departamento de Justiça, Classificação, Títulos e Qualificação. Guia prático: classificação indicativa. Brasília, DF: Ministério da Justiça, 2012. Disponível em: <https://goo.gl/i5nF11>. Acesso em: 17 out. 2017.

CHARAUDEAU, P. Discurso das mídias. São Paulo: Contexto, 2007.

GOMES, M. R. Sobre supervisão e controle: um exercício em torno da classificação indicativa. Revista Matrizes, São Paulo, v. 7, n. 1, p. 127-147, jan./jun. 2013. Disponível em: <https://goo.gl/RtGtqT>. Acesso em: 11 out. 2017.

GRAGNANI, J. Gil e Caetano se juntam a Roberto contra biografias. Folha de S.Paulo, São Paulo, 5 out. de 2013. Ilustrada. Disponível em: <https://goo.gl/ aa6snD>. Acesso em: 11 out. 2017.

HARVEY, D. A condição pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. São Paulo: Loyola, 1992.

JAMESON, F. As sementes do tempo. São Paulo: Ática, 1997.

______. Marcas do visível. Rio de Janeiro: Graal, 1995.

______. Pós-modernismo: a lógica cultural do capitalismo tardio. São Paulo: Ática, 2006.

PADIGLIONE, C. Classificação indicativa e termos legais afastam vida real da ficção. O Estado de S.Paulo, São Paulo, 22 set. 2013. Caderno 2, p. 1-6.

Downloads

Publicado

2017-11-23

Como Citar

GOMES, M. R. A colonização da cultura: ainda sobre Classificação Indicativa. RuMoRes, [S. l.], v. 11, n. 22, p. 203-223, 2017. DOI: 10.11606/issn.1982-677X.rum.2017.132948. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/Rumores/article/view/132948. Acesso em: 29 out. 2020.

Edição

Seção

Artigos