Outlander: um olhar feminino sobre a sexualidade

Autores

  • Carlos Gerbase Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-677X.rum.2017.133656

Palavras-chave:

Cinema, feminismo, escopofilia, televisão, indústria audiovisual

Resumo

A partir da releitura do ensaio Prazer visual e cinema narrativo, texto feminista clássico dos anos 1970, de autoria de Laura Mulvey, que acusa o cinema mundial – e em especial o produzido em Hollywood – de ser machista e transformar o espectador, independente de gênero, em um voyeur do sexo masculino, discuto neste trabalho as possíveis transformações acontecidas nesse quadro estético nos últimos 40 anos. Os objetos empíricos deste estudo são o romance Outlander, de Diana Gabaldon, e a primeira temporada da série de TV homônima, que estão bem distantes da misoginia apontada por Mulvey. Uma sequência de ações referentes a uma relação sexual, presente tanto no romance quanto na série televisiva, foi analisada detalhadamente, de modo a flagrar novas estratégias narrativas e estéticas da indústria audiovisual contemporânea.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Gerbase, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Pós-doutorado em Cinema pela Université Sorbonne Nouvelle – Paris 3 e doutor em Comunicação Social pela PUCRS. É professor titular no Curso de Produção Audiovisual e no Programa de Pós-Graduação em Comunicação da PUCRS. É cineasta, com sete longas lançados. É autor de quatro obras literárias de ficção e de três obras ensaísticas na área de cinema.

Referências

BARKOW, J. H.; COSMIDES, L.; TOOBY, J. (Org.). The adapted mind: evolutionary psychology and the generation of culture. New York: Oxford University Press, 1992.

FREUD, S. Três ensaios sobre a teoria da sexualidade. In: FREUD, S. Obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 2006. v. VII, p.119-231.

GABALDON, D. Outlander: a viajante do tempo. Rio de Janeiro: Saída de Emergência, 2014.

IMDB – Internet Movie Database. Outlander. Disponível em: <https://goo.gl/ ynYV32>. Acesso em: maio 2017.

METZ, C. Linguagem e cinema. São Paulo: Perspectiva, 1980.

MULVEY, L. Prazer visual e cinema narrativo. In: XAVIER, I. A experiência do cinema: antologia. Rio de Janeiro: Graal; Embrafilme, 1983. p. 437-453.

ROUDINESCO, E.; PLON, M.; JORGE, M. A. C.; RIBEIRO, V. Dicionário de psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.

RYAN, M. Showrunner Ronald D. Moore on how ‘Outlander’ avoids formulaic sex scenes. Variety, New York, 2016. Disponível em: <https://goo.gl/2Au4BT>. Acesso em: maio de 2017.

Downloads

Publicado

2017-11-23

Como Citar

GERBASE, C. Outlander: um olhar feminino sobre a sexualidade. RuMoRes, [S. l.], v. 11, n. 22, p. 116-135, 2017. DOI: 10.11606/issn.1982-677X.rum.2017.133656. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/Rumores/article/view/133656. Acesso em: 21 out. 2020.

Edição

Seção

Dossiê