Bottle rack: a ausência da Coca-Cola nas obras de Marcel Duchamp

Autores

  • Miriam Cristina Carlos Silva Universidade de Sorocaba
  • Paulo Celso da Silva Universidade de Sorocaba

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-677X.rum.2017.134237

Palavras-chave:

Bottle rack, Coca-Cola, Marcel Duchamp

Resumo

Este artigo resulta de pesquisa iniciada em 2015, a qual tem como objeto as reapropriações artísticas e midiáticas da marca Coca-Cola, bem como a expansão de suas cargas simbólicas. Neste caso, discutimos o Bottle rack de Marcel Duchamp. Para as análises, dialogamos com Paz, Cabanne, Fabbrini, Cage, entre outros, e realizamos um experimento denominado Coca-Cola’s bottle rack. Conclui-se que Coca-Cola’s bottle rack nos fez refletir acerca da linha narrativa que se cria com essa composição. A ideia é a de um objeto de arte e sua própria negação em diálogo com o espectador, que “complementa” a obra com sua percepção e seu repertório, seja este oriundo ou não da sociedade de massas, da indústria cultural ou da sociedade do espetáculo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Miriam Cristina Carlos Silva, Universidade de Sorocaba

Pós-doutorado em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul em 2012. Professora titular do mestrado em Comunicação e Cultura da Universidade de Sorocaba, na linha de pesquisa Análise de Processos e Produtos Midiáticos. Lidera o Grupo de Pesquisa em Narrativas Midiáticas (Nami) da Universidade de Sorocaba.

Paulo Celso da Silva, Universidade de Sorocaba

Pós-doutoramento pela Universitat de Barcelona durante os anos de 2001 e 2002 desenvolvendo projeto de pesquisa com apoio da Fapesp sobre a cidade do conhecimento. Em 2012 desenvolveu um pós-doutoramento na UERJ analisando a produção intelectual do Dr. Milton Santos e a sua aplicação/relação com a Comunicação. Atualmente é professor titular da Universidade de Sorocaba, professor do Programa de Mestrado em Comunicação e Cultura, e suas atividades estão inseridas na linha de pesquisa Mídias e Práticas Socioculturais.

Referências

CABANNE, P. Marcel Duchamp: engenheiro do tempo perdido. São Paulo: Perspectiva, 2012.

CAGE, J. De segunda a um ano: novas conferências e escritos de John Cage. Rio de Janeiro: Cobogó, 2013.

DANIELS, D. Duchamp und die anderen: der Modellfall einer künstlerischen Wirkungsgeschichte in der Moderne. Köln: DuMont-Taschenbücher, 1992.

DUCHAMP, M. Ready-made. In: Marcel Duchamp dans les collections. Paris: Centro Georges Pompidou, 2001. Disponível em <https://goo.gl/yc6LuWl>. Acesso em 20 jul. 2016.

______. Arte para todos, arte para poucos. Revista Usina, [S.l.], n. 21, ago. 2015. Disponível em: <https://goo.gl/S1aUFk>. Acesso em: 20 jul. 2016.

FABBRINI, R. N. Arte relacional e regime estético: a cultura da atividade dos anos 1990. Revista Científica/FAP, Curitiba, v. 5, p. 11-24, jan./jun., 2010. Disponível em: <https://goo.gl/nvQHMH>. Acesso em: 20 jul. 2016.

FUNCKE, B. Not objects so much as images: a response to Graham Harman’s “Greenberg, Duchamp, and the next avant-garde”. Speculations: A Journal of Speculative Realism, New York, v. 5, p. 275-285, 2014. Disponível em: <https://goo.gl/QAhEvr>. Acesso em: 20 jul. 2016.

KATTENBERG, P. The value of Warhol. In: KLAMER, A. (Ed.). The value of culture: on the relationship between Economics and Arts. Amsterdam: Amsterdam University Press, 1996. p. 205-213.

MINK, J. Marcel Duchamp 1887-1968: A arte como contra-arte. Lisboa: Taschen, 1996.

PARCERISAS, P. Duchamp en España: las claves ocultas de sus estancias en Cadaqués. Barcelona: Siruela, 2009.

PAZ, O. Marcel Duchamp ou O castelo da Pureza. São Paulo: Perspectiva, 1977.

______. Signos em rotação. São Paulo: Perspectiva, 2012.

PELED, Y. Ready made: inclusão ruidosa. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISADORES DE ARTES PLÁSTICAS DINÂMICAS EPISTEMOLÓGICAS EM ARTES VISUAIS, 16., set. 2007, Florianópolis. Anais do Encontro Nacional da ANPAP. Santa Maria: ANPAP, 2007. p. 1724-1733. Disponível em: <https://goo.gl/YHmQpp>. Acesso em: 20 jul. 2016.

ROUSSEL, R. Comment j’ai écrit certains de mes livres. 1935. Disponível em: <https://goo.gl/M8VmnQ>. Acesso em: 20 jul. 2016.

SCHAMBERG, M.; FREYTAG-LORINGHOVEN, E. God. 1917. 1 fotografia. Disponível em: <https://goo.gl/RkKB9m>. Acesso em: 20 jul. 2016.

STAFFORD, A. Making sense of Marcel Duchamp. 2008. Disponível em: <https://goo.gl/omFS6b>. Acesso em: 20 jul. 2016.

TAYLOR, S. W. Apropos of readymades. Art and Artists, London, v. 1, n. 4, p. 46-47, jul. 1966. Special Number.

THE BLIND MAN. New York, 1917, n. 2. Disponível em: <https://goo.gl/NCqda6>. Acesso em: 20 jul. 2016.

Downloads

Publicado

2017-11-23

Como Citar

SILVA, M. C. C.; SILVA, P. C. da. Bottle rack: a ausência da Coca-Cola nas obras de Marcel Duchamp. RuMoRes, [S. l.], v. 11, n. 22, p. 270-297, 2017. DOI: 10.11606/issn.1982-677X.rum.2017.134237. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/Rumores/article/view/134237. Acesso em: 29 out. 2020.

Edição

Seção

Artigos