Campeões de bilheteria e o sucesso como antídoto ao terceiro

Palavras-chave: Imaginário, comunicação, cinema, sucesso

Resumo

Este trabalho se propõe a refletir sobre as condições simbólicas (Durand, Bachelard) que, no cinema, podem participar da imagem do sucesso a qual, considerada no que exige de consenso e adesão coletiva, é definida a partir da premissa dos estudos do imaginário sobre as representações dos princípios lógicos de antítese, analogia e complexidade, ponderando-se que a relação com a diferença é fundamental para compreender a condição simbólica do sucesso. Com essa premissa, são examinados três dos dez filmes considerados os maiores sucessos (de bilheteria) de todos os tempos: …E o vento levou, Avatar e Titanic. Conclui-se que tanto em Avatar quanto em Titanic existe uma abordagem dualista da alteridade. Já em …E o vento levou, a abordagem é monista. Em quaisquer dos casos, é escamoteada a pluralidade, com a recusa da efetividade do Outro enquanto terceiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Taís Portanova Barros, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Professora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação e da Graduação em Comunicação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Doutora em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo. Pós-doutora em Filosofia da Imagem pela Université de Lyon III.

Referências

BACHELARD, G. A terra e os devaneios do repouso: ensaio sobre as imagens da intimidade. São Paulo: Martins Fontes, 1990.

______. A psicanálise do fogo. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

______. A terra e os devaneios da vontade: ensaio sobre a imaginação das forças. São Paulo: Martins Fontes, 2001a.

______. O ar e os sonhos: ensaio sobre a imaginação do movimento. São Paulo: Martins Fontes, 2001b.

BARROS, A. T. M. P. A fotografia no Instagram e as presenças do sagrado na contemporaneidade. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 39., 2016, São Paulo. Anais eletrônicos… São Paulo: Intercom, 2016. Disponível em: <https://goo.gl/1rnLYo>. Acesso em: 5 jul. 2017.

______. Raízes dos estudos do imaginário: teóricos, noções, métodos. In: ARAUJO, D. C.; CONTRERA, M. S. (Orgs.). Teorias da imagem e do imaginário. Brasília, DF: Compós, 2014. p. 50-78.

CAMPBELL, J. O herói de mil faces. São Paulo: Pensamento, 2007.

CARRASCO, D. (Ed.). Introduction. In: ______ (Ed.). The history of the conquest of New Spain by Bernal Diaz del Castillo. Albuquerque: UNM Press, 2009. p. xi-xxvii.

CLIFT, J. D.; CLIFT, W. B. The hero journey in dreams. New York: Crossroad, 1988.

DURAND, G. Campos do imaginário. Lisboa: Instituto Piaget, 1996.

______. Les structures anthropologiques de l’imaginaire: introduction à l’archétypologie générale. Paris: Dunod, 2016.

FISCHER, R. M. B. O mito na sala de jantar: leitura interpretativa do discurso infanto-juvenil sobre a televisão. 1982. Dissertação (Mestrado em Educação) – Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, 1982. Disponível em: <https://goo.gl/ GyUnJ5>. Acesso em: 3 jun. 2017.

GOLDSTEIN, L. S. Becoming a teacher as a hero’s journey: using metaphor in preservice teacher education. Teacher education quarterly, Ann Arbor, v. 32, n. 1, p. 7-24, Winter 2005. Disponível em: <https://goo.gl/3VFEvn>. Acesso em: 23 jun. 2017.

HAMILTON, J. F. Sand’s la mare au diable, Awakening through “Evil” and the hero’s journey. Nineteenth-Century French Studies, Lincoln, v. 36, n. 1-2, p. 45-60, Fall- Winter 2007. Disponível em: <https://goo.gl/HVGxDv>. Acesso em: 21 jun. 2017.

HORKHEIMER, M.; ADORNO, T. A indústria cultural. O iluminismo como mistificação de massas. In: LIMA, L. C. (Org.). Teoria da cultura de massa. Rio de Janeiro: Saga, 1969. p. 163.

MCDONALD, W. C. The boar emblem in Gottfried’s “Tristan”. Neuphilologische Mitteilungen, Helsinki, v. 92, n. 2, p. 159-178, 1991. Disponível em: . Acesso em: 23 jun. 2017.

MORIN, E. O cinema ou o homem imaginário: ensaio de antropologia. Lisboa: Relógio D’ Água, 1997.

OTTO, R. O sagrado: um estudo do elemento não-racional na ideia do divino e sua relação com o racional. São Bernardo do Campo: Imprensa Metodista, 1985.

THOMAS, J. Introduction aux méthodologies de l’imaginaire. Paris: Ellipses, 1998.

TODOROV, T. A conquista da América: a questão do outro. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

VOGLER, C. A practical guide to Joseph Campbell’s the hero with a thousand faces. [S.l.], 1985. Disponível em: <https://goo.gl/XchxW4>. Acesso em: 24 jun. 2017.

______. The writer’s journey: mythic structure for writers. London: Pan Books, 1996.

WUNENBURGER, J. J. A razão contraditória – Ciências e filosofias modernas: o pensamento complexo. Lisboa: Instituto Piaget, 1990.

______. La vie des images. Grenoble: PUG, 2002.

______. As telas do sagrado ou o imaginário religioso da televisão. in: Intexto. Porto Alegre, UFRGS, set.-dez. 2017. p. 23-35.

Publicado
2017-11-23
Como Citar
BARROS, A. T. Campeões de bilheteria e o sucesso como antídoto ao terceiro. RuMoRes, v. 11, n. 22, p. 7-26, 23 nov. 2017.
Seção
Dossiê