Anotações sobre a modernidade líquida em Once Upon a Time

Autores

  • Marcos Aleksander Brandão Universidade Anhembi Morumbi
  • Laura Canepa Universidade Anhembi Morumbi

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-677X.rum.2017.134324

Palavras-chave:

Televisão, séries, EUA, Once upon a time, modernidade líquida

Resumo

Este trabalho discute o seriado televisivo Once Upon a Time, da rede de televisão estadunidense ABC, que realiza uma releitura contemporânea dos contos de fadas. Sugere-se que aspectos da modernidade líquida descritos pelo sociólogo Zygmunt Bauman – como fluidez, fragmentação, incerteza e volatilidade – afetam e ajudam a moldar peças audiovisuais de sucesso, como a série em questão. Consideramos que, em Once Upon a Time, esses aspectos se expressam por meio de duas estratégias principais: a divisão do mundo diegético em mundos paralelos e a reinvenção de personagens de narrativas tradicionais. A partir dessas estratégias, a série traça o caminho da sua protagonista, Emma Swan, que busca dar sentido à existência num mundo atravessado por imaginários construídos pelos produtos midiáticos e também por noções instáveis de identidade, história e passado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcos Aleksander Brandão, Universidade Anhembi Morumbi

Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Anhembi Morumbi (UAM).

Laura Canepa, Universidade Anhembi Morumbi

Docente do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Anhembi Morumbi (UAM).

Referências

ADELMAN, M. Visões da Pós-Modernidade: discursos e perspectivas teóricas. Revista Sociologias, Porto Alegre, v. 11, n. 21, p. 184-217, jan./jul. 2009.

AZUBEL, L. L. R. Uma série de contos e os contos em série: o imaginário pós-moderno em Once Upon a Time. Tese (Doutorado em Comunicação) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2017.

BAUMAN, Z. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

________. Modernidade e ambivalência. Rio de Janeiro: Zahar, 1999.

________. O mal-estar da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.

______. Entrevista com Zygmunt Bauman concedida a Maria Lúcia Garcia Pallares- Burke. Revista Tempo Social, São Paulo, v. 16, n. 1, p. 301-325, jun. 2004. Disponível em: <https://goo.gl/S5ALTR>. Acesso em: 13 out. 2017.

BETTELHEIM, B. A psicanálise dos contos de fadas. 13. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1999.

BUDAG, F. E. Intertextualidade, dialogismo e cultura material: um estudo de narrativa ficcional audiovisual contemporânea. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.

CAMPBELL, J. O herói de mil faces. São Paulo: Pensamento, 2007.

CUNHA, M. Z. C. Apresentação: Bem-vindas, vívidas forças da magia. In: VALENZUELA, Sandra T. Once Upon a Time: da literatura para a série de TV. Lisboa: Chiado, 2016, p. 11-16.

ECO, U. O nome da Rosa. 2. ed. Rio de Janeiro: Record, 2010.

GENETTE, G. Palimpsestos: a literatura de segunda mão. Belo Horizonte: Faculdade de Letras da UFMG, 2005.

MAFFESOLI, M. Sobre o nomadismo: vagabundagens pós-modernas. Rio de Janeiro: Record, 2001.

MITTELL, J. Complexidade narrativa na televisão americana contemporânea. Revista Matrizes, São Paulo, v. 5, n. 2, p. 29-52, jan./jun. 2012.

PILLAR, A. D. Inscrições do contemporâneo em narrativas audiovisuais: simultaneidade e ambivalência. Revista Educação, Porto Alegre, v. 36, n. 3, p. 306-313, set./dez. 2013.

PONTES, E. L.; SANTOS, C. M. O Comportamento dos Fandoms a partir do ato de Shippar: um estudo de caso em Once Upon a Time. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 39., 2016, São Paulo. Anais… São Paulo: Intercom, 2016. Disponível em: <https://goo.gl/kmhqu2>. Acesso em: 13 out. 2017.

POMMER, M. E. As duplas vidas nas séries televisivas. In: BORGES, G.; PUCCI, R.; SELIGMAN, F. (Eds.). Televisão: Formas audiovisuais na ficção e no documentário. São Paulo: Socine, 2011. p. 129-140.

SILVA, M. V. B. Cultura das séries: forma, contexto e consumo de ficção seriada na contemporaneidade. Revista Galáxia, São Paulo, v.14, n. 27, p. 241-252, jun. 2014.

TODOROV, T. Introdução à Literatura Fantástica. 4. ed. São Paulo: Perspectiva, 2014.

VALENZUELA, S. T. Once Upon a Time: da literatura para a série de TV. Lisboa: Chiado, 2016.

_______. Branca de Neve e o Príncipe Encantado: personagens de Once Upon a Time. Revista Literartes, São Paulo, n. 3, p. 155-169, 2014.

Downloads

Publicado

2017-11-23

Como Citar

BRANDÃO, M. A.; CANEPA, L. Anotações sobre a modernidade líquida em Once Upon a Time. RuMoRes, [S. l.], v. 11, n. 22, p. 158-181, 2017. DOI: 10.11606/issn.1982-677X.rum.2017.134324. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/Rumores/article/view/134324. Acesso em: 29 out. 2020.

Edição

Seção

Dossiê