Imaginário serial: compartilhamento de arquétipos

Autores

  • Danielle Perin Rocha Pitta Universidade Federal de Pernambuco

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-677X.rum.2017.134370

Palavras-chave:

Imaginário serial, simbolismo, cinema, arquétipo

Resumo

Na base de todo relato imagético estão os arquétipos, simultaneamente universais e específicos. Estes se expressam através do nível simbólico das imagens, culturalmente contextualizadas. Através da obra de Gilbert Durand, pode-se observar a lógica simbólica em ação tanto nos filmes como em seriados. Séries e novelas, percebe-se, devem o seu sucesso à força da redundância das imagens, à familiaridade, à sensação de segurança (imaginário transcendental), à distração do próprio cotidiano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Danielle Perin Rocha Pitta, Universidade Federal de Pernambuco

Professora aposentada associada do Programa de Pós-Graduação em Antropologia da Universidade Federal de Pernambuco. Membro do bureau diretor do Centre de Recherche International sur limaginaire (CRI2I), sediado em Cluj, Romênia. Vice-presidente da Association des amis de Gilbert Durand (AAGD), sediada em Chambéry, França. Presidente da Associação Ylê Seti do Imaginário – Recife.

Referências

ARAÚJO, A. F.; TEIXEIRA M. C. S. Gilbert Durand e a pedagogia do imaginário. Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 44, n. 4, p. 7-13, out./dez. 2009.

BACHELARD, G. Message de Gaston Bachelard. Société de Symbolisme (Genève), Cahiers Internationaux du Symbolisme, n. 1, 1962, p. 5-6.

BARBIER, R. A. Natureza e importância dos arquétipos para o panteísmo. Instituto Universo Panteísta, [S.l.], set. 2013. Disponível em: <https://goo.gl/C1ubd8>. Acesso em: 6 out. 2017.

DURAND, G. Mito e sociedade: a mitanálise e a sociologia das profundezas. Lisboa: Regra do Jogo, 1983.

______. A Imaginação Simbólica. São Paulo: Cultrix, 1988.

______. As estruturas antropológicas do imaginário. São Paulo: 1a edição: Martins Fontes, 1997. 4a edição: Martins Fontes, 2012

______. Campos do imaginário. Lisboa: Instituto Piaget, 1998.

______. O imaginário: ensaio acerca das ciências e da filosofia da imagem. Rio de Janeiro: Difel, 1999.

______. Le retour des dieux. Propos recueillis par Patrice Van Eersel. Nouvelle clés, [S.l.], 2001.

______. Ciência do homem e tradição: o novo espírito antropológico. São Paulo: Triom, 2008.

FERREIRA, F.; OLIVEIRA, M. Resumo do livro “O Império do Grotesco”. O mundo do grotesco. 2013. Disponível em: <http://bit.ly/2kFFdoW>. Acesso em: 11 out. 2017.

FREITAS, C. F. Un cinéma possible: une analyse socio-anthropologique de la production cinématographique brésilienne dans la postmodernité. Tese (Doutorado em Sociologia) – Université Paris Descartes, Paris, 2001.

FRUOCO, J.; LAIMÉ, A.; MARTIN, A. R. (Orgs.). Imaginaire sériel: les mécanismes sériels à l’oeuvre dans l’acte créatif. Grenoble: UGA Éditions, 2017.

JUNG, Carl Gustav. Os arquétipos e o inconsciente coletivo. Petrópolis: Vozes, 2003.

MARCHAND, F. Avant-propos: le cinéma ou les territoires de l’imaginaire. Entrelacs, Toulouse, p. 1-4, ago. 2011. Disponível em: <https://goo.gl/V4SzXn>. Acesso em: 24 maio 2017.

MORIN, E. Le cinéma ou l’homme imaginaire. Paris: Les Éditions de Minuit, 1956.

PITTA, D. P. R. Iniciação à teoria do imaginário de Gilbert Durand. 1a ed. São Paulo: Atlântica Editora, 2005; 2. ed. Curitiba: Editora CRV, 2017.

SODRÉ, M.; PAIVA, R. O império do grotesco. Rio de Janeiro: Mauad, 2002.

WUNENBURGER, J.-J. L’homme à l’âge de la télévision. Paris: Presses Universitaires de France, 2000.

ZUMTHOR, P. Permanência da voz. In: FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO. Lições de Cinema, 5: cinema e televisão – histórias com imagens e som na moderna sociedade oral. 2. ed. São Paulo: FDE, 1993. p. 48-58.

Downloads

Publicado

2017-11-23

Como Citar

PITTA, D. P. R. Imaginário serial: compartilhamento de arquétipos. RuMoRes, [S. l.], v. 11, n. 22, p. 27-40, 2017. DOI: 10.11606/issn.1982-677X.rum.2017.134370. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/Rumores/article/view/134370. Acesso em: 21 out. 2020.

Edição

Seção

Dossiê