Serialização da cultura e promoção de imaginários ambivalentes: construindo o “comum-excepcional” em A feiticeira

Autores

  • Rose de Melo Rocha Escola Superior de Propaganda e Marketing
  • Paulo Roberto Ferreira da Cunha Escola Superior de Propaganda e Marketing

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-677X.rum.2017.134801

Palavras-chave:

Serialização da cultura, imagem e imaginário, ambivalência, A feiticeira

Resumo

Este artigo problematiza algumas significações imagéticas e imaginárias articuladas no consumo de narrativas serializadas. Para empreender esta análise, partimos de uma contextualização teórica sobre serialização da cultura e descentralização da cultura de massas, analisando a imagética do consumo articulada na serialização. Voltamo-nos, a seguir, em uma perspectiva histórica, a imagens modelares de estilo de vida, através da disseminação da comunicação de forma massiva em um seriado estadunidense produzido para a TV na década de 1960, A feiticeira. Em paralelo à ação normativa da difusão do referido modelo, contradições e fatores contextuais tensionavam o padrão, evidenciando ações intencionais e involuntárias que dialogavam com parcelas distintas da população não coniventes ou contempladas pelo status quo. Assim, entendemos que há a disseminação de imaginários ambivalentes pela série e no processo de seu consumo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rose de Melo Rocha, Escola Superior de Propaganda e Marketing

Professora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM).

Paulo Roberto Ferreira da Cunha, Escola Superior de Propaganda e Marketing

Coordenador e professor do curso de Comunicação Social da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM).

Referências

BRAGA, J. L. Circuitos versus campos sociais. In: JACKS, N.; JANOTTI JUNIOR, J.; MATTOS, M. A. (Org.). Mediação & midiatização. Salvador: Edufba; Brasília, DF: Compós, 2012. p. 31-52.

CUNHA, P. R. F. American way of life: representação e consumo de um estilo de vida modelar no cinema norte-americano dos anos 1950. Tese (Doutorado em Comunicação e Práticas do Consumo) – Escola Superior de Propaganda e Marketing, São Paulo, 2015.

DEBORD, G. A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

FEATHERSTONE, M. Cultura de consumo e pós-modernismo. 1. ed. São Paulo: Studio Nobel, 1995.

JAMESON, F. Pós-modernismo: a lógica cultural do capitalismo tardio. São Paulo: Ática, 1996.

KELLNER, D. A cultura da mídia: estudos culturais – identidade e política entre o moderno e o pós-moderno. Bauru: Edusc, 2001.

MATEUS, S. O imaginal público: prolegómenos a uma abordagem comunicacional do imaginário. Comunicação, mídia e consumo, São Paulo, ano 10, v. 10, n. 29, p. 31-50, set./dez., 2013.

MORIN, E. O cinema ou o homem imaginário: ensaio de antropologia. 1. ed. Lisboa: Relógio D’Água, 1997.

_________. Cultura de massas no século XX: necrose. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1999.

PROKOP, D. Sociologia. 1. ed. São Paulo: Editora Ática, 1986.

RINCÓN, O. Narrativas mediáticas: o cómo se cuenta la sociedad del entretenimiento. Barcelona: Gedisa, 2006.

ROCHA, E. P. G. A sociedade do sonho: comunicação, cultura e consumo. 4. ed. Rio de Janeiro: Mauad, 1995.

ROCHA, R. M. É a partir de imagens que falamos de consumo: reflexões sobre fluxos visuais e comunicação midiática. In: BACCEGA, M. A.; CASTRO, G. G. S. (Org.). Comunicação e consumo nas culturas locais e global. São Paulo: ESPM, 2009. p. 268-293.

______. A pureza impossível: consumindo imagens, imaginando o consumo. In: ROCHA, R. M.; CASAQUI, V. (Org.). Estéticas midiáticas e narrativas do consumo. 1. ed. Porto Alegre: Editora Sulina, 2012. p. 21-48.

SEVCENKO, N. A corrida para o século XXI: no loop da montanha-russa. 1. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

SILVERSTONE, R. Por que estudar a mídia? 1. ed. São Paulo: Loyola, 2005.

VANDERBILT, A. O livro de etiqueta. São Paulo: Record, 1962.

Downloads

Publicado

2017-11-23

Como Citar

ROCHA, R. de M.; CUNHA, P. R. F. da. Serialização da cultura e promoção de imaginários ambivalentes: construindo o “comum-excepcional” em A feiticeira. RuMoRes, [S. l.], v. 11, n. 22, p. 136-157, 2017. DOI: 10.11606/issn.1982-677X.rum.2017.134801. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/Rumores/article/view/134801. Acesso em: 28 nov. 2020.

Edição

Seção

Dossiê