Tomando decisões criativas nos estúdios da Hollywood contemporânea

Autores

  • Alexander G. Ross Universidade de Cambridge

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-677X.rum.2017.135320

Palavras-chave:

cinema, roteiro, Hollywood, produção cinematográfica

Resumo

Este artigo busca contribuir para o atual debate sobre os processos de tomada de decisões nos estúdios de Hollywood e do microgerenciamento do processo criativo com o objetivo de produzir filmes consistentemente lucrativos. O autor delineia o processo pelo qual os roteiros são submetidos aos estúdios para determinar a viabilidade deles para produção e como isso impacta na qualidade dos roteiros. Há questões persuasivas sobre se o atual modelo de negócios impossibilita narrativas culturais relevantes e definitivas, e como isso afeta a qualidade e a lucratividade dos filmes contemporâneos. Além de considerar a literatura existente sobre esse tópico, o artigo traz o saber de quinze anos de experiência do autor em Hollywood como roteirista, agente e produtor.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexander G. Ross, Universidade de Cambridge

Produtor, agente e roteirista nos Estados Unidos e Reino Unido, onde é membro da British Academy (Bafta). Professor nos cursos de pós-graduação na Universidade de Cambridge e membro da Agência Executiva de Cultura, Educação e Audiovisual da União Europeia. Autor do livro The confidential studio manual (ROSS, 2007)

Referências

BART, P. Interview. PBS Frontline, Arlington, 2001. Disponível em: . Acesso em: 1 mar. 2010.

BISKIND, P. Down and dirty pictures: Miramax, Sundance, and the rise of independent film. Londres: Bloomsbury, 2005.

BOURDIEU, P.; NICE, R. Distinction: a social critique of the judgement of taste. Cambridge, MA: Harvard University Press, 2004.

BOX OFFICE MOJO. Disponível em: <https://goo.gl/FP9XCN>. 2009. Acesso em: 15 maio 2010.

BROWNING, T. Entrevista concedida a Alexander G. Ross. Beverly Hills, 2002.

CRAIG, T. [mensagem pessoal]. Mensagem recebida por a.g.ross@cantab.net em 2 Mar. 2010.

DALY, B. Entrevista concedida a Alexander G. Ross. Beverly Hills, 2001.

DE VANY, A. Hollywood economics: how extreme uncertainty shapes the film industry. Nova York: Routledge, 2004.

DENNIS, T. From Westworld to WALL-E, CGI has revolutionized cinema. Disponível em: <http://www.techradar.com/news/computing/how-special-effects-transformed-the-movies- 590842>. Acesso em: 15 maio 2010.

EBERTS, J.; ILOTT, T. My indecision is final: the rise and fall of goldcrest films, the independent studio that challenged Hollywood. Londres: Faber and Faber, 1990.

FIELD, S. Screenplay. Clarksdale: Delta Publishing, 2005.

FISHER, L. Interview. PBS Frontline. Arlington, 2001. Disponível em: <https://goo.gl/sV9yo4>. Acesso em: 18 mar. 2010.

FOLEY, S. Studios reel after worst holiday sales since 2001. The Independent. 1 jun. 2010. Disponível em: <https://goo.gl/rhMm8U>. Acesso em: 2010. Acesso em: 20 jun. 2010.

GRITTEN, D. Have the stars lost their shine? Telegraph, Londres, 24 abr. 2010. Disponível em: <https://goo.gl/Wdar6y>. Acesso em: 11 out. 2017.

HENNING-THURAU, T.; HOUSTON, M.; WALSH, G. Determinants of motion picture box office and profitability: an interrelationship approach. Review of Managerial Science, Nova York, v. 1, n. 1, p. 65-92, 2007.

KLEIN, R. Burger King Corp. beams up movie tie-ins with Paramount Pictures. Reuters, Londres, 16 maio 2009.

KNUDSEN, E. The eyes of the beholder. [S.l.] 2005. Disponível em: <https://goo.gl/Abj8pS>. Acesso em: 28 fev. 2010.

LERNER, P. Shadow force. Los Angeles Times, Los Angeles, 7 nov. 2007.

LEV, P. American films of the 70s: conflicting vision. Austin: University of Texas Press, 2000.

LEVIN, B. Interview. PBS Frontline, Arlington, 2001. Disponível em: <https://goo.gl/3jMkU8>. Acesso em: 28 fev. 2010.

MCKEE, R. Story: style, structure, substance, and the principles of screenwriting. Nova York: Regan Books, 2006.

MECHANIC, B. Interview. PBS Frontline, Arlington, 2001. Disponível em: <https://goo.gl/fcGQc5>. Acesso em: 28 fev. 2010.

MILLIUS, J. Entrevista concedida a Alexander G. Ross. Beverly Hills, 2001.

NATALE, R. Interview. PBS Frontline. Arlington, 2001. Disponível em: <https://goo.gl/VcJmTz>. Acesso em: 6 mar. 2010.

QUEENAN, J. All-time box office – for teens only. The Guardian, Londres, 14 fev. 2010. Disponível em: <https://goo.gl/mFNjct>. Acesso em: 11 out. 2017.

ROSS, A. The confidential studio manual. Iowa: Fidlar-Doubleday, 2007.

SAPHIER, P. [mensagem pessoal]. Mensagem recebida por a.g.ross@cantab.net em 2 mar. 2010.

SEGER, L. Making a good script great. Londres: Samuel French, 1994.

STAIGER, J. The studio system. Nova Jersey: Rutgers University Press, 1994.

STRINGER, H. Interview. PBS Frontline. Arlington, 2001. Disponível em: <https://goo.gl/w29Z6X>. Acesso em: 28 fev. 2010.

THOMSON, D. The last picture show: a sequel. The Guardian, Londres, 16 out. 2009. Disponível em: <https://goo.gl/zR5N9A>. Acesso em:15 maio 2010.

Downloads

Publicado

2017-11-23

Como Citar

ROSS, A. G. Tomando decisões criativas nos estúdios da Hollywood contemporânea. RuMoRes, [S. l.], v. 11, n. 22, p. 89-115, 2017. DOI: 10.11606/issn.1982-677X.rum.2017.135320. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/Rumores/article/view/135320. Acesso em: 4 dez. 2020.

Edição

Seção

Dossiê