Foto-ostentação: um novo paradigma fotográfico?

  • Michel de Oliveira Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: foto-ostentação, fotografia, cultura visual, midiatização do cotidiano

Resumo

Este exercício conceitual objetiva compreender os usos da fotografia nas dinâmicas da interação em rede. Para isso, traça um histórico da ostentação e apresenta considerações sobre o papel da imagem fotográfica na sociedade do hiperespetáculo. A hipótese levantada é a de que as reconfigurações da fotografia não se encaixam nos paradigmas preestabelecidos, o que torna necessário uma conceituação crítica para descrever o regime que se consolida, voltado à exposição do cotidiano em detrimento do valor de culto atribuído aos registros domésticos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Michel de Oliveira, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Mestre em Comunicação e especialista em Fotografia pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). Bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).

Referências

BAITELLO JUNIOR, N. A era da iconofagia. São Paulo: Hacker Editores, 2005.

BAUDRILLARD, J. Simulacros e simulações. Lisboa: Relógio d’Água, 1991.

BOURDIEU, P. Un arte medio: ensayo sobre los usos sociales de la fotografía. Barcelona: Gustavo Gili, 2003.

BENJAMIN, W. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. In: Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 3ª ed. São Paulo: Brasiliense, p. 179-212, 1987.

DEBORD, G. A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 2002.

FABRIS, A. Identidades virtuais: uma leitura do retrato fotográfico. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2004.

FONTCUBERTA, J. A câmera de Pandora: a fotografia depois da fotografia. São Paulo: Gustavo Gili, 2012.

GUINN, J.; PERRY, D. The sixteenth minute: life in the aftermath of fame. Nova York: Tarcher, 2005.

KOSSOY, B. Fotografia & História. 4. ed. São Paulo: Ateliê Editorial, 2012.

______. Realidades e ficções na trama fotográfica. 4. ed. São Paulo: Ateliê Editorial, 2009.

LIPOVETSKY, G. O império do efêmero: a moda e seu destino nas sociedades modernas. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

LIPOVETSKY, G.; SERROY, J. A cultura-mundo: resposta a uma sociedade desorientada. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

KEEN, A. Vertigem digital: porque as redes sociais estão nos dividindo, diminuindo e desorientando. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.

MACHADO, J. A sociedade midíocre. Passagem ao hiperespetacular: o fim do direito autoral, do livro e da escrita. Porto Alegre: Sulina, 2013.

MEDEIROS, M. Fotografia e narcisismo: o auto-retrato contemporâneo. Lisboa: Assírio e Alvim, 2000.

OLIVEIRA, M. de; BONI, P. C. “Dos álbuns às redes virtuais: a midiatização da fotografia de família”. In: Tríade: comunicação, cultura e mídia. Sorocaba, v. 3, n. 5, 2015. Disponível em: http://periodicos.uniso.br/ojs/index.php?journal=triade&page=article&op=view&path%5B%5D=2255&path%5B%5D=1944. Acesso em: 7 ago. 2017.

ROUILLÉ, A. Fotografia: entre documento e arte contemporânea. São Paulo: Editora Senac, 2009.

SCHWARCZ, L. M. As barbas do imperador: D. Pedro II, um monarca nos trópicos. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

SIBILIA, P. O show do eu: a intimidade como espetáculo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.

SONTAG, S. Sobre fotografia. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

VEBLEN, T. A teoria da classe ociosa: um estudo econômico das instituições. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

Publicado
2018-06-22
Como Citar
OLIVEIRA, M. DE. Foto-ostentação: um novo paradigma fotográfico?. RuMoRes, v. 12, n. 23, p. 319-337, 22 jun. 2018.
Seção
Artigos