Representação da violência doméstica em produções seriadas brasileiras

  • Monica Martinez Universidade de Sorocaba
  • Samantha Nogueira Joyce Universidade de Sorocaba
Palavras-chave: Narrativas midiáticas, séries, telenovelas, merchandising social, relações de gênero

Resumo

A proposta deste artigo é refletir a respeito da representação da violência doméstica em relação a mulheres em narrativas seriadas televisivas. Trata-se de uma análise comparativa, com uma perspectiva crítica/ compreensiva, no campo dos estudos das narrativas e do imaginário. Este trabalho tem como corpus a telenovela Mulheres Apaixonadas (Globo) e o seriado Sessão de Terapia (Globosat News Television – GNT). O intuito é analisar e contrastar como essas duas produções narrativas representam e apresentam a violência doméstica às suas respectivas audiências, levando-se em conta aspectos sobre produção, público, TV aberta e paga.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Monica Martinez, Universidade de Sorocaba

Doutora pela Escola de Comunicação e Artes (ECA) da Universidade de São Paulo (USP, com pós-doutorado pela Universidade Metodista de São Paulo (Umesp) e estágio pós-doutoral pela University of Texas in Austin. Docente do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura da Universidade de Sorocaba (Uniso) e colíder da Rede de Pesquisa Narrativas Midiáticas Contemporâneas (Renami), ligada à Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo (SBPJor).

Samantha Nogueira Joyce, Universidade de Sorocaba

Doutora pela University of Iowa e mestrado em Rádio e TV pela Saint Mary’s College of California. Docente do Departamento de Comunicação da Saint Mary’s College of California.

Referências

ALBERTI, V. Manual de História Oral. 3. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2005.

ALCANTARA, P. C. M.; CALAZANS, F. Crise dos afetos: intimidade e cotidiano no cinema e na televisão. Revista Galáxia, São Paulo, n. 29, p. 195-206, 2015.

BAITELLO JÚNIOR, N. O animal que parou os relógios. São Paulo: Annablume, 1997.

______. A era da iconofagia: reflexões sobre imagem, comunicação, mídia e cultura. São Paulo: Paulus, 2014.

BALOGH, A. M. O discurso ficcional na TV: sedução e sonho em doses homeopáticas. São Paulo: Edusp, 2002.

BARROS, A. T. M. P. Imagens do passado e do futuro: o papel da fotografia entre memória e projeção. Revista Matrizes, São Paulo, v. 11, n. 1, p. 149-164, 2017.

BAUDRILLARD, J. Simulacros e simulação. Lisboa: Relógio d’Água, 1991.

BELTING, H. Antropología de la imagen. Madri: Katz, 2007.

BERTAUX, D. Narrativas de vida: a pesquisa e seus métodos. Natal: Editora da UFRN; São Paulo: Paulus, 2010.

BRANDÃO, J. DE S. Mitologia grega. Petrópolis: Vozes, 2009. 3 v.

BULFINCH, T. O livro de ouro da mitologia: história de deuses e heróis. 8. ed. Rio de Janeiro: Ediouro, 1999.

CAMPBELL, J. O herói de mil faces. 10. ed. São Paulo: Cultrix/Pensamento, 1997.

______. Deusas: os mistérios do divino feminino. São Paulo: Palas Athena, 2015.

CANCLINI, N. G. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. 3. ed. São Paulo: Edusp, 2000.

CASSIRER, E. Ensaio sobre o homem. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

CASTELLS, M. A sociedade em rede: a era da economia, sociedade e cultura. São Paulo: Paz e Terra, 2005.

CASTRO, E. V. DE. Metafísicas canibais: elementos para uma antropologia pós-estrutural. São Paulo: Cosac Naif, 2015.

CONTRERA, M. S. Mediosfera: meios, imaginário e desencantamento do mundo. São Paulo: Annablume, 2010.

DE MASI, D. Descoberta e invenção: criatividade e grupos criativos. Rio de Janeiro: Sextante, 2005.

DEBORD, G. A sociedade do espetáculo: comentários sobre a sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

DRAVET, F. Crítica da razão metafórica: magia, mito e poesia na cultura contemporânea. 1. ed. Brasília: Casa das Musas, 2014.

FAUSTO, B. História do Brasil. 14. ed. São Paulo: Editora da USP, 2013.

FERNANDES, M. V.; SANTOS, S. dos. Merchandising: a sua relevância nas telenovelas brasileiras, com ênfase na rede. In: CONGRESSO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO NA REGIÃO NORTE, 7., 2008, Boa Vista. Anais… Boa Vista: Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação, 2008. Disponível em: <https://goo.gl/Yv7o9S>. Acesso em: 17 out. 2017.

FLUSSER, V. Da religiosidade: a literatura e o senso de realidade. São Paulo: Escrituras, 2002.

GOMES, M. R.; SOARES, R. Por uma crítica do visível. 1. ed. São Paulo: Midiato, 2015.

HAMBURGER, E. O Brasil antenado: a sociedade da novela. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

JENKINS, H. Cultura da convergência. 2. ed. São Paulo: Aleph, 2009.

JOYCE, S. N. Brazilian telenovelas and the myth of racial democracy. Maryland: Lexington Books, 2012.

JOYCE, S. N.; MARTINEZ, M. Os BRICS e as narrativas midiáticas: a proximidade entre as notícias e as telenovelas brasileiras. Brazilian Journalism Research, Brasília, DF, v. 12, n. 1, p. 82-101, 2016.

______. From social merchandising to social spectacle: portrayals of domestic violence in TV Globo´s prime-time telenovelas. International Journal of Communication, Los Angeles, v. 11, n. 1, p. 220-236, 2017.

JUNG, C. G. A natureza da psique – a dinâmica do inconsciente. 9. ed. Petrópolis: Vozes, 2012. Coleção Obra Completa, v. 8/2.

KÜNSCH, D. A. A comunicação, a explicação e a compreensão: ensaio de uma epistemologia compreensiva da comunicação. Líbero, São Paulo, v. 17, n. 34, p. 111-122, 2014.

LA PASTINA, A. Selling political integrity: telenovelas, intertextuality, and local elections in rural Brazil. Journal of Broadcasting and Electronic Media, Abingdon, v. 48, p. 302-325, 2004.

LA PASTINA, A.; PATHEL, D. S.; SCHIAVO, M. Social Merchandizing in Brazilian Telenovelas. In: SINGHAL, A. et al. (Eds.). Entertainment-education and social change: history, research and practice. New York: Routledge, 2003. p. 261-277.

LINS, C. O documentário de Eduardo Coutinho: televisão, cinema e vídeo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

MARTÍN-BARBERO, J. Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 2003.

MARTÍN-BARBERO, J.; REY, G. Os exercícios do ver: hegemonia audiovisual e ficção televisiva. São Paulo: Senac São Paulo, 2001.

MARTINEZ, M. A vida em 20 linhas: a representação da morte nas páginas da Folha de S.Paulo. Intercom – Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, São Paulo, v. 37, n. 2, p. 71-90, 2014.

______. A história de vida como instância metódico-técnica no campo da Comunicação. Comunicação & Inovação, São Caetano do Sul, v. 16, n. 30, p. 75-90, jan./abr. 2015.

______. Reflexões sobre Jornalismo e História Oral: um campo com mais convergências do que dissonâncias. Revista Observatório, Palmas, v. 2, n. 1, p. 75-91, 2016.

MARTINEZ, M.; CORREIA, E. L.; PASSOS, M. Y. R. Entre fato e ficção: personagens compostos versus fraude em jornalismo. Estudos em Jornalismo e Mídia, Santa Catarina, v. 12, n. 2, p. 238-250, 2015.

MARTINEZ, M.; SILVA, M. C. C. Entrevista com o professor doutor Jorge A. Gonzalez. Tríade, Sorocaba, v. 5, n. 9, p. 246-253, 2017.

MASIP, P. et al. Active audiences and journalism: involved citizens or motivated consumers? Brazilian Journalism Research, Brasília, DF, v. 1, n. 1, p. 234-255, 2015.

MEDINA, C. Narrativas da contemporaneidade: epistemologia do diálogo social. Tríade, Sorocaba, v. 2, n. 4, p. 8-22, 2014.

MEIHY, J. C. S. B. Manual de história oral. 2. ed. São Paulo: Loyola, 1998.

MORIN, E. O Homem e a morte. Rio de Janeiro: Imago, 1997.

MOTTA, L. G. Análise crítica da narrativa. Brasília, DF: Editora UnB, 2013.

NERI, M. C. (Coord.). A nova classe média: o lado brilhante dos pobres. Rio de Janeiro: FGV/CPS, 2011.

PORTO, M. Media power and democratization in Brazil: TV Globo and the dilemmas of political accountability. New York: Routledge, 2012.

RAMOS, D. G. Entregêneros: representações do feminino na teledramaturgia brasileira. Tese (Doutorado em Meios e Processos Audiovisuais) – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016.

SCHIAVO, M. R. Dez anos de merchandising social. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 29., 2006, Brasília. Anais… Brasília, DF: Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação, 2006. Disponível em: <https://goo.gl/45BeLN>. Acesso em: 17 out. 2017.

SILVA, M. C. C. Comunicação e cultura antropofágicas: mídia, corpo e paisagem na erótico-poética oswaldiana. 1. ed. Porto Alegre: Sulina; Sorocaba: Editora da Uniso, 2007.

SOARES, R. L.; VICENTE, E. Entre o rádio e a televisão: gênese e transformações das novelas brasileirase. E-Compós, [S.I.], v. 19, n. 2, p. 1-17, 2016.

SODRÉ, M. A narração do fato: notas para uma teoria do acontecimento. Petrópolis: Vozes, 2009.

Publicado
2017-11-23
Como Citar
MARTINEZ, M.; JOYCE, S. Representação da violência doméstica em produções seriadas brasileiras. Rumores, v. 11, n. 22, p. 182-202, 23 nov. 2017.
Seção
Dossiê