Signos de classe

sobre a circulação das classes sociais nos processos comunicacionais

  • Rafael Grohmann Cásper Líbero/USP
Palavras-chave: Classes, Comunicação, Lutas, Signos

Resumo

O artigo teoriza sobre a dimensão discursiva das classes sociais nos processos comunicacionais a partir dos signos de classe, considerando tanto o discurso midiático quanto, de forma mais ampla, a circulação de signos na comunicação e também na esfera do capital, considerando a linguagem como trabalho e mercadoria, no sentido de mostrar como a luta de classes perpassa a comunicação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Grohmann, Cásper Líbero/USP

Professor do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Faculdade Cásper Líbero e Professor Contratado III da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP). Doutor em Ciências da Comunicação pela ECA-USP.

Referências

ANTUNES, R. Os Sentidos do Trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo, 2001.

BACCEGA, M. “Do mundo editado à construção do mundo”. Comunicação & Educação. N. 1, p. 7-14, 1994.

BACCEGA, M. Palavra e Discurso: História e Literatura. São Paulo: Ática, 1995.

BACCEGA, M. Comunicação e Linguagem: discursos e ciência. São Paulo: Moderna, 1998.

BAKHTIN, M. / VOLOCHINOV, V. Marxismo e Filosofia da Linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. São Paulo: Hucitec, 2010.

CHAMPAGNE, P. A visão mediática. In: BOURDIEU, P. (org). A Miséria do Mundo. Petrópolis: Vozes, 2008.

CHARAUDEAU, P. Discurso das Mídias. São Paulo: Contexto, 2006

COLLINS, P. H. Em direção a uma nova visão: raça, classe e gênero como categorias de análise e reflexão. In: MORENO, R. (org.). Reflexões e Práticas de Transformação Feminista. São Paulo: SOF, 2015, p. 13-42.

COULDRY, N. Class and contemporary forms of ‘Reality’ production, or hidden injuries of class. In: WOOD, H.; SKEGGS, B. (org.). Reality Television and Class. London: Routledge, 2011, p. 33-44.

DANTAS, M. Trabalho com Informação: valor, acumulação, apropriação nas redes do capital. Rio de Janeiro: Centro de Filosofia e Ciências Humanas da UFRJ, 2012.

DINES, G.; HUMEZ, J. (org.). Gender, Race and Class in Media. London: Sage, 2014.

DU GAY, P.; HALL, S. et al. Doing Cultural Studies: the story of the Sony Walkman. London: The Open University/ Sage, 1997.

DYER-WITHEFORD, N. Cyber-Marx: cycles and circuits of struggle in high- technology capital. Chicago: University of Illinois Press, 1999.

FIGARO, R. “O campo da comunicação e a atividade linguageira no mundo do trabalho”. Revista Chasqui. N. 126, outubro/2014.

FÍGARO, R.; GROHMANN, R. “Dispositivos comunicacionais no mundo do trabalho: uma revisão teórica para operacionalizar o conceito”. Comunicação & Inovação. V. 18, N. 38, p. 62-75, 2017.

FUCHS, C. Reading Marx in the Information Age: a media and communication studies perspective on Capital Volume 1. London: Routledge, 2016.

AUTOR. Título, 2014.

AUTOR. Título, 2016.

HALL, S. Introduction. In: Representation: cultural representations and signifying practices. London: Sage, 1997, p. 1-11.

HALL, S. A Identidade Cultural na Pós-Modernidade. São Paulo: DP&A, 2006.

HARVEY, D. O Enigma do Capital: e as crises do capitalismo. São Paulo: Boitempo, 2011.

HEIDER, D. (org.). Class and News. Oxford: Rowman & Littlefield, 2004.

HUWS, U. “Mundo material: o mito da economia imaterial”. Mediações. V. 16, n. 1, jan/jun 2011, p. 24-54.

KELLNER, D. A Cultura da Mídia. Bauru: Edusc, 2001.

KENDALL, D. Framing Class: media representations of wealth and poverty in America. Lanham, MD: Rowman & Littlefield, 2005.

MARX, K.; ENGELS, F. A Ideologia Alemã: São Paulo: Boitempo, 2007.

MAURO, R. Aspectos da Midiatização do Consumo e do Sentido de Classe Social na Telenovela: a representação da “nova classe C”. Dissertação (Mestrado – Ciências da Comunicação) – Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, 2014. Orientador: Eneus Trindade.

MORLEY, D. “Class-ificações Mediadas: representações de classe e cultura na televisão britânica contemporânea”. Revista MATRIZes. Ano 3, n. 10, nov. 2010.

ORLANDI, E. As Formas do Silêncio: no movimento dos sentidos. Campinas: Ed. Unicamp, 1992.

PREDIGER, S. Mídia e representação social juvenil: recepção do programa Malhação. Dissertação (Mestrado – Comunicação) – Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Santa Maria/RS, 2011. Orientadora: Veneza Ronsini.

ROCHA, D. “Reality TV e reality show: ficção e realidade na televisão”. E-Compós. V. 12, n. 3, set./dez. 2009.

RONSINI, V. A Crença no Mérito e a Desigualdade: a recepção da telenovela do horário nobre. Porto Alegre: Sulina, 2012.

SIFUENTES, L. Telenovela e identidade feminina de jovens de classe popular. Dissertação (Mestrado – Comunicação) – Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Santa Maria/RS, 2010. Orientadora: Veneza Ronsini.

SILVERSTONE, R. Por que estudar a mídia? São Paulo: Loyola, 2002.

SKEGGS, B. “A economia moral da apresentação pessoal: relações de classe e auto-performance nos reality shows”. Revista Parágrafo. V. 1, n. 3, p. 93-103, 2015.

SKEGGS, B.; WOOD, H. Reacting to Reality Television: performance, audience and value. London: Routledge, 2012.

SOUTO, M. Figurações em Crise: juventudes de classe média no cinema brasileiro contemporâneo. Dissertação (Mestrado – Comunicação Social) – Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte/MG, 2011. Orientadora: Vera França.

WOOD, H.; SKEGGS, B. (org.). Reality Television and Class. London: Routledge, 2011.

WOTTRICH, L. Envelhecer com Passione: a telenovela na vida de idosas das classes populares. Dissertação (Mestrado – Comunicação) – Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Santa Maria/RS, 2011. Orientadora: Veneza Ronsini.

Publicado
2018-12-20
Como Citar
GROHMANN, R. Signos de classe. Rumores, v. 12, n. 24, p. 293-312, 20 dez. 2018.
Seção
Artigos