Etnografia como abordagem teórico-metodológica em estudos de crítica de mídia

  • Lívia de Souza Vieira Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)
Palavras-chave: Etnografia, newsmaking, jornalismo, crítica de mídia, teoria ator-rede

Resumo

A abordagem teórica do newsmaking, focada na produção jornalística, apresenta desafios que impactam diretamente as pesquisas em jornalismo: dificuldade de entrar nas redações, tensão nas entrevistas com jornalistas, efetividade no relato do trabalho de campo. Talvez por isso grande parte dos estudos se detenham na análise do produto, em especial quando se direcionam à crítica de mídia. Por outro lado, conhecer as etapas que antecedem o produto final, procurando mapear as controvérsias, pode ser bastante oportuno para as teorias desse campo. Assim, defendemos e propomos a utilização da etnografia, segundo as bases da teoria ator-rede de Latour, como abordagem teórico-metodológica possível para os estudos de crítica de mídia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lívia de Souza Vieira, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)
Doutora em Jornalismo pelo Programa de Pós-Graduação em Jornalismo da Universidade Federal de Santa Catarina (PosJor/UFSC) e docente nos cursos de Jornalismo e Publicidade e Propaganda no IELUSC (Joinville, SC).

Referências

AKRICH, M. La description de objets techniques. In: AKRICH, M.; CALLON, M.; LATOUR, B. Sociologie de la traduction: textes fondateurs. Paris: Mines, 2006.

ALSINA, M. R. A construção da notícia. Petrópolis: Vozes, 2009.

BOURDIEU, P. (Coord.). A miséria do mundo. Petrópolis: Vozes, 1999.

BOYER, D. The life informatic: newsmaking in the digital era. Ithaca: Cornell University Press, 2013.

CALLON, M. Struggles and negotiations to define what is problematic and what is not: the sociology of translation. In: KNORR, K.; KROHN, R.; WHITLEY, D. (Org.). The social process of scientific investigation: sociology of the sciences yearbook. Boston: Reidel, 1980. p. 197-219.

FOLETTO, L. Um mosaico de parcialidades na nuvem coletiva: rastreando a Mídia Ninja (2013-2016). 2017. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação, Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2017.

FONTCUBERTA, M. La noticia: pistas para percibir el mundo. Barcelona: Paidós, 1993.

GANS, H. J. Deciding what’s news: a study of CBS evening news, NBC nightly news, Newsweek and Time. Evanston: Northwestern University Press, 2004.

GIUMBELLI, E. Para além do “trabalho de campo”: reflexões supostamente malinowskianas. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 17, n. 48, p. 91-107, fev. 2002.

HALL, S. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: UFMG, 2009.

HEMMINGWAY, E. Into the newsroom: exploring the digital production of regional television news. London: Routledge, 2008.

HOHLFELDT, A. Hipóteses contemporâneas de pesquisa em comunicação. In: HOHLFELDT, A.; MARTINO L. C.; FRANÇA, V. Teorias da comunicação. Petrópolis: Vozes, 2014. p. 187-240.

HOLANDA, A. Traduzindo o jornalismo para tablets com a teoria ator-rede. 2014.

Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Culturas Contemporâneas da Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2014.

LAGO, C. Antropologia e jornalismo: uma questão de método. In: LAGO, C.; BENETTI, M. Metodologia de pesquisa em jornalismo. Petrópolis: Vozes, 2007. p. 48-66.

LATOUR, B. The powers of association. In: LAW, J. (Org.). Power, action and belief: a new sociology of knowledge? New York: Routledge: Kegan Paul, 1986. p. 264-280.

______. A esperança de Pandora: ensaios sobre a realidade dos estudos científicos.

Bauru: Edusc, 2001.

______. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. São Paulo: Editora 34, 2005.

______. Como terminar uma tese de sociologia: pequeno diálogo entre um aluno e seu professor (um tanto socrático). Cadernos de Campo, São Paulo, n. 14-15, p. 340-352, 2006.

______. Reagregando o social: uma introdução à teoria do ator-rede. Salvador: Edufba; Bauru: Edusc, 2012.

LATOUR, B.; WOOLGAR, S. A vida de laboratório: a produção dos fatos científicos. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1997.

LAW, J. Notes on the theory of the Actor-Network: ordering, strategy and

heterogeneity. Systems Practice, Norwell, v. 5, n. 4, p. 379-393, 1992.

______. After method: mess in social science research. New York: Routledge, 2004.

LEMOS, A. A comunicação das coisas: teoria ator-rede e cibercultura. São Paulo: Annablume, 2013.

LEWIS, S.; WESTLUND, O. Actors, actants, audiences, and activities in crossmedia news work. Digital Journalism, v. 3, n. 1, p. 19-37, 2014.

MALINOWSKI, B. Argonautas do pacífico ocidental: um relato do empreendimento e da aventura dos nativos nos arquipélagos da Nova Guiné melanésia. São Paulo: Abril Cultural, 1976.

MATTA, R. da. Relativizando: uma introdução à antropologia social. Rio de Janeiro: Rocco, 1993.

MÁXIMO, E. et al. A etnografia como método: vigilância semântica e metodológica nas pesquisas no ciberespaço. In: MALDONADO, E. et al. Epistemologia, investigação e formação científica em comunicação. Rio do Sul: Unidavi, 2012. p. 293-319.

MEDINA, C. Entrevista: o diálogo possível. São Paulo: Ática, 1986.

MIRANDA, A. Hibridação no jornalismo especializado em saúde: resultados preliminares de uma experiência etnográfica. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISADORES EM JORNALISMO, 14., nov. 2016, Palhoça. Anais… Palhoça: Unisul, 2016. 13 p.

PEIRANO, M. A favor da etnografia. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1995.

PEREIRA JUNIOR, A. E. V. Decidindo o que é notícia: os bastidores do telejornalismo.

Porto Alegre: EDIPUCRS, 2005.

PIMENTEL, A.; TEMER, A. C. Newsmaking in Portuguese: uma discussão das hipóteses de Gaye Tuchman no contexto brasileiro. Comunicação & Informação, Goiânia, v. 15, n. 2, p. 116-132, jul./dez., 2012.

SHOEMAKER, P.; REESE, S. Mediating the message in the 21st century: a media sociology perspective. New York: Routledge, 2014.

STRATHERN, M. O efeito etnográfico e outros ensaios: Marilyn Strathern. São Paulo: Cosac Naif, 2014.

TRAQUINA, N. As notícias. Revista de Comunicação e Linguagens, Lisboa, n. 8, p. 29-40, dez. 1988

TUCHMAN, G. Making news: a study in the construction of reality. New York: The Free Press, 1978.

VEIGA, M. Saberes para a profissão, sujeitos possíveis: um olhar sobre a formação universitária dos jornalistas e as implicações dos regimes de poder-saber nas possibilidades de encontro com a alteridade. 2015. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação, Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2015.

VELHO, G. Observando o familiar. In: NUNES, E. (Org.). A aventura sociológica. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

VENTURINI, T. Diving in magma: how to explore controversies with Actor-Network theory. Public Understanding of Science, v. 19, n. 3, p. 258-273, 2010.

WOLF, M. Teorias das comunicações de massa. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

Publicado
2018-06-22
Como Citar
VIEIRA, L. Etnografia como abordagem teórico-metodológica em estudos de crítica de mídia. Rumores, v. 12, n. 23, p. 128-152, 22 jun. 2018.
Seção
Dossiê