Transformações e atualidade da teoria crítica

  • Vera Veiga França Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
Palavras-chave: Teoria crítica, Escola de Frankfurt, crítica de mídia, matrizes teóricas, estudos da comunicação

Resumo

Este artigo trata da crítica de mídia a partir de uma matriz teórica mais ampla, voltada para uma apreciação crítica do papel e das funções de diferentes mídias, tendo como referência e horizonte uma prática comunicativa dirigida para o bem comum. Essa crítica tem como parâmetro a relação e o comprometimento da mídia com o interesse coletivo e a justiça social. Essa matriz teórica, conhecida como teoria crítica, cumpre importante papel, inclusive o de fomentar um bom trabalho de crítica de mídia enquanto atividade específica – crítica de produtos, programas e conteúdos. A herança da teoria crítica é retomada neste estudo por costuras e releituras, num movimento cíclico de referências que dialogam e se modificam. O percurso da reflexão se organiza em quatro tópicos: breve discussão sobre o que é a teoria crítica e suas duas importantes matrizes; crítica e deslocamento dessas matrizes; indícios de um terceiro momento (a retomada); e a influência da teoria crítica nos estudos da comunicação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vera Veiga França, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
Professora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Fundadora e pesquisadora do Grupo de Pesquisa em Imagem e Sociabilidade (Gris) da Faculdade de Filosofa e Ciências Humanas (Fafich) da UFMG.

Referências

ADORNO, Theodor, HORKHEIMER, Max. A indústria cultural. O iluminismo como mistificação das massas. In: COSTA LIMA, Luiz (org.). Teoria da Cultura de Massa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990. 3a ed.

BOLTANSKI, Luc. Sociologie critique et sociologie de la critique. Politix. Revue des Sciences Sociales du Politique, no 10-11, p. 124-134, 1990. Capturada em ttps://www.persee.fr/doc/polix_0295-2319_1990_num_3_10_2129.

_____ . Situation de la critique. In: FRÈRE, Bruno (org.). Le tournat de la théorie critique. Paris: Desclée de Brouwer, 2015.

FRÈRE, Bruno (org.). Le tournat de la théorie critique. Paris: Desclée de Brouwer, 2015.

_____. La relance de la critique. In: FRÈRE, Bruno (org.). Le tournat de la théorie critique. Paris: Desclée de Brouwer, 2015.

GENARD, Jean-Louis. Sociologie critique, sociologie morale. In: FRÈRE, Bruno (org.). Le tournat de la théorie critique. Paris: Desclée de Brouwer, 2015.

LAVILLE, Jean-Louis. La Théorie Critique: de l’impasse au renouveau. Ecoles de Frankfourt, sociologies pragmatique et publique, épistémologies du Sud. In: FRÈRE, Bruno (org.). Le tournat de la théorie critique. Paris: Desclée de Brouwer, 2015.

MARCUSE, Herbert. Ideologia da sociedade industrial. Rio de Janeiro: Zahar, 1967.

SUSEN, Simon. Une réconciliation entre Pierre Bourdieu et Luc Boltanski est-elle possible? Pour un dialogue entre la sociologie critique et la sociologie pragmatique de la critique. In: FRÈRE, Bruno (org.). Le tournat de la théorie critique. Paris: Desclée de Brouwer, 2015.

Publicado
2018-06-22
Como Citar
FRANÇA, V. Transformações e atualidade da teoria crítica. Rumores, v. 12, n. 23, p. 13-31, 22 jun. 2018.
Seção
Dossiê