O cinema documentário na era da imagem técnica pós-fotográfica

  • Marcelo Prioste Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Palavras-chave: Documentário, Imagem, Videogames, Digital, Pós-fotografia

Resumo

O presente artigo propõe uma conjetura sobre o impacto da atual imagem técnica digital procedente dos softwares de simulação e videogames na realização do cinema documentário contemporâneo. Descrita como artificial, desindexada do real e, portanto, pós-fotográfica, esta imagética promove um contraponto à tradição primordial do documentarismo baseado na imagem de origem fotográfica, o fotograma. Nesta abordagem há uma convergência na direção dos documentários de enredos históricos, pelo potencial de reinvenção e reinterpretação de relatos e episódios da História neles contidos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo Prioste, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Doutor em Meios e Processos Audiovisuais pela ECA/USP sendo um dos criadores da publicação dos pós-graduandos da ECA, a Revista Movimento (www.revistamovimento.net). Professor na PUC-SP (Multimeios, Jornalismo, Diálogos entre Filosofia, Cinema e Humanidades e Estéticas das Mídias). No doutorado desenvolveu pesquisa sobre o cinema documentário latino-americano com enfoque na produção do cineasta cubano Santiago Álvarez Román (1919-1998).

Referências

BARNOUW, E. Documentary: a history of non-fiction film. Nova York: Oxford University press, 1979.

BAUDRILLARD, J. Tela total, mitos-ironias de era do virtual e da imagem. Porto Alegre: Sulina, 1997.

CHANAN, M. The politics of documentary. Londres: British Film Institute, 2012.

DUBOIS, P. Cinema, vídeo, Godard. São Paulo: Cosac Naif, 2004.

FAROCKI, H. Desconfiar de las imágenes. Buenos Aires: Caja Negra, 2013.

FLUSSER, V. “Sintetizar imagens”. In: FABRIS, Annateresa e KERN, Maria Lúcia Bastos (orgs.) Imagem e conhecimento. São Paulo: EDUSP, 2006.

MACHADO, A. O sujeito na tela. São Paulo: Paulus, 2007.

MAKOS, A.; ALEXANDER, L. A higher call: an incredible true story of combat and chivalry in the war-torn skies of world war II. New York: Berkley Caliber, 2012.

MELLO, M. “Os tormentos de Caouette”. Revista Teorema–Crítica de cinema, nº 11, p. 44-48. Porto Alegre, RS, Setembro de 2007.

MORAN, P.; PATROCINIO, J. (orgs.). Machinima. São Paulo: Cinusp, 2011.

MORAN, P. “Deslocamentos de Paulo Bruscky por Gabriel Mascaro: um documentário no second life”. Revista Z Cultural, UFRJ, Rio de Janeiro, ano VIII, n. 01. Disponível em: http://revistazcultural.pacc.ufrj.br/. Acessado em: 20/04/2018.

NICHOLS, B. Representing reality. Bloomington, USA: Indiana university press, 1991.

______. Introdução ao documentário. Campinas, SP: Papirus, 2001.

NÓVOA, J.; FEIGELSON, K.; FRESSATO, S. B. (orgs.). Cinematógrafo: um olhar sobre a história. Salvador: EDUFBA; São Paulo: Ed. Unesp, 2009.

RICH, B. R. “Tell it to the Camera”. Sight & Sound Magazine, British Film Institute, Londres, Abril, 2005. Disponível em: http://old.bfi.org.uk/sightandsound/feature/215. Acessado em 20/07/2016.

Publicado
2018-12-20
Como Citar
PRIOSTE, M. O cinema documentário na era da imagem técnica pós-fotográfica. Rumores, v. 12, n. 24, p. 88-108, 20 dez. 2018.
Seção
Dossiê