Cinema e intermidialidade na América Latina

o que a cabaretera tem a nos dizer sobre este processo

  • Maurício de Bragança Universidade Federal Fluminense
Palavras-chave: Cinema musical latino-americano, Intermidialidade, Cabaretera

Resumo

As mídias ganham materialidade pela perspectiva de cruzamentos intermidiáticos que lhes garantem uma “impureza” desde suas origens. Neste artigo pretendemos discutir de que forma o cinema latino-americano se organizou através de circuitos midiáticos. Os cinemas nacionais na América Latina se estabeleceram em determinados contextos sociais, políticos e econômicos que ganharam sentido na ideia de cultura intermidiática. Para isso, nos inspiramos na presença da cabaretera num repertório do cinema musical latino-americano que, desde o início do processo de sonorização, aponta para a importância de pensarmos os circuitos midiáticos como forma de compreender as matrizes culturais que impactaram a nossa produção cinematográfica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maurício de Bragança, Universidade Federal Fluminense

Professor do Departamento de Cinema e Vídeo e da Pós-graduação em Cinema e Audiovisual (PPGCine) da Universidade Federal Fluminense. Bolsista de Produtividade em Pesquisa CNPq Nível 2.

Referências

APPIGNANESI, L. Cabaret: the first hundred years. New York, NY: Grove Press, 1984.

BRAGANÇA, M. “Pontes nada clandestinas: melodrama, carnaval e nação nas trocas entre México e Brasil”. Filme Cultura, v. 57, p. 41-45, 2012.

______. “Hibridaciones y mediaciones latinoamericanas: la cabaretera en el cine brasileño”. Razón y Palabra, v. 71, p. 1-14, 2010.

COSTA, F. M. da. O som no cinema brasileiro. Rio de Janeiro: 7Letras, 2008.

COSTA, F. C. O primeiro cinema: espetáculo, narração, domesticação. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2005.

MARTÍN-BARBERO, J. Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2001.

MARTÍN-BARBERO, J.; REY, G. Os exercícios do ver – hegemonia audiovisual e ficção televisiva. São Paulo: Editora SENAC, 2001.

MOSER, W. “As relações entre as artes: por uma abordagem da intermidialidade”. Aletria. Juiz de Fora, jul/dez, 2006.

PAIVA, S. C. Viva o rebolado! Vida e morte do teatro de revista brasileiro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1991.

RAJEWSKY, I. O. “Intermidialidade, intertextualidade e “remediação”: uma perspectiva literária sobre a intermidialidade”. In DINIZ, T. F. N. (org.). Intermidialidade e estudos interartes: desafios da arte contemporânea. Belo Horizonte: Ed UFMG, 2012.

RIVAS, Y. M. Historia de la música popular mexicana. México, D.F.: Editorial Océano, 2008.

SCHWARTZ, V. R. “O espectador cinematográfico antes do aparato do cinema: o gosto do público pela realidade na Paris fim de século”. In CHARNEY, L.; SCHWARTZ, V. R. (orgs.) O cinema e a invenção da vida moderna. São Paulo: Cosac Naify, 2004.

VENEZIANO, N. Não adianta chorar: teatro de revista brasileiro... oba! Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 1996.

VIEIRA, J. L. “A chanchada e o cinema carioca (1930 – 1955)”. In RAMOS, F. (org.). História do cinema brasileiro. São Paulo: Art Editora, 1990.

______. “O corpo popular, a chanchada revisitada, ou a comédia carioca por excelência”. Acervo – Revista do Arquivo Nacional. Rio de Janeiro: vol. 16, n. 1, jan/jun, 2003.

Publicado
2018-12-20
Como Citar
BRAGANÇA, M. Cinema e intermidialidade na América Latina. RuMoRes, v. 12, n. 24, p. 135-152, 20 dez. 2018.
Seção
Dossiê