O Corpo Juvenil Televisual

apontamentos para uma categoria de análise

  • Marina Caminha Gomes Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM)
Palavras-chave: Juventudes, Audiovisual, Performance, Matrizes populares

Resumo

Este artigo tem como objetivo apresentar um caminho metodológico para analisar as relações entre as marcas narrativas televisivas e os audiovisuais produzidos e disponibilizados na internet pelas juventudes como ferramentas de disputas políticas. Parto do pressuposto que, na década de 1980, forjou-se no Brasil um imaginário de consumo televisivo através de uma pedagogia estética dos modos de produção vinculados ao audiovisual com a finalidade de interligar cultura juvenil e televisiva. Proponho analisar as maneiras como esse saber estético apresenta-se como uma referência importante de visibilidades juvenis em audiovisuais compartilhados nas redes sociais. O Corpo Juvenil Televisual será mapeado a partir de três eixos: 1) o momento histórico em que uma cultura televisiva e juvenil se consolidou no Brasil; 2) as maneiras de narrar através do popular e 3) a performance.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marina Caminha Gomes, Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM)

Doutora em Comunicação Social pela Universidade Federal Fluminense - UFF (2012). Realiza estágio de Pós-doutoramento pelo PPGCOM/ESPM, pesquisando a dimensão política do afeto popular, com direcionamento para as diferentes referências cômicas, na relação entre juventudes e audiovisual.

Referências

BAKHTIN, Mikhail. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. São Paulo: Hucitec, 1996.

Banco de dados do jornal Folha de São Paulo. In: http://almanaque.folha.uol.com.br/dinheiro80.htm, acesso em 20/03/2012.

FILHO, Daniel. O circo eletrônico: fazendo TV no Brasil. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2001.

GOFFMAN. Erving. A representação do eu na vida cotidiana. Rio de Janeiro-Petrópolis: Vozes, 2009.

IMAGINA COLETIVO. Entrevista com Rafucko. In: https://www.youtube.com/watch?v=L268HgP6qss, (consultado em 10/06/2014).

LIPOVETSKY, Gilles. A Tela Global: mídias culturais e cinema na era hipermoderna. Porto Alegre: Sulina, 2009.

MARTIN-BARBERO, Jesús. Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2003.

MORIN, Edgar. Cultura de massas no século XX: neurose. Rio de Janeiro: Forense, 2007.

ORTIZ, Renato (2001). A moderna tradição brasileira. São Paulo: Brasiliense.

RICOEUR, Paul. Tempo e narrativa, Tomo I. Campinas, São Paulo: Papirus Editora, 1994.

_________,_____. Tempo e narrativa, Tomo II. Campinas, São Paulo: Papirus Editora, 1995.

RINCÓN, Omar. Lo popular em la comunicación: culturas bastardas + ciudadanías celebrities. In: Lo popular em La comunicación. Amado, Adriana e Rincón, Omar (orgs). Bogotá: C3 FES, 2015a. E-book.

______,______. Lo Pop-pular está de moda: sobre Culturas Bastardas y Quilombos Pop-líticos. In: Voces abiertas: comunicación, política y ciudadanía en América Latina. Martin-Barbero, Jesus ... [et al.]. La Plata: Universidad Nacional de La Plata. Facultad de Periodismo y Comunicación Social; Ciudad Autónoma de Buenos Aires: CLACSO, 2015b. E-book.

ROCHA, Rose de Melo. Políticas de visibilidade como fatos de afecção: Que ética para as visualidades? In: Revista Famecos, v. 17 - n. 3, Porto Alegre, setembro/dezembro, 2010.

ZUMTHOR, Paul. Performance, recepção, leitura. São Paulo: Cosac & Naify, 2007.

Publicado
2018-12-20
Como Citar
GOMES, M. O Corpo Juvenil Televisual. Rumores, v. 12, n. 24, p. 231-248, 20 dez. 2018.
Seção
Artigos