Humor e religião

Porta dos Fundos e a crítica ao monoteísmo cristão

  • Bruno Menezes Andrade Guimarães Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: Comunicação, mídia, mídia digital

Resumo

O humor é utilizado como ferramenta para contestar aspectos sagrados do cristianismo desde o período dos gregos mais antigos. O presente artigo examina de quais maneiras o canal de humor do YouTube Porta dos Fundos utiliza espaços de visibilidade on-line para se opor ao discurso religioso cristão monoteísta e, dessa forma, criar novos significados para esse dogma de sustentação cristã, católica ou evangélica. As análises estão centradas em torno do vídeo “Deus”, publicado na internet em junho de 2013. O vídeo revela o momento pós-morte de uma mulher católica cuja crença consistia na salvação da alma por intermédio do sistema religioso cristão e que, em vias de ser julgada, se depara com uma entidade sobrenatural não familiar. A metodologia utilizada consiste na análise de enquadramentos dos processos interativos. Como resultado, constatamos que o riso funciona como uma espécie de “trote” social que visa suscitar múltiplas interpretações acerca de problemas que não são passíveis de correções materiais, isto é, possui a tendência inerente de corrigir comportamentos tidos, de certo modo, como rígidos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno Menezes Andrade Guimarães, Universidade Federal de Minas Gerais

Aluno de doutorado em Comunicação Social do PPGCOM da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Mestre em Comunicação Social pela mesma instituição. Bacharel em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal de Viçosa (UFV). É membro do Grupo de Pesquisa em Democracia e Justiça (Margem). Identifica-se com pesquisas relacionadas à política e sua interface com a religião, mídias digitais e marketing. Possui experiência em atividades de pesquisa e extensão com comunidades do município de Viçosa (MG) e na elaboração de projetos gráficos e diagramação de obras literárias e livros didáticos.

 

Referências

BÍBLIA sagrada. Tradução: João Ferreira de Almeida. Revista e Atualizada no Brasil. São Paulo: Sociedade Bíblica do Brasil, 1993.

BATESON, G. uma teoria sobre brincadeira e fantasia, in RIBEIRO, B. T; GARCEZ, P. M. (orgs.). Sociolinguística interacional. 2. Ed., São Paulo, Loyola, 2002.

BERGSON, H. O riso: ensaio sobre a significação da comicidade. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

BURGESS, J.; GREEN, J. YouTube e a revolução digital. Como o maior fenômeno da cultura participativa está transformando a mídia e a sociedade. São Paulo: Aleph, 2009.

CÉSAR, E. M. L. História da evangelização do Brasil. Viçosa: Ultimato, 2000.

MINOIS, G. História do riso e do escárnio. São Paulo: Editora Unesp, 2003.

MORA, C. M (org.). Sátira, paródia e caricatura: da antiguidade aos nossos dias. Aveiro: Universidade do Aveiro, 2003.

NEWBIGIN, L. O evangelho em uma sociedade pluralista. Viçosa: Editora Ultimato: 2016.

PORTA dos Fundos. Rio de Janeiro: Sextante, 2013.

PROPP, V. Comicidade e riso. São Paulo: Editora Ática S.A., 1992.

ROSSETTI, R., SANTOS, R. E. Humor e riso na cultura midiática: variações e permanências. São Paulo: Paulinas, 2012.

SALIBA, E. T. Raízes do riso. A representação humorística na história brasileira: da Belle Époque aos primeiros tempos do rádio. São Paulo: Cia das Letras, 2002.

TURNER, S. Engolidos pela cultura pop. Viçosa: Ultimato, 2014.

Publicado
2019-06-13
Como Citar
GUIMARÃES, B. Humor e religião. Rumores, v. 13, n. 25, p. 302-325, 13 jun. 2019.
Seção
Artigos