O Sound design da série Twin Peaks e a herança de Alan Splet

  • Renato Luiz Pucci Junior Universidade Anhembi Morumbi
  • Fabiano Pereira de Souza Universidade Anhembi Morumbi
Palavras-chave: Twin Peaks, televisão, ficção seriada, sound design, cinema

Resumo

Este artigo examina o sound design da série televisiva Twin Peaks (TWIN…, 1990-1991), criada por David Lynch e Mark Frost. Analisam-se distorções ou substituições de vozes, técnicas que Lynch havia empregado em um curta e em quatro longas-metragens, com o sound designer Alan Splet. O objetivo é identificar na série, realizada após o término da parceria com Lynch, a persistência do tipo de elaboração sonora de Splet. O exame da mais recente temporada de Twin Peaks (TWIN…,2017) mostra que se intensificaram recursos sonoros das temporadas anteriores, em conjunção com a trama mais ousada em termos narrativos. O artigo fundamentase em Michel Chion quanto ao som e em Luiz Manzano quanto ao sound design. O conceito de brincadeira infinita, de James Carse, e o ensaio de Angela Hague sobre o método investigativo do agente Cooper ajudam a entender a relação entre sonoridade e trama ficcional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renato Luiz Pucci Junior, Universidade Anhembi Morumbi

Docente do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Anhembi Morumbi. Doutor pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP). Autor de O equilíbrio das estrelas: cinema de Walter Hugo Khouri (2001); Cinema brasileiro pós-moderno: o neon-realismo (2008). Organizador de Televisão: formas audiovisuais de ficção e documentário (2011) e de Televisão: entre a metodologia analítica e o contexto cultural (2016). Bolsista de produtividade do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), categoria 2.

Fabiano Pereira de Souza, Universidade Anhembi Morumbi

Doutorando e Mestre em Comunicação pela Universidade Anhembi Morumbi. Possui especialização em Cinema, Vídeo e Fotografia – Criação em Multimeios (2008), graduação em Comunicação Social – Jornalismo (2002) e em Design Digital (1997), todos pela Universidade Anhembi Morumbi. Tem experiência na área de comunicação, com ênfase em jornalismo, em publicações de mídia impressa de larga circulação nacional e online.

Referências

ARISTÓTELES. Poética. São Paulo: Abril Cultural, 1979. (Coleção Os Pensadores: Aristóteles, v. 2).
BORDWELL, D. The introduction of sound. In: BORDWELL, D.; STAIGER, J.; THOMPSON, K. The classical Hollywood cinema. Nova Iorque: Columbia University Press, 1985.
CAÑIZAL, E. P. Surrealismo. In: MASCARELLO, F. (Org.). História do cinema mundial. Campinas: Papirus, 2006. p. 143-155.
CARSE, J. P. Finite and infinite games: a vision of life as play and possibility. Nova Iorque: The Free Press, 1986.
CHION, M. Audio-vision. Nova Iorque: Columbia University Press, 1994.
CHION, M. David Lynch. Barcelona: Paidós, 2003.
FELICE, F. O sonho americano de David Lynch. Imagofagia, Buenos Aires, nº 17, p. 602-610, abr. 2018.
FERRARAZ, R. O cinema limítrofe de David Lynch. 2003. Tese (Doutorado em Comunicação e Semiótica) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2003.
HAGUE, A. Infinite games: the derationalization of detection in Twin Peaks. In: LAVERY, D. Full of secrets: critical approaches to Twin Peaks. Detroit: Wayne State University Press, 1995. p. 130-143.
JUNG, C. G. The archetypes and collective unconscious. Princeton: Princeton University Press, 1969.
KUZNIAR, A. Double talk in Twin Peaks. In: LAVERY, D. Full of secrets: critical approaches to Twin Peaks. Detroit: Wayne State University Press, 1995. p. 120-129.
MANZANO, L. A. Do editor de som ao sound designer, os ecos de uma evolução. Filme Cultura, Rio de Janeiro, n. 58, p. 15-19, jan.-mar. 2013.
MENDES, E. S. Entrevista 2016 C.[Entrevista cedida a] Fabiano Pereira de Souza. In: SOUZA, F. P. Alan Splet: o sound design de Veludo azul e a polifonia de efeitos sonoros. Dissertação (Mestrado em Comunicação). Universidade Anhembi Morumbi, São Paulo, 2016. p. 272-310. Disponível em: https://bit.ly/2UoJHlt. Acesso em: 28 jul. 2018.
MITTELL, J. Complex TV: the poetics of contemporary television storytelling. Nova Iorque: New York University Press, 2015.
POMMER, M. E. O tempo e o som: o inconsciente segundo Lynch e Hitchcock. In: SOCINE (Org.). Estudos de cinema Socine II e III. São Paulo: Annablume, 2000. p. 296-305.
REIS, C.; LOPES, A. C. Dicionário de teoria da narrativa. São Paulo: Ática, 1988.
RODLEY, C. Lynch on Lynch. Londres: Faber and Faber, 1997.
SODRÉ, M. O monopólio da fala: função e linguagem da televisão no Brasil. Petrópolis: Vozes, 1981.
TWIN Peaks (Temporadas 1 e 2). Direção: David Lynch et al. [S. l.]: Lynch/Frost Productions, 1990-1991. 10 DVDs (1501 min.), son., color.
TWIN Peaks. Direção: Mark Frost e David Lynch. Nova Iorque: Showtime, 2017. 18 vídeos (1025 min.), son., color.
ZETTL, H. Manual de produção de televisão. São Paulo: Cencage Learning, 2011.
Publicado
2019-06-13
Como Citar
PUCCI JUNIOR, R.; SOUZA, F. O Sound design da série Twin Peaks e a herança de Alan Splet. RuMoRes, v. 13, n. 25, p. 169-191, 13 jun. 2019.
Seção
Artigos