Um conceito de ouvinte expandido

  • Nivaldo Ferraz Universidade Cruzeiro do Sul
Palavras-chave: Rádio, ouvinte, tecnologia, linguagem, experiência

Resumo

Do que pensaram autores da República de Weimar (Bertolt Brecht, Walter Benjamin e Rudolf Arnheim) sobre a relação do rádio com seus ouvintes, passando pela consideração dos estudos culturais ingleses e do conceito de estrutura do sentir de Raymond Williams, pode-se constituir um caminho para a discussão de como o ouvinte experimenta a interatividade com o rádio e com o som nestes dias. A despeito da amplitude atual da participação do ouvinte na programação, ela não chega a contemplar os ideais, principalmente, de Benjamin e Brecht, sendo que, este último, em sua “Teoria do rádio”, preconiza um ouvinte que fala na mesma medida do apresentador. O estudo mostra que é possível dimensionar o ouvinte atual como ouvinte expandido, uma extensão ao conceito de rádio expandido de Marcelo Kischinhevsky.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nivaldo Ferraz, Universidade Cruzeiro do Sul

Doutor e Mestre pelo PPG Meios e Processos Audiovisuais da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP). Professor do curso de Jornalismo da Universidade Cruzeiro do Sul.

Referências

ARNHEIM, R. O diferencial da cegueira. In: MEDITSCH, E. (org.). Teorias do rádio: textos e contextos. Florianópolis: Insular, 2005. v. 1, p. 61-98.

BARTHES, R. A escrita do acontecimento. In: MEDITSCH, E.; ZUCULOTO, V. (org.). Teorias do rádio: textos e contextos. Florianópolis: Insular, 2008. v. 2, p. 213-218.

BENJAMIN, W. Experiência e pobreza. In: BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: obras escolhidas. São Paulo: Brasiliense, 2014a. v. 1, p. 123-146.

BENJAMIN, W. Reflections on Radio. In: BENJAMIN, W. Radio Benjamin. Londres: Verso, 2014b. p. 363-364.

BRECHT, B. Teoria do rádio. In: MEDITSCH, E. (org.). Teorias do rádio: textos e contextos. Florianópolis: Insular, 2005. v. 1, p. 35-45.

CARLÓN, M.; SCOLARI, C. A. (org.). El fin de los medios masivos: el debate continúa. Buenos Aires: La Crujía, 2014.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo: Editora Paz e Terra, 2006.

GOMES, I. M. Gêneros televisivos e modos de endereçamento no telejornalismo. Salvador: UFBA, 2011. Disponível em: https://bit.ly/2j2n826. Acesso em: 14 jul. 2018.

HALL, S. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2013.

HERREROS, M. C. La radio em Internet. Tucumán: La Crujía, 2008.

KISCHINHEVSKY, M. Rádio e mídias sonoras: mediações e interações radiofônicas em plataformas digitais de comunicação. Rio de Janeiro: Mauad, 2016.

LÉVY, P. As tecnologias da inteligência. São Paulo: Editora 34, 1993.

MARCONDES FILHO, C. O discurso sufocado. São Paulo: Loyola, 1982.

MARTÍN-BARBERO, J. América Latina e os anos recentes: um estudo de recepção em comunicação social. In: SOUSA, M. W. (org.). Sujeito, o lado oculto do receptor. São Paulo: Brasiliense, 1995. p. 39-68.

MARTÍN-BARBERO, J. Dos meios às mediações. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2013.

MIÈGE, B. A sociedade tecida pela comunicação: técnicas da informação e da comunicação entre inovação e enraizamento social. São Paulo: Paulus, 2009.

ORTRIWANO, G. S. A informação no rádio: os grupos de poder e a determinação dos conteúdos. São Paulo: Summus, 1985.

SALOMÃO, M. Jornalismo radiofônico e vinculação social. São Paulo: Annablume, 2003.

WILLIAMS, R. Marxismo y literatura. Barcelona: Ediciones 62, 1980.

WILLIAMS, R. Televisão: tecnologia e forma cultural. São Paulo: Boitempo, 2016.

WOLTON, D. Elogio do grande público: uma teoria crítica da televisão. São Paulo: Ática, 1996.

Publicado
2019-12-12
Como Citar
FERRAZ, N. Um conceito de ouvinte expandido. RuMoRes, v. 13, n. 26, p. 274-293, 12 dez. 2019.
Seção
Artigos