Novas tecnologias da informação, escalabilidade e métodos quantitativos e qualitativos nas ciências humanas

Autores

  • Silvana Seabra Hooper Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-677X.rum.2019.154201

Palavras-chave:

Pesquisa, novas tecnologias da informação, métodos quantitativos e qualitativos, Lev Manovich, Bruno Latour

Resumo

O trabalho examina os pressupostos que orientaram a oposição entre os métodos quantitativos e qualitativos nas ciências humanas e sociais, tratando com destaque o aspecto da escalabilidade como problema epistemológico. Trata-se de retomar alguns pontos deste debate em face das novas tecnologias da informação (NTIs), focando no impacto da grande produção de dados. Compreendendo o método como lógica de investigação, a proposta retoma as discussões de Lev Manovich e Bruno Latour como referência para uma releitura da dicotomia entre os métodos quantitativos e qualitativos nas ciências humanas e sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Silvana Seabra Hooper, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Docente do Programa de Pós-graduação em Comunicação Social da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas). Mestre em Sociologia da Cultura pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e doutora em Literatura Comparada também pela UFMG. Membro do Grupo de Pesquisa Mídia e Memória.

Referências

ANDERSON, C. The end of theory: the data deluge makes the scientific method obsolete. Wired, São Francisco, v. 16, n. 7, 2008. Disponível em: https://bit.ly/2cBN4OE. Acesso em: 12 dez. 2018.
BERRY, D. M. The computational turn: thinking about the digital humanities. Culture Machine, Sussex, v. 12, p. 1-22. 2011.
BLAIR, A. M. Too much to know: managing scholarly information before the Modern Age. New Haven: Yale University Press, 2010.
BURKE, P. Uma história social do conhecimento. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.
CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999.
DURKHEIM, E. O suicídio: estudo de sociologia. São Paulo: Martins Fontes, 2011.
FREEMAN, L. C. The development of Social Network analysis. Vancouver: Empirical Press, 2004.
FOUCAULT, M. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. São Paulo: Martins Fontes, 1981.
FULLER, M. (ed.). Software studies: a lexicon. Cambridge: The MIT Press, 2008.
GRAFTON, A. As origens trágicas da erudição: pequeno tratado sobre a nota de rodapé. Campinas: Papiros, 1998.
KITTLER, F. A verdade do mundo técnico: ensaios sobre a genealogia da atualidade. Rio de Janeiro: Contraponto, 2016.
KUHN, T. A estrutura das revoluções científicas. 5. ed. São Paulo: Perspectiva, 1997.
LATOUR, B. Gabriel Tarde and the end of the social. In: JOYCE, P. (ed.). The social in question: new bearings in history and the social sciences. Londres: Routledge, 2002. p. 117-132. Disponível em: https://bit.ly/2JUM9vl. Acesso em: 25 jan. 2019.
LATOUR, B. Tarde’s idea of quantification. In: CANDEA, M. (ed.). The social after Gabriel Tarde: debates and assessments. Londres: Routledge, 2010. p. 145-162. Disponível em: https://bit.ly/2kwMSH4. Acesso em: 29 jan. 2019.
LATOUR, B. Reagregando o social: uma introdução à Teoria do Ator-Rede. Bauru: Edusc; Salvador: Edufba, 2012.
LATOUR, B; VENTURINI, T. The social fabric: digital traces and quali-quantitative methods. In: PROCEEDINGS OF FUTURE EN SEINE, 1., 2009, Paris. Anais […]. Paris: Cap Digital, 2009. p. 87-101. Disponível em: https://bit.ly/1EkXFBc. Acesso em: 25 jan. 2019.
MANOVICH, L. A ciência da cultura? Computação social, humanidades digitais e analítica cultural. Matrizes, São Paulo, v. 9, n. 2, p. 67-83, 2015.
MANOVICH, L. The language of new media. Cambridge: The MIT Press, 2001.
MANOVICH, L. Trending: The promises and the challenges of big social data. Manovich.net, [S. l.], 2011. Disponível em: https://bit.ly/1KkzKHh. Acesso em: 25 jan. 2019.
MANOVICH, L. Trending: the promises and the challenges of big social data. In: GOLD, M. K. (ed.). Debates in the digital humanities. Minneapolis: University of Minnesota Press, 2012. p. 460-475. Disponível em: https://bit.ly/2m1vxpY. Acesso em: 25 jan. 2019.
MATOS, M. Metodologias qualitativas e quantitativas: de que falamos? Fórum Sociológico, Lisboa, v. 24, 2014. Disponível em: https://bit.ly/2kwOFfg. Acesso em: 25 jan. 2019.
MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. Rio de Janeiro: Abrasco; São Paulo: Hucitec, 1996.
MCCARTHY, A. Do ordinário ao concreto: estudos culturais e a política de escala. Trama Interdisciplinar, São Paulo, v. 5, n. 3, p. 75-106, 2014.
RUPPERT, E. Social consequences of Big Data are not being attended to. [Entrevista cedida à] M. Carrigan. LSE Impact Blog, Londres, 2014. Disponível em: https://bit.ly/2kXgjSF. Acesso em: 25 jan. 2019.
SCHNAPP, J.; PRESNER, P. The digital humanities manifesto 2.0. Humanities Blast, Los Angeles, 2009. Disponível em: https://bit.ly/1HWvXgP. Acesso em: 2 out. 2018.
SMITH, J. K. Quantitative versus qualitative research: an attempt to clarify the issue. Educational Researcher, Nova York, v. 12, n. 3, p. 6-13, 1983.
URRY, J. Mobilities. Malden: Polity Press, 2008.
VARGAS, E. V. Multiplicando os agentes do mundo: Gabriel Tarde e a sociologia infinitesimal. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 19, n. 55, p. 172-176, 2004.

Downloads

Publicado

2019-12-12

Como Citar

HOOPER, S. S. Novas tecnologias da informação, escalabilidade e métodos quantitativos e qualitativos nas ciências humanas. RuMoRes, [S. l.], v. 13, n. 26, p. 233-253, 2019. DOI: 10.11606/issn.1982-677X.rum.2019.154201. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/Rumores/article/view/154201. Acesso em: 20 out. 2020.

Edição

Seção

Artigos