Limites do discurso identitário na disputa eleitoral

Palavras-chave: Reconhecimento, identidade, representação

Resumo

Com o esvaziamento da luta pelo socialismo e a ascensão do neoliberalismo, o campo da esquerda progressista tem sido criticado por tomar a questão identitária como principal motor das lutas sociais. A proposta deste trabalho é identificar e analisar o debate sobre as lutas por reconhecimento identitário na campanha eleitoral de 2018. Serão consideradas as polarizações sobre o tema entre os dois partidos localizados à esquerda do espectro político – PT e PSOL – em relação à campanha majoritária do campo localizado à direita, representada pelo PSL. A partir de suas posições em relação ao tema, explicitadas em uma rede social, pretende-se observar e problematizar os limites desses embates discursivos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ercio Sena, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Professor do Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da PUC Minas. Doutor em Letras pela mesma instituição. Mestre em Comunicação Social pela UFMG. Bacharel em História, Jornalismo e Relações Públicas. Membro do grupo de pesquisa Mídia e Narrativa e da rede de pesquisa Metacrítica.

Referências

CARNEIRO, J. D. Eleições 2018: Deputado federal mais votado no Rio, Hélio Negão desafia quem vê racismo no padrinho Bolsonaro. BBC News, São Paulo, 12 out. 2018. Disponível em: https://bbc.in/2Jl4iy9. Acesso em: 7 nov. 2018.

DARDOT, P.; LAVAL, C. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016.

DISCURSO neonazista de Bolsonaro na Hebraica Rio. [S. l.: s. n.], 2017. 1 vídeo (3 min). Publicado pelo canal Ativismo Protestante. Disponível em: https://bit.ly/2Nn1fu1. Acesso em: 26 abr. 2019.

FERNANDES, V. Marcelo D2 chama deputado eleito de “negão do Bolsonaro” e é acusado de racismo. BHAZ, Belo Horizonte , 31 out. 2018. Disponível em: https://bit.ly/2AK2VWs. Acesso em: 12 fev. 2019.

FRASER, N. Da redistribuição ao reconhecimento? Dilemas da justiça numa era “pós-socialistas”. Cadernos de campo, São Paulo, n. 1415, p. 1-328, 2006.

HALL, S. Cultura e representação. Rio de Janeiro: Editora PUC Rio: Apicuri, 2016.

HONNETH, A. Luta por reconhecimento. São Paulo: Editora 34, 2017.

PARTIDO DOS TRABALHADORES. PT – Partido dos Trabalhadores. Brasília, DF, 2018. Instagram: ptbrasil. Disponível em: https://bit.ly/2AL2zi8. Acesso em: 4 fev. 2019.

PARTIDO SOCIAL LIBERAL. PSL – Partido Social Liberal. Brasília, DF, 2018. Instagram: psl_nacional. Disponível em: https://bit.ly/2MkJ05Y. Acesso em: 4 fev. 2019.

PARTIDO SOCIALISMO E LIBERDADE. PSOL – Partido Socialismo e Liberdade. Brasília, DF, 2018. Instagram: psol50. Disponível em: https://bit.ly/2niGO6p. Acesso em: 4 fev. 2019.

SAFATLE, V. Por um conceito “antipredicactivo” de reconhecimento. Lua Nova, São Paulo, n. 94, p. 79-116, 2015.

SAFATLE, V. Só mais um esforço. São Paulo: Três Estrelas, 2017.

Publicado
2019-12-12
Como Citar
SENA, E. Limites do discurso identitário na disputa eleitoral. RuMoRes, v. 13, n. 26, p. 34-57, 12 dez. 2019.
Seção
Dossiê