Imaginários de poder e redes midiáticas

diálogos entre o Creative Time Summit e o Brasil

  • Lucia Leão Pontifícia Universidade Católica de São Paulo http://orcid.org/0000-0002-6680-5106
  • Vanessa Lopes Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
  • Mirian Aparecida Meliani Nunes Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
  • Bernardo Queiroz de Siqueira Santos Universidade Anhembi Morumbi
Palavras-chave: Redes midiáticas, imaginário, iconoclasmo, arte e política, Brasil

Resumo

No campo da pesquisa em comunicação, especificamente no âmbito dos estudos do imaginário, observamos o surgimento de discussões que problematizam temas como arte, iconoclasmo, imagem e poder. Neste cenário, o artigo tem como objetivo desenvolver um estudo transversal sobre os imaginários de poder nas redes midiáticas. Através de mapeamentos das imagens e discursos presentes nas redes do Creative Time Summit, o artigo propõe relações com projetos brasileiros, baseando-se no conceito de imaginário de Durand e adotando como metodologia de análise a cartografia dos processos de comunicação e compartilhamento do imaginário desenvolvida por Leão. Nosso argumento é que as guerras das imagens, a criação de imagens nas comunidades, a compreensão processual e a formulação de pactos que compreendem as relações entre natureza e cultura configuram eixos de análise nas redes midiáticas capazes de revelar as complexas tramas dos imaginários do poder de nossa época.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucia Leão, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Professora do Programa de Pós Graduação em Comunicação e Semiótica da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Doutora e Mestre em Comunicação e Semiótica (PUC-SP), com pós-doutorado em Artes na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), especialização em Ação Cultural na Universidade de São Paulo (USP) e Bacharelado em Artes Plásticas na Faculdade Santa Marcelina (Fasm). Líder do Grupo de Pesquisa Comunicação e Criação nas Mídias (CCM-CNPq). Autora de vários artigos e livros, entre eles: O chip e o caleidoscópio: reflexões sobre as novas mídias e Processos do Imaginário.

Vanessa Lopes, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Artista, pesquisadora e produtora cultural. Doutora e Mestre em Comunicação e Semiótica (PUC-SP). Graduada em Comunicação das Artes do Corpo (PUC-SP). Publicou AaaS: uma nova condição para criar, conhecer, comunicar. É consultora de projetos culturais, parecerista credenciada do Ministério da Cidadania, Membro do SenseLab (Concordia University) e Pesquisadora do Grupo de Pesquisa em Criação e Comunicação nas Mídias (CCM-CNPq).

Mirian Aparecida Meliani Nunes, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Jornalista, pesquisadora e professora universitária e de cursos de extensão do Cogeae (PUC-SP). Doutora e Mestre em Comunicação e Semiótica (PUC-SP). Graduada em Jornalismo (PUC-SP) e História (USP). Pesquisadora do Grupo de Pesquisa em Comunicação e Criação nas Mídias (CCM-CNPq).

Bernardo Queiroz de Siqueira Santos, Universidade Anhembi Morumbi

Professor dos cursos de Jornalismo e Cinema da Universidade Anhembi Morumbi. Doutor em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP e Mestre em Comunicação pela Universidade Federal de Pernambuco (Ufpe) com Graduação em Comunicação Social/Jornalismo e Especialização em Estudos Cinematográficos pela Universidade Católica de Pernambuco (Unicap). Pesquisador do Grupo de Pesquisa em Comunicação e Criação nas Mídias (CCM-CNPq).

Referências

BARRETO, J. M. Restaurante-obra que integra a 32 Bienal de São Paulo. Entrevista concedida à jornalista Marília Miragaia em agosto 2016. Disponível em: https://bit.ly/2ms6Aom. Acesso em: 27 set 2019.

BIEMANN, U.; TAVARES, P. Forest Law: selva jurídica. Michigan: Eli and Edythe Broad Art Museum, 2014.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 2011. v. 1.

CASTELLS, M. Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da internet. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1994.

CRUTZEN, P. The Anthropocene. In: EHLERS, E.; KRAFFT, T. (ed.). Earth system science in the anthropocene. Berlim: Springer, 2006. p. 13-18.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Editora 34, 1995. v. 1.

DURAND, G. As estruturas antropológicas do imaginário: introdução à arquetipologia geral. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

GUSTAFSSON, L.; HAAPOJA, T. History according to cattle. Nova York: Punctum Books, 2015.

HARAWAY, D. Staying with the trouble: making kin in the chthulucene. Durhan: Duke University Press, 2016.

HOLMES, B. Eventwork, the fourfold matrix of contemporary social movements. In: Thompson, N. (ed.). Living as form: socially engaged art from 1991-2011. Nova York: Creative Time Books, 2012. p. 72-85.

KATZ, H.; GREINER, C. Arte & cognição: corpomídia, comunicação e política. São Paulo: Annablume, 2015.

LATOUR, B. Facing Gaïa: six lectures on the political theology of Nature. Cambridge: Polity Press, 2017.

LEÃO, L. O mapa das tensões. Folha de S.Paulo, São Paulo, p. 10, 29 set. 2002. Disponível em: https://bit.ly/2nV7A4G. Acesso em: 27 set. 2019.

LEÃO, L. Paradigmas dos processos de criação em mídias digitais: uma cartografia. Revista V!RUS, São Carlos, n. 6, p. 1-14, 2011.

LEÃO, L. Memória e método: complexidades da pesquisa acadêmica em processos de criação. In: VENTURELLI, S.; ROCHA, C. (org.). Mutações, confluências e experimentações na arte e tecnologia. Brasília, DF: Ed. UNB, 2016. p. 118-127.

LIPOVETSKY, G. A estetização do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

MELO, M. Vozes da selva no estrado da Corte Interamericana de Direitos Humanos. Sur, São Paulo, v. 11, n. 20, p. 283-292, 2014.

MOORE, J. Capitalism in the web of life. Nova York: Verso, 2015.

NUNES, M. A. M. Dinâmicas comunicacionais nas redes sociais digitais: traduções de realidades locais nos discursos midiáticos. 2014. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Semiótica) − Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2014.

PARIKKA, J. The anthrobscene. Minneapolis: University of Minnesota Press, 2014.

SERRES, M. O contrato natural. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1991.

STENGERS, I. In catastrophic times: resisting the coming barbarism. Londres: Open Humanities Press, 2015.

THOMPSON, N. (ed.). Living as form: socially engaged art from 1991-2011. Nova York: Creative Time Books, 2012.

TSING, A. The mushroom at the end of the world: on the possibility of life in capitalist ruins. Princeton: Princeton University Press, 2015.

VANEIGEM, R. A arte de viver para as novas gerações. São Paulo: Conrad, 2002 [1967].

VINCE, G. Adventures in the anthropocene: a journey to the heart of the planet we made. Londres: Penguin Random House, 2015.

Publicado
2019-12-12
Como Citar
LEÃO, L.; LOPES, V.; NUNES, M.; SANTOS, B. Imaginários de poder e redes midiáticas. RuMoRes, v. 13, n. 26, p. 207-232, 12 dez. 2019.
Seção
Artigos