Anacronismo, choque e verossimilhança

a Ficção Científica na telenovela O tempo não para

Autores

  • Marcel Vieira Barreto Silva Universidade Federal da Paraíba
  • Esmejoano Lincol da Silva de França Universidade Federal da Paraíba

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-677X.rum.2020.161198

Palavras-chave:

Telenovela, O tempo não para, Ficção científica, Brasil contemporâneo

Resumo

O intuito deste artigo é analisar a presença de elementos narrativos e estilísticos da Ficção Científica na telenovela O tempo não para, exibida pela TV Globo entre 2018 e 2019. Nosso objetivo é compreender como aspectos da contemporaneidade do Brasil são apresentados a partir de três desdobramentos narrativos típicos da Ficção Científica: a presença anacrônica dos personagens do século XIX no Brasil do século XXI; o choque subjetivo dos personagens com o “novo mundo”; a sensação de verossimilhança através da suspenção de qualquer efeito distópico no universo diegético. Para realizar este estudo, recortamos os quinze primeiros capítulos da telenovela, elegendo como corpus quatro cenas em que os personagens “do passado” questionam os personagens “do futuro” sobre as mudanças sociais ocorridas no país em mais de 130 anos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcel Vieira Barreto Silva, Universidade Federal da Paraíba

Professor Adjunto do Deparmento de Comunicação e do Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade Federal da Paraíba. Mestre e doutor em Comunicação pela Universidade Federal Fluminense. Autor do livro "Adaptação intercultural: o caso de Shakespeare no cinema brasileiro", vencedor do prêmio Compós de melhor tese em 2012.

Esmejoano Lincol da Silva de França, Universidade Federal da Paraíba

Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), jornalista e integrante do Grupo de Estudos em Cinema e Audiovisual (Gecine). Na graduação, participou do Projeto PIBIC "Personagem, metalinguagem e elemento cômico em Saneamento básico - O filme, de Jorge Furtado", sob orientação do Prof. Dr. Luiz Antonio Mousinho Magalhães.

Referências

ANDRADE, R. M. B. O fascínio de Scherazade: os usos sociais da telenovela. São Paulo: Annablume, 2003.

A QUEDA brusca de audiência de O Tempo Não Para. O Planeta TV, São Paulo, 1º out. 2018. Disponível em: https://bit.ly/2MHHfQC. Acesso em: 18 jan. 2019.

BRENTANO, L. Faturamento de TV por assinatura supera o da TV aberta no Brasil.

G1, São Paulo, 24 jul. 2012, 18:38. Disponível em: https://glo.bo/2Yg2ezo. Acesso em: 24 jan. 2019.

FELTRIN, R. “Os Dez Mandamentos” já venceu Globo em SP e mais 5 capitais.

UOL, São Paulo, 23 set. 2015, 22:48. Disponível em: https://bit.ly/2XIQnLp. Acesso em: 23 jan. 2019.

FELTRIN, R. No Brasil, Netflix fatura R$ 1,4 bi, tem 50 funcionários e nenhum chefe. UOL, São Paulo, 26 dez. 2018, 10:26. Disponível em: https://bit.ly/3dKTlV1. Acesso em: 23 jan. 2019.

FERNANDES, I. Telenovela brasileira: memória. São Paulo: Brasiliense, 1987.

FERREIRA, V. V. O bom lugar, o futuro catastrófico, a ficção científica e algumas distopias brasileiras. 2015. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2015.

HAMBURGER, E. Telenovelas e interpretações do Brasil. Lua Nova, São Paulo, v. 82, p. 61-86, 2011.

MELO, J. M. As telenovelas da Globo: produção e exportação. São Paulo: Summus, 1988.

MELO, J. M. Televisão brasileira: 60 anos de ousadia, astúcia, reinvenção. São Paulo: Intercom, 2010.

MATTOS, Laura. “O Clone” bate recorde em pleno terremoto. Folha de S.Paulo, São Paulo, 26 dez. 2001, 4:23. Disponível em: https://bit.ly/3dKUU5l. Acesso em: 17 jan. 2019.

MIRANDA, A. D. A. “Há algo de mim em você”: personagem e espaço em Blade Runner e Her. 2016. Tese (Doutorado em Letras) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2016.

O CLONE: a novela brasileira que foi sucesso em todo o mundo. M de Mulher, São Paulo, 8 nov. 2016, 14:28. Disponível em: https://bit.ly/3cQACGB. Acesso em: 17 jan. 2019.

OLIVEIRA, I. S.; JATENE, Í. A. Ficção científica nas telenovelas brasileiras. Zanzalá, Juiz de Fora, v. 1, n. 1, p. 1-14, 2011.

ORGULHO e paixão. Direção: Alexandre Klemperer, Bia Coelho, Fred Mayrink, Hugo de Sousa e João Paulo Jabur. Rio de Janeiro: TV Globo, 2018. Televisão, VOD, color.

O TEMPO não para. Direção: Adriano Melo, Felipe Louzada, João Bolthauser, Leonardo Nogueira, Marcelo Travesso e Maurício Guimarães. Rio de Janeiro: TV Globo, 2018-2019. Televisão, VOD, color.

PACHECO, P. Com pior ibope da história às 18h, Meu Pedacinho de Chão vira piada.

UOL, São Paulo, 21 jun. 2014, 12:11. Disponível em: https://bit.ly/30mWhUe. Acesso em: 16 jan. 2019.

PAIVA, C. C. Imagens como vetores da atração comunitária. Biblioteca On-line de Ciências da Comunicação, Covilhã, v. 1, n. 1, p. 1-15, 2002.

RIBEIRO, E. F. A redução da audiência da televisão aberta brasileira. Temática, João Pessoa, v. 12, n. 2, p. 109-122, 2017.

SANTANA, G. Reprises de novelas colocam Record TV na vice-liderança na audiência. Observatório da TV, São Paulo, 2018. Disponível em: https://bit.ly/2MGIEao. Acesso em: 23 jan. 2019.

SANTOS, R. S. A ficção científica na teledramaturgia: o caso de O Clone. 2005. Dissertação (Mestrado em Literatura) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2005.

TAVARES, B. O que é ficção científica. São Paulo: Brasiliense, 1986.

WOLTON, D. Elogio do grande público: uma teoria crítica da TV. São Paulo: Ática, 1996.

Downloads

Publicado

2020-07-16

Como Citar

SILVA, M. V. B.; DA SILVA DE FRANÇA, E. L. Anacronismo, choque e verossimilhança: a Ficção Científica na telenovela O tempo não para. RuMoRes, [S. l.], v. 14, n. 27, p. 238-260, 2020. DOI: 10.11606/issn.1982-677X.rum.2020.161198. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/Rumores/article/view/161198. Acesso em: 22 out. 2020.

Edição

Seção

Artigos