Narrativas audiovisuais e mitologia

a quaternidade mítica aplicada aos animes

  • Arthur Carlos Franco Oliveira Universidade Federal do Paraná
  • Hertz Wendel de Camargo Universidade Federal do Paraná
Palavras-chave: Anime, Audiovisual, Quaternidade mítica, Canevacci

Resumo

Considerando os estudos sobre consumo ritualístico no cinema e a presença de conteúdos míticos em narrativas contemporâneas, esse artigo busca aplicar a teoria da quaternidade mítica proposta por Canevacci em três animes através da metodologia de análise fílmica proposta por Vanoye e Goliot-Lété. Examinando representações arquetípicas em Sakura Card Captors, Code Geass e The Seven Deadly Sins, concluímos que tais elementos fundamentam a diegese dos animes através de uma estrutura que movimenta a narrativa ao perpetuar e ressignificar conteúdos presentes no inconsciente coletivo. Assim, a ritualização dos arquétipos apresentados por Canevacci lida com estruturas inconscientes não específicas apenas de uma cultura, mas consolidadas no indivíduo e constantemente reapresentadas com diferentes roupagens nas narrativas midiáticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Arthur Carlos Franco Oliveira, Universidade Federal do Paraná

Mestrando em Comunicação pela Universidade Federal do Paraná – PPGCOM –UFPR, orientado pelo Prof. Dr. Hertz Wendel de Camargo – UFPR, bolsista CAPES.

Hertz Wendel de Camargo, Universidade Federal do Paraná

Doutor em Estudos da Linguagem e professor do Mestrado em Comunicação da Universidade Federal do Paraná. 

Referências

ALMEIDA, M. J. Imagens e sons: a nova cultura oral. São Paulo: Cortez, 1994.

BERNARDET, J. C. O que é cinema. São Paulo: Brasiliense, 2001.

CAMPBELL, J. O herói de mil faces. São Paulo: Pensamento, 2007.

CANEVACCI, M. Antropologia do cinema. 2. ed. rev. e ampl. São Paulo: Brasiliense, 1984.

CODE geass: lelouch of the rebellion. Direção: Ichiro Okouchi. Osaka: MBS, 2006-2007. 25 episódios, color.

FREUD S. O ego e o id. Rio de Janeiro: Imago, 1976.

JACOBI, J. Complexo, arquétipo, símbolo na psicologia de C. G. Jung. Petrópolis: Vozes, 2016.

JUNG, C. G. Psicologia da religião ocidental e oriental. Petrópolis: Vozes, 1983.

JUNG, C. G. Os arquétipos e o inconsciente coletivo. Petrópolis: Vozes, 2002.

MARX, K.; ENGELS, F. A ideologia alemã. São Paulo: Boitempo, 2007.

ROCHA, E. O que é mito. São Paulo: Brasiliense, 1996.

SAKURA card captors. Direção: Morio Asaka. Produção: Yutaka Maseba. Tóquio: Artworks Entertainment, 1998-2000. 70 episódios, color.

THE SEVEN deadly sins. Direção: Tensai Okamura. Tóquio: Netflix, 2014-2015. 24 episódios, color.

VANOYE, F.; GOLIOT-LÉTÉ, A. Ensaio sobre a análise fílmica. São Paulo: Papirus, 1994.

VOGLER, C. A jornada do escritor: estruturas míticas para escritores. 3. ed. São Paulo: Aleph, 2015.

Publicado
2020-07-16
Como Citar
OLIVEIRA, A.; CAMARGO, H. Narrativas audiovisuais e mitologia. RuMoRes, v. 14, n. 27, p. 216-237, 16 jul. 2020.
Seção
Artigos