Política, poder e comunicação em Debord e Arendt

Autores

  • Claudio Novaes Pinto Coelho Cásper Líbero

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-677X.rum.2020.165210

Palavras-chave:

Diálogo, Poder, Revolução, Totalitarismo

Resumo

Guy Debord é reconhecido como o principal teórico da sociedade do espetáculo, além de ter sido também um importante militante político e agitador cultural. O artigo aqui apresentado, fruto de uma pesquisa de Pós-Doutorado, procura compreender os conceitos de poder deste autor e como eles estão relacionados com o seu projeto de transformação revolucionária da sociedade capitalista. Tendo em vista este objetivo, será realizada uma análise comparativa com o pensamento de Hannah Arendt, reconhecida como uma das mais significativas autoras do século XX e que também desenvolveu reflexões sobre temas presentes nos textos e na atuação de política e cultural de Debord.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AQUINO, J. E. Linguagem e reificação em Guy Debord. Fortaleza: Universidade Estadual do Ceará, 2006.

ARENDT, H. Crises da república. São Paulo: Perspectiva, 1973.

ARENDT, H. Entre o passado e o futuro. São Paulo: Perspectiva, 1979.

ARENDT, H. A condição humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1981.

ARENDT, H. Da revolução. São Paulo: Ática, 1988.

ARENDT, H. Origens do totalitarismo. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

DEBORD, G. A sociedade do espetáculo: comentários sobre a sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

DEBORD, G. E. Perspectivas de modificações conscientes na vida cotidiana. In: JACQUES, P. B. (org.). Apologia da deriva: escritos situacionistas sobre a cidade. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003. p. 143-152.

HABERMAS, J. O conceito de poder em Hannah Arendt. In: FREITAG, B.; ROUANET, S. P. (org.). Habermas: sociologia. São Paulo: Ática, 1980. p. 100-118. (Grandes Cientistas Sociais, v. 15).

INTERNACIONAL SITUACIONISTA. Contribuição para uma Definição Situacionista de Jogo. In: JACQUES, P. B. (org.). Apologia da deriva: escritos situacionistas sobre a cidade. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003. p. 60-61.

JARDIM, E. Hannah Arendt: pensadora da crise e de um novo início. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

LUKÁCS. G. História e consciência de classe. Porto: Escorpião, 1974.

Downloads

Publicado

2020-07-16

Como Citar

COELHO, C. N. P. Política, poder e comunicação em Debord e Arendt. RuMoRes, [S. l.], v. 14, n. 27, p. 12-34, 2020. DOI: 10.11606/issn.1982-677X.rum.2020.165210. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/Rumores/article/view/165210. Acesso em: 22 out. 2020.

Edição

Seção

Dossiê