Resistência e dissonância nas narrativas em disputa

a voz da mídia e a voz dos movimentos de ocupação de 2016

  • Hila Rodrigues Universidade Federal de Ouro Preto
  • Juarez Rocha Guimarães Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: Narrativa midiática, Enquadramento, Juventude, Resistência, Estratégias discursivas

Resumo

Esse artigo analisa as narrativas produzidas pela mídia e pelos segmentos juvenis durante os movimentos de ocupação nas escolas e universidades no segundo semestre do ano de 2016. O exame dessas narrativas em disputa revela estratégias discursivas específicas: no âmbito das ocupações, o agendamento de temas destinados à formação de certos enquadramentos propostos pelos jovens estudantes, interessados em: (1) “furar” a narrativa dominante inaugurada pelos meios de comunicação televisivos; e (2) escapar às estratégias de silenciamento por meio dos atos de resistência. No âmbito midiático, tem-se o agendamento de temas destinados à formação de enquadramentos centrados na: (1) deslegitimação do movimento (a partir de chaves de oposição e contrafacção no campo semântico); na (2) estigmatização do discurso da resistência; e (3) na criminalização dos atos de resistência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALESSI, G. Secundaristas no Paraná ocupam 300 escolas e põem governador sob pressão. El País, São Paulo, 18 out. 2016, 16:08. Disponível em: https://bit.ly/3fcowca. Acesso em: 22 jan. 2020.

BENJAMIN, W. Experiência e Pobreza. In: BENJAMIN, W. Magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense, 1987. p. 114-119.

BIGNOTTO, N. Hannah Arendt e a Revolução Francesa. O que nos faz pensar, Rio de Janeiro, v. 20, n. 29, p. 41-58, 2011. Disponível em: https://bit.ly/2Au3TJU.Acesso em: 23 jan. 2020.

BRASIL. Medida Provisória nº 746, de 22 de setembro de 2016. Institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral, altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e a Lei nº 11.494 de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, 2016a. Disponível em: https://bit.ly/37zGiUp. Acesso em: 23 jan. 2020.

BRASIL. Proposta de Emenda Constitucional nº 241, de 11 de outubro de 2016. Altera o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o Novo Regime Fiscal. Brasília, DF: Presidência da República, 2016b. Disponível em: https://bit.ly/2UCcIIw. Acesso em: 23 jan. 2020.

CAMPOS, A.; MEDEIROS, J.; RIBEIRO, M. Escolas de luta. São Paulo: Veneta, 2016. (Coleção Baderna).

CATINI, C. R.; MELLO, G. M. C. Escolas de luta, educação política. Educação & Sociedade, Campinas, v. 37, n. 137, p. 1177-1202, 2016. Disponível em: https://bit.ly/2Avpqlh. Acesso em: 23 jan. 2020.

COULDRY, N. Why voice matters: culture and politics after neoliberalism. Londres: Sage, 2010.

ENTMAN, R. M. Framing: toward clarification of a fractured paradigm, Journal of Communication, Nova York, v. 43, n. 4, p. 51-58, 1993.

GAMSON, W. Falando de política. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

MIGUEL, L. F. Dominação e resistência: desafios para uma política emancipatória. São Paulo: Boitempo, 2018.

MORAES, C, S. V.; XIMENES, S. B. Políticas educacionais e a resistência estudantil. Educação & Sociedade, Campinas, v. 37, n. 137, p. 1079-1087, 2016.

MOTTA, L. G. Narratologia: análise da narrativa jornalística. Brasília, DF: Casa das Musas, 2007.

ROSSETTO, G. P. N.; SILVA, A. M. Agenda-setting e framing: detalhes de uma mesma teoria? Intexto, Porto Alegre, n. 26, p. 98-114, 2012.

SANTOS, W. G. A democracia impedida: o Brasil do século XXI. Rio de Janeiro: FGV, 2017.

Publicado
2020-07-16
Como Citar
RODRIGUES, H.; GUIMARÃES, J. Resistência e dissonância nas narrativas em disputa. RuMoRes, v. 14, n. 27, p. 54-74, 16 jul. 2020.
Seção
Dossiê