Progresso, Velocidade, Máquina e mídia: um futurismo periférico e a crônica jornalística de João do Rio

  • Renato Cordeiro Gomes Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ)
Palavras-chave: Exposição Nacional de 1908, progresso, Futurismo, velocidade e imaginação da máquina, mídia impressa, crônica de João do Rio.

Resumo

A mostra “1908 – Um Brasil em Exposição”, realizada em 2010 no Centro Cultural dos Correios, que resgata a “Exposição Nacional de 1908”, é aqui escolhida como motivação inicial para colocar em pauta a modernização
do país, o progresso e a imaginação tecnológica e seu atrelamento às mídias, componentes também motivadores da produção de João do Rio e seu possível “futurismo”. Não há provas de que o jornalista, em viagem à Europa (1908-1909), tenha conhecido o Manifesto de Marinetti, editado no jornal Le Figaro, em 1909, mas testemunhou o clima dos tempos modernos nas cidades visitadas. Por coincidência, é tocado pelo mito da velocidade e da máquina, que abordou em crônicas para a imprensa da época, depois recolhidas, em parte, em livros como Cinematographo e Vida vertiginosa, em que se pode depreender temática e posturas discursivas semelhantes às do Manifesto Futurista. Busca-se testar tal hipótese, depreendendo, através da mediação da mídia impressa, traços que antecedem o programa de certo modernismo brasileiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renato Cordeiro Gomes, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ)
Professor no Programa de Pós-Graduação em Comunicação da PUC-RJ / CNPq.
Publicado
2010-12-06
Como Citar
GOMES, R. Progresso, Velocidade, Máquina e mídia: um futurismo periférico e a crônica jornalística de João do Rio. RuMoRes, v. 4, n. 8, 6 dez. 2010.
Seção
Dossiê