Formas bastardas: reportagem e vida anônima

  • Marcio Serelle Professor do programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da PUC-MG, coordenador do grupo Mídia e Narrativa, da mesma instituição, e pesquisador do CNPq. marcio.serelle@gmail.com.
Palavras-chave: Reportagem, visibilidade, anonimato, campo.

Resumo

A reportagem tem sido considerada, desde sua ascensão na modernidade, uma “forma bastarda”, por sua condição híbrida entre ficção e narração do fato. Este artigo sustenta, a partir da investigação da própria noção de bastardia, que há uma articulação entre o “gênero impuro” de algumas reportagens e sua orientação para iluminar a vida anônima social, em sua precariedade. Como textos de intervenção,  essas narrativas instauram sua própria ordem do sensível – que se difere da do literário – ao jogarem luz sobre espaços e pessoas invisíveis socialmente. Chega-se, assim, neste ensaio, à noção deslocadora de “campo” em Giorgio Agamben (2010), como zonas de exceção em nossa sociedade, habitadas pela vida aquém da cidadania, e que a reportagem contemporânea persevera em denunciar.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2014-08-09
Como Citar
SERELLE, M. Formas bastardas: reportagem e vida anônima. RuMoRes, v. 8, n. 15, p. 27-38, 9 ago. 2014.
Seção
Dossiê