A criatividade em jogo: paráfrase e polissemia no processo de produção do discurso publicitário

Autores

  • Fábio Hansen Universidade Federal do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-677X.rum.2015.90001

Palavras-chave:

Criação publicitária, discurso publicitário, paráfrase, polissemia, brainstorm.

Resumo

Este artigo apresenta como objeto de investigação o processo criativo
publicitário na perspectiva teórica da linguagem a partir da Análise de
Discurso. Em nossa abordagem examinamos o funcionamento polissêmico
e parafrástico do processo de constituição do discurso publicitário. O objetivo
é analisar de que modo afloram nele a criatividade e a produtividade.
Para cumprir tal objetivo, recortamos sequências discursivas produzidas
a partir da observação de um processo criativo em uma agência de
propaganda, e por meio de entrevistas com profissionais de criação que
dele participaram. Assim, atestamos que o processo de criação publicitária
é repleto de paráfrases. Logo, é um lugar de produtividade. Os criativos
trabalham sob o efeito de liberdade criativa, produzindo um efeito de
criatividade na concepção do dizer publicitário.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fábio Hansen, Universidade Federal do Paraná

Professor no Departamento de Comunicação Social da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e no Programa de Pós-Graduação em Comunicação (PPGCOM UFPR) na linha de pesquisa Comunicação, Educação e Formações Socioculturais.

Referências

ALVES, M. C. D. A invenção do criativo publicitário: identidade e discurso. In:

XXXV CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 2012. Anais...

Disponível em <http://www.intercom.org.br/sis/2012/resumos/R7-0560-1.

pdf>. Acesso em 26 de outubro de 2015.

BARRETO, R. M. A criatividade no trabalho e na vida. São Paulo: Summus, 1997.

BURROWES, P. Viagem ao território da publicidade. Comunicação, Mídia e

Consumo, v. 2, n. 5, p. 205-219, nov. 2005.

CAPOTE FILHO, H. S. Criatividade: o avesso do avesso, do avesso, do avesso.

In: NICOLA, R. M. S. Ensaios sobre docência universitária. Curitiba: PUCPRess,

CARRASCOZA, J. A. Do caos à criação publicitária. São Paulo: Saraiva, 2008.

DIEGUEZ, G. K. O discurso publicitário: desvendando a sedução. Comum, v. 12,

n. 27, p. 86-106, jul./dez. 2006.

FOSTER, J. Como ter novas ideias. São Paulo: Futura, 1997.

HANSEN, F. (In)verdades sobre os profissionais de criação: poder, desejo,

imaginação e autoria. Porto Alegre: Entremeios, 2013.

MARTINS, J. S. Redação publicitária: teoria e prática. São Paulo: Atlas, 1997.

ORLANDI, E. A linguagem e seu funcionamento. Campinas: Pontes, 1987.

______. Análise de discurso: princípios e procedimentos. 3. ed. Campinas:

Pontes, 2001.

PÊCHEUX, M. Análise automática do discurso. In: GADET, F.; HAK, T. (Orgs.).

Por uma análise automática do discurso. 2 ed. Campinas: Unicamp, 1993, p.

-161.

______. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. 3. ed. Campinas:

Unicamp, 1997.

______. O Discurso: estrutura ou acontecimento. 3. ed. Campinas: Pontes,

PINHEIRO, C. M. P.; MARTINS, F. E. M.; BARTH, M. Economia criativa: questões

sobre o processo criativo. Animus, v. 13, p. 1-15, 2014.

PREDEBON, J. Criatividade: abrindo o lado inovador da mente. São Paulo: Atlas,

SERRANI, S. M. A linguagem na pesquisa sociocultural: um estudo da repetição

na discursividade. Campinas: Unicamp, 1993.

Downloads

Publicado

2015-12-22

Como Citar

HANSEN, F. A criatividade em jogo: paráfrase e polissemia no processo de produção do discurso publicitário. RuMoRes, [S. l.], v. 9, n. 18, p. 185-203, 2015. DOI: 10.11606/issn.1982-677X.rum.2015.90001. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/Rumores/article/view/90001. Acesso em: 3 dez. 2020.

Edição

Seção

Artigos