Efeitos da intervenção fisioterapêutica na amplitude de movimento do ombro e no mapa termográfico de idosas submetidas à cirurgia para tratamento de câncer de mama

  • Débora Melissa Petry Universidade Federal de Santa Catarina
  • Gesilani Julia da Silva Honório Universidade do Estado de Santa Catarina
  • Keyla dos Santos Universidade do Estado de Santa Catarina
  • Saionara dos Santos
  • Clarissa Medeiros da Luz Universidade do Estado de Santa Catarina
  • Soraia Cristina Tonon da Luz Universidade do Estado de Santa Catarina
  • Marina Palú Universidade do Estado de Santa Catarina
Palavras-chave: Neoplasias da Mama, Amplitude de Movimento Articular, Modalidades de Fisioterapia, Termografia

Resumo

A idade é o principal fator de risco para o desenvolvimento do câncer de mama e clinicamente, as mulheres idosas apresentam um processo de reabilitação mais difícil. Objetivo: Avaliar os efeitos da intervenção fisioterapêutica na amplitude de movimento (ADM) do ombro e no mapa termográfico de idosas em pós-operatório de tratamento do câncer de mama. Métodos: Participaram 10 idosas, submetidas a tratamento cirúrgico para câncer de mama. A avaliação foi feita antes e após a intervenção através do goniômetro, para medidas de ADM, e da câmera termográfica Eletrophysics PV320T, para identificação da temperatura da região torácica. Utilizou-se o teste Wilcoxon e a correlação de Spearman, com nível de significância de 0,05. Resultados: As pacientes apresentaram melhora significativa da amplitude de todos os movimentos do membro comprometido, exceto a rotação interna. Ao comparar os valores de temperatura da avaliação com a reavaliação, houve um aumento da temperatura das regiões torácicas, sendo significativos apenas os valores da mama preservada. Ao comparar a temperatura da região preservada com a comprometida na avaliação, houve diferença significativa, já na reavaliação, ocorreu uma aproximação destes valores. A correlação entre o aumento de temperatura e ADM foi significativa para adução de ambos os membros e rotação interna do membro preservado, na avaliação. Conclusão: A intervenção garantiu resolução ou diminuição das alterações apresentadas no exame físico, melhora da ADM, aumento da temperatura das regiões torácicas, e correlação entre aumento da temperatura e ADM de adução bilateral e rotação interna do membro preservado na avaliação inicial

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Débora Melissa Petry, Universidade Federal de Santa Catarina
Fisioterapeuta Residente, Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC
Gesilani Julia da Silva Honório, Universidade do Estado de Santa Catarina
Docente, Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC
Keyla dos Santos, Universidade do Estado de Santa Catarina
Mestranda em Fisioterapia, Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC
Saionara dos Santos
Fisioterapeuta
Clarissa Medeiros da Luz, Universidade do Estado de Santa Catarina
Docente, Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC
Soraia Cristina Tonon da Luz, Universidade do Estado de Santa Catarina
Docente, Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC
Marina Palú, Universidade do Estado de Santa Catarina
Mestranda em Fisioterapia, Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC
Publicado
2016-12-29
Como Citar
Petry, D., Honório, G., Santos, K., Santos, S., Luz, C., Luz, S., & Palú, M. (2016). Efeitos da intervenção fisioterapêutica na amplitude de movimento do ombro e no mapa termográfico de idosas submetidas à cirurgia para tratamento de câncer de mama. Acta Fisiátrica, 23(4), 180-185. https://doi.org/10.5935/0104-7795.20160034
Seção
Artigo Original