Avaliação da força muscular respiratória e capacidade funcional em pacientes com fibrose cística

  • Cássio Magalhães da Silva e Silva Universidade Federal da Bahia
  • Adriele Mascarenhas Araujo Secretaria de Saúde do Estado da Bahia
  • Anna Lúcia Lima Diniz da Silva Secretaria de Saúde do Estado da Bahia
  • Valdívia Alves de Sousa Secretaria de Saúde do Estado da Bahia
  • Mansueto Gomes Neto Universidade Federal da Bahia
  • Micheli Bernadone Saquetto Universidade Federal da Bahia
Palavras-chave: Fibrose Cística, Músculos Respiratórios, Tolerância ao Exercício

Resumo

Objetivo: Correlacionar a força muscular respiratória e a capacidade funcional em pacientes com FC. Métodos: Estudo transversal em adultos com fibrose cística. Os dados amostrais foram catalogados no Microsoft Office Excel 2007 e as variáveis analisadas pelo SPSS versão 20.0 através do teste t de Student e do coeficiente de Spearman. O nível de significância adotado foi p < 0,05. Resultados: Foram avaliados 35 pacientes com fibrose cística (44,6 ± 19,0 anos), grande parte dos pacientes de FC (n=26) não apresentaram fraqueza da musculatura inspiratória (PImáx -90,7 ± 27,4 cmH2O). Não foi encontrada estatística significativa apenas entre os pacientes adultos e idosos. Houve correlação positiva entre PImáx, PEmáx e teste de caminhada de 6 minutos (TC6) nos participantes com fraqueza muscular respiratória e nos idosos. Houve diferença estatisticamente significativa entre as médias da distância percorrida no TC6 e das pressões respiratórias máximas com a média do que foi previsto para estas variáveis. Conclusão: Todos os grupos apresentaram limitação da força respiratória e da capacidade funcional. As correlações entre as pressões respiratórias com o TC6 foram baixas e pequenas nos adultos e indivíduos sem fraqueza muscular respiratória; moderadas à alta nos idosos; pequenas à moderada nas mulheres; pequenas e negativas nos homens; e, altas naqueles com fraqueza muscular respiratória

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cássio Magalhães da Silva e Silva, Universidade Federal da Bahia
Fisioterapeuta, Professor Assistente da Universidade Federal da Bahia – UFBA
Adriele Mascarenhas Araujo, Secretaria de Saúde do Estado da Bahia
Fisioterapeuta, Residência em Fisioterapia em UTI e Emergência – SESAB
Anna Lúcia Lima Diniz da Silva, Secretaria de Saúde do Estado da Bahia
Fisioterapeuta, Hospital Especializado Octávio Mangabeira – SESAB
Valdívia Alves de Sousa, Secretaria de Saúde do Estado da Bahia
Fisioterapeuta, Hospital Especializado Octávio Mangabeira – SESAB
Mansueto Gomes Neto, Universidade Federal da Bahia
Fisioterapeuta, Professor Adjunto da Universidade Federal da Bahia – UFBA
Micheli Bernadone Saquetto, Universidade Federal da Bahia
Fisioterapeuta, Professor Assistente da Universidade Federal da Bahia – UFBA

Referências

Farias L, Rosario Filho NA, Kovalhuk L, Miasaki N, Chaves SM, Recco RAC, et al. Aspectos clinicos da fibrose cistica: experiência no Hospital de Clinicas da UFPR, 1980-1996. Pediatria (Säo Paulo). 1997;19(4):241-8.

Prado ST. O Papel da fisioterapia na fibrose cística. Rev Hosp Universitário Pedro Ernesto. 2011;10(4):118-25.

Costa ASM, Britto MCA, Nóbrega SM, Vasconcelos MGL, Lima LS. Vivências de familiares de crianças e adolescentes com fibrose cística. Rev Bras Crescimento Desenvolvimento Hum. 2010;20(2):217-27.

Lemos ACM, Matos E, Franco R, Santana P, Santana MA. Fibrose cística em adultos: aspectos clínicos e espirométricos. J Bras Pneumol. 2004;30(1):9-13. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S180637132004000100004

Muramatu LH, Stirbulov R, Forte WCN. Características funcionais pulmonares e uso de broncodilatador em pacientes com fibrose cística. J Bras Pneumol. 2013;39(1):48-55. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1806-37132013000100007

Fernandes AK, Mallmann F, John AB, Faccin CS, Dalcin PTR, Barreto SSM. Relação entre alterações funcionais e radiológicas em pacientes com fibrose cística. J Pneumol. 2003;29(4):196-201. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-35862003000400006

Capone D, Salles REB, Freitas MR, Azevedo L, Lucas R, Montessi O, Junqueira C. A radiologia do tórax na fibrose cística. Rev Hosp Universitário Pedro Ernesto. 2011;10(4):66-72.

Coelho CC, Aquino ES, Almeida DC, Oliveira GC, Pinto RC, Rezende IMO, et al. Análise comparativa e reprodutibilidade do teste de caminhada com carga progressiva (modificado) em crianças normais e em portadoras de fibrose cística. J Bras Pneumol. 2007;33(2):168-74. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1806-37132007000200011

Annoni R, Silva WR, Mariano MS. Análise de parâmetros funcionais pulmonares e da qualidade de vida na revascularização do miocárdio. Fisioter Mov. 2013;26(3):525-36. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-51502013000300006

Blanhir JEM, Vidal CDP, Romero MJR, Castro MMG, Villegas AL, Zamboni M. Teste de caminhada de seis minutos: uma ferramenta valiosa na avaliação do comprometimento pulmonar. J Bras Pneumol. 2001;37(1):110-7. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1806-37132011000100016

Gomes ELFD, Silva, DS, Costa, D. Testes de avaliação da capacidade física em pediatria. Rev Fisioter Bras. 2012;13(6):470-6.

Luz Neto TA, Suzuki FS, Trindade GRGN, Oliveira Filho A, Trindade BO. Teste de 6 minutos. Possíveis parâmetros para elaboração de um programa de caminhada para idosos. Col Pesq Edu Fis. 2009;8(5):103-8.

Rocha RM, Santo EPE, Gouveia EP, Bittencourt MI, Dowsley R, Meirelles LR, et al. Correlação entre o teste de caminhada de 6 minutos e as variáveis do teste ergométrico em pacientes com insuficiência cardíaca: estudo piloto. Rev SOCERJ. 2006;19(6):482-6.

Rosa FW, Camelier A, Mayer A, Jardim, JR. Avaliação da capacidade de exercício em portadores de doença pulmonar obstrutiva crônica: comparação do teste de caminhada com carga progressiva com o teste de caminhada com acompanhamento. J Bras Pneumol. 2006;32(2):106-13. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1806-37132006000200005

Pereira FM, Ribeiro MA, Ribeiro AF, Toro AA, Hessel G, Ribeiro JD. Functional performance on the sixminute walk test in patients with cystic fibrosis. J Bras Pneumol. 2011;37(6):735-44. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1806-37132011000600006

Schindel CS, Donadio MVF. Efeitos de programas de exercício físico em pacientes com fibrose cística. Scientia Med (Porto Alegre) 2013;23(3):187-90.

Haack A, Novaes MRG. Exercício físico e fibrose cística: uma revisão bibliográfica. Com Cienc Saúde. 2013;24(2):145-54.

Associação Médica Brasileira. Declaração de Helsinque [texto na Internet]. São Paulo: AMB [citado 2016 jun 17]. Disponível em: http://www.amb.org.br/_arquivos/_downloads/491535001395167888_DoHBrazilianPortugueseVersionRev.pdf

Rocha CBJ, Araújo S. Avaliação das pressões respiratórias máximas em pacientes renais crônicos nos momentos pré e pós hemodiálise. J Bras Nefrol. 2010;32(1):107-13. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-28002010000100017

Neder JA, Andreoni S, Lerario MC, Nery LE. Reference values for lung function tests. II. Maximal respiratory pressures and voluntary ventilation. Braz J Med Biol Res. 1999;32(6):719-27. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-879X1999000600007

Enright PL, Sherrill DL. Reference equations for the six-minute walk in healthy adults. Am J Respir Crit Care Med 1998 158(5 Pt 1): 1384-7. DOI: http://dx.doi.org/10.1164/ajrccm.158.5.9710086

Domholdt E. Physical therapy research: principles and applications. 2nd ed. Philadelphia: WB Saunders; 2000.

Simões LA, Dias JMD, Marinho KC, Pinto CLLR, Britto RR. Relação da função muscular respiratória e de membros inferiores de idosos comunitários com a capacidade funcional avaliada por teste de caminhada. Rev Bras Fisioter. 2010; 14(1):24-30. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-35552010000100005

Vasconcellos JAC, Britto RR, Parreira VF, Cury AC, Ramiro SM. Pressões respiratórias máximas e capacidade funcional em idosas assintomáticas. Fisioter Mov. 2007;20(3):93-100.

Ziegler B, Rovedder PME, Lukrafka JL, Oliveira CL, Menna-Barreto SS, Dalcin PTR. Submaximal exercise capacity in adolescent and adult patients with cystic fibrosis. J Bras Pneumol. 2007; 33(3):263-9. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1806-37132007000300006

Chetta A, Pisi G, Zanini A, Foresi A, Grzincich GL, Aiello M, et al. Six-minute walking test in cystic fibrosis adults with mild to moderate lung disease: comparison to healthy subjects. Respir Med. 2001;95(12):986-91. DOI: http://dx.doi.org/10.1053/rmed.2001.1194

Zanchet RC, Chagas AM, Melo JS, Watanabe PY, Simões-Barbosa A, Feijo G. Influence of the technique of re-educating thoracic and abdominal muscles on respiratory muscle strength in patients with cystic fibrosis. J Bras Pneumol. 2006;32(2):123-9. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1806-37132006000200007

Chaves CRMM, Oliveira CQ, Britto JAA, Elsas MIGG. Exercício aeróbico, treinamento de força muscular e testes de aptidão física para adolescentes com fibrose cística: revisão de literatura. Rev Bras Saúde Matern Infant. 2007;7(3):245-50. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1519-38292007000300003

Dourado V, Vidotto MC, Guerra RLF. Equações de referência para os testes de caminhada de campo em adultos saudáveis. J Bras Pneumol. 2011;37(5):607-14. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1806-37132011000500007

Publicado
2016-12-29
Seção
Artigo Original