Arte reabilitação em mulheres amputadas utilizando o mito de Pandora como recurso facilitador de autoestima e qualidade de vida

  • Flavia Rodrigues de Souza Scorachio Associação de Assistência à Criança Deficiente – AACD
  • Teresa Kam Teng Associação de Assistência à Criança Deficiente – AACD
  • Márcia Gallo De Conti Associação de Assistência à Criança Deficiente – AACD.
  • Tania Cristina Freire Associação de Assistência à Criança Deficiente – AACD
  • Sheila Jean McNeill Ingham Associação de Assistência à Criança Deficiente – AACD https://orcid.org/0000-0003-2072-1094
Palavras-chave: Amputação, Mulheres, Terapia pela Arte, Reabilitação, Qualidade de Vida

Resumo

A amputação é um evento traumático que repercute intensamente na vida da pessoa acometida. A dificuldade em lidar com a nova realidade pode contribuir negativamente para a autoestima e reabilitação do indivíduo, afetando a sua qualidade de vida. A Arteterapia por meio dos recursos expressivos pode ser um canal facilitador e promotor de aspectos resilientes para a superação do trauma. Objetivo: Averiguar a influência da Arteterapia na autoestima e qualidade de vida em mulheres amputadas. Grupo formado por 8 mulheres amputadas, entre 35 a 65 anos. Método: Divididos em 2 grupos (4 indivíduos no grupo de intervenção e 4 indivíduos no grupo controle). Instrumentos de avaliação: WHOQOL- Bref (World Health Organization Quality of Life), Escala de Autoestima Rosemberg (EAR), o Desenho da Figura Humana e Relatos das Participantes. As atividades foram desenvolvidas com base no mito de Pandora, em 11 oficinas arteterapêuticas com 1 hora de duração, uma vez por semana no setor de Arte-Reabilitação, AACD – Ibirapuera, São Paulo. Resultados: Estatisticamente não foram observadas diferenças significantes entre os momentos inicial e final para os domínios de Whoqol Bref e EAR, em ambos os grupos; porém, o grupo intervenção apresenta um movimento de melhora na autoestima, especialmente no quesito autodepreciação. Qualitativamente foram observadas através do discurso das participantes melhorias de autoestima e possibilidade de melhoria na qualidade de vida das participantes. Conclusão: A arteterapia, junto com a equipe interdisciplinar, pode contribuir positivamente para o processo de reabilitação em mulheres amputadas ajudando a promover a autoestima e qualidade de vida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Ramos ACR, Ingham SJM, Rolim Filho EF. Amputações. In: Fernandes AC, Ramos ACR, Morais Filho MC, Ares MJJ. Reabilitação. 2 ed. Barueri: Manole; 2014. p. 227-46.

Chini GCO, Boemer MR. A amputação na percepção de quem a vivencia: um estudo sob a ótica fenomenológica. Rev Latino-Am Enfermagem. 2007; 15(2):330-6.

Marques MSQ. Sentimento de perda: vivência da mulher com amputação de membro inferior [Dissertação] Porto: Universidade do Porto; 2008.

Galván GB, Amiralian MLTM. Corpo e identidade: reflexões acerca da vivência de amputação. Estud psicol. 2009;26(3):391-8

Silva MS. A imagem corporal na amputação: relação com a depressão, a ansiedade, a satisfação com o suporte social e a autoestima global [Dissertação]. Porto: Universidade do Porto; 2013.

Schilder P. A imagem do corpo: as energias construtivas da psique. São Paulo: Martins Fontes; 1999.

Fleck MPA. O instrumento de avaliação de qualidade de vida da Organização Mundial da Saúde (WHOQOL-100): características e perspectivas. Ciênc Saúde Coletiva. 2000;5(1):33-8.

Milioli R, Vargas MAO, Leal SMC, Montiel AA. Qualidade de vida em pacientes submetidos à amputação. Rev Enferm UFSM. 2012;2(2):311-9.

Moro A, Assef MG, Araújo WS. Avaliação da qualidade de vida em pacientes submetidos à amputação de membros inferiores. Arq Catarin Med. 2012;41(1): 41-6.

Reis HR, Schuwab JA, Neufeld CB. Relato de experiência de Terapia Cognitivo-Comportamental em Grupo com pacientes amputados. Rev Bras Ter Comp Cogn. 2014; XVI(2):148-64.

Sei MB. Arteterapia e psicanálise. São Paulo: Zagodoni; 2011.

Francisquetti AA. Arte-reabilitação: um caminho inovador na área da arteterapia. In: Francisquetti AA. Arte-Reabilitação. Rio de Janeiro: Wak; 2016.

Montessanti L, Freire TC. A arte-habilitação ou reabilitação? A descoberta de um novo caminho. In: Francisquetti AA. Arte-reabilitação. São Paulo: Memnon; 2011. p.18-25.

Alves CF. Amputação: um convite ao olhar e ao tocar as feridas do corpo e da alma. In: Francisquetti AA. Arte-Reabilitação. Rio de Janeiro: Wak; 2016. p.169-82.

Bernardo PP. Mitologia africana e arteterapia: a força dos elementos em nossa vida. São Paulo: Ed. Autor; 2009.

Campbell J. O herói de mil faces. 11 ed. São Paulo: Pensamento; 2007.

Francisquetti AA. A arte em um centro de reabilitação. Psicol Cienc Prof. 1992;12(1):34-8.

Brandão JS. Mitologia Grega. Petrópolis: Vozes; 1986.

Salis VD. Mitologia viva - aprendendo com os deuses a arte de viver e amar. São Paulo: Nova Alexandria; 2003.

Andrade ER, Souza ER, Minayo MCS. Intervenção visando a auto-estima e qualidade de vida dos policiais civis do Rio de Janeiro. Ciênc Saúde Coletiva. 2009;14 (1):275-85.

Silva RBF, Pasa A, Castoldi DR, Spessatto F. O desenho da figura humana e seu uso na avaliação psicológica. Psicol Argum. 2010;28(60):55-64.

Francisquetti AA. Arte-reabilitação com portadores de paralisia cerebral. In: Ciornai S. Percursos em arteterapia: arteterapia gestaltica, arte em psicoterapia, supervisão em arteterapia. São Paulo: Summus; 2005. p. 239-50.

Hammer EF. Aspectos expressivos dos desenhos projetivos. In: Hammer EF. Aplicação clínica dos desenhos projetivos. São Paulo: Casa do Psicólogo; 1991. p. 42-60.

Levy S. Desenhos projetivos da figura humana. In: Hammer EF. Aplicação clínica dos desenhos projetivos. São Paulo: Casa do Psicólogo; 1991. p. 61-85.
Publicado
2018-03-31
Seção
Artigo Original