Síndrome de Burnout em fisioterapeutas de um hospital público de alta complexidade da cidade do Recife, Pernambuco

  • Ericky Rafael Santos Instituto Pernambucano de Ensino Superior
  • Luana Valeriano Neri Faculdade do Recife
  • Elaine Lima Silva Wanderley Instituto Pernambucano de Ensino Superior
Palavras-chave: Saúde do Trabalhador, Esgotamento Profissional, Fisioterapeutas

Resumo

Por serem expostos às inadequadas condições de trabalho, os Fisioterapeutas podem desenvolver a síndrome de Burnout (SB), que é uma resposta ao estresse crônico associado ao ambiente ocupacional. Objetivo: Investigar a frequência da SB em Fisioterapeutas de um hospital público, verificando associações com variáveis demográficas e laborais. Métodos: Este estudo foi desenvolvido no Hospital da Restauração Governador Paulo Guerra, em 2015. Foram incluídos Fisioterapeutas atuantes no hospital e excluídos aqueles com história de depressão ou outros transtornos emocionais. O questionário autoaplicável Maslach Burnout Inventory foi utilizado para investigar a SB. Estatística descritiva foi utilizada para caracterizar a amostra e determinar a frequência da SB, a regressão multivariada foi utilizada para verificar relações entre a SB e as variáveis demográficas e laborais (p<0,05). Resultados: Participaram deste estudo 48 fisioterapeutas. A maioria atuava nas unidades de terapia intensiva (56,3% (N=27)). A presença da SB foi identificada em 54,2% (N=26) dos participantes. Foram observadas correlações entre o número de atendimentos diários e a exaustão emocional (r= 0,41) e com a realização pessoal (r= -0,30), e da idade com a despersonalização (r= -0,11). Conclusão: A SB foi verificada em mais da metade dos Fisioterapeutas. Correlações positivas foram observadas entre o número de atendimentos diários e a exaustão emocional e correlação negativa entre a idade com despersonalização e número de atendimentos diários com a realização pessoal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Gianasi LBS, Oliveira DC. A síndrome de Burnout e suas representações entre profissionais de saúde. Estud Pesq Psicol. 2014;14(3):756-72.

Santos SMP, Sousa V, Rueda FJM. Burnout e sua relação com o clima organizacional em funcionários de um hospital. ABCS Health Sci. 2015; 40(1):11-5. DOI: https://doi.org/10.7322/abcshs.v40i1.697

Silva ALP, Colleta TCD, Ono HRB, Woitas LR, Soares SH, Andrade VLA, et al. Síndrome de Burnout: consequências e implicações de uma realidade cada vez mais prevalente na vida dos profissionais de saúde. Rev Bras Med Trab. 2016;14(3):275-84. DOI: https://doi.org/10.5327/Z1679-443520163215

Previdência Social [homepage na Internet]. Brasília: Ministério da Previdência Social; c2107 [citado 2017 Ago 05]. Disponível em: http://www.previdencia.gov.br/dados-abertos/estatsticas/tabelas-cid-10/

Maslach C, Jackson SE. The measurement of experienced Burnout. J Occup Behav. 1981;2(2):99-113. DOI: https://doi.org/10.1002/job.4030020205

Carlotto MS, Câmara SG. Análise da produção científica sobre a síndrome de Burnout no Brasil. PSICO. 2008;39(2):152-158.

Sánchez CAM, Claro RML, Lorenzo MC, Martín CV, Morales MA, Fernández MJF. Prevalencia del síndrome de Burnout en fisioterapia. Fisioter. 2006;28(1):17-22. DOI: https://doi.org/10.1016/S0211-5638(06)74017-2

Al-Imam DM, Al-Sobayel HI. The prevalence and severity of Burnout among physiotherapists in an Arabian setting and the influence of organizational factors: an observational study. J Phys Ther Sci. 2014;26(8):1193-8. DOI: https://doi.org/10.1589/jpts.26.1193

Fabichak C, Silva-Junior JS, Morrone LC. Síndrome de Burnout em médicos residentes e preditores organizacionais do trabalho. Rev Bras Med Trab. 2014;12(2):79-84.

Metzker CAB, Moraes LFR, Pereira LZ. O fisioterapeuta e o estresse no trabalho: estudo em um hospital filantrópico de Belo Horizonte - MG. Rev Gestão Tecnol. 2012;12(3):174-96.

Gil-Monte PR, Peiró JM. Perspectivas teóricas y modelos interpretativos para el estudio del síndrome de Quemarse por el trabajo. Anales Psicol. 1999;15(2):261-8.

Carlotto MS, Camara SG. Propriedades psicométricas do Maslach Burnout Inventory em uma amostra multifuncional. Est Psicol. 2007;24(3): 325-32.

Benevides-Pereira AMT. MBI - Maslach Burnout Inventory e suas adaptações para o Brasil [resumo]. In: 32ª Reunião Anual de Psicologia; 2001; Rio de Janeiro. Anais. Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de Psicologia; 2001. p.84-5.

Tamayo RM. Relação entre a síndrome de Burnout e os valores organizacionais no pessoal de enfermagem de dois hospitais públicos [tese]. Brasília: Universidade de Brasília; 1997.

Luna JMR. Síndrome de "burn out"¿ El médico de urgencias incansable? Rev Mexicana Med Urgencias. 2002;1(2):48-56.

Gómez MMN, Dodino CN, Aponte CF, Caycedo CE, Riveros MP, Martínez MPM, et al. Relación entre perfil psicológico, calidad de vida y estrés asistencial en personal de enfermería. Univ. Psychol.2005;4(1):63-75.

Moreira DS, Magnago RF, Sakae TM, Magajewski FR. Prevalence of burnout syndrome in nursing staff in a large hospital in south of Brazil. Cad Saude Publica. 2009;25(7):1559-68.

França FM, Ferrari R, Ferrari DC, Alves ED. Burnout and labour aspects in the nursing teams at two medium-sized hospitals. Rev Lat Am Enfermagem. 2012;20(5):961-70.

Barroso SM, Guerra ARP. Burnout e qualidade de vida de agentes comunitários de saúde de Caetanópolis (MG). Cad Saúde Colet. 2013; 21(3):338-45.

Grunfeld E, Whelan TJ, Zitzelsberger L, Willan AR, Montesanto B, Evans WK. Cancer care workers in Ontario: prevalence of burnout, job stress and job satisfaction. CMAJ. 2000;163(2):166-9.

Pavlakis A, Raftopoulos V, Theodorou M. Burnout syndrome in Cypriot physiotherapists: a national survey. BMC Health Serv Res. 2010;10:63.

Silva TLA, Alchieri JC. Socioeconomic and demographic aspects related to stress and the burnout syndrome among Brazilian physiotherapists. Salud Mental. 2014;37(3):227-32.

Ogiwara S, Hayashi H. Burnout amongst physiotherapists in Ishikawa Prefecture. J Phys Ther Sci. 2002;14(1):7-13.

Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional [homepage na Internet]. Brasília: COFFITO; c2015 [citado 2015 Nov 20]. Disponível em: https://www.coffito.gov.br/nsite/?p=3150#more-3150

Publicado
2018-03-31
Seção
Artigo Original