Perfil de pacientes com sequelas de acidente vascular cerebral internados em um centro de reabilitação

Palavras-chave: Acidente Vascular Cerebral, Modalidades de Fisioterapia, Centros de Reabilitação

Resumo

O acidente vascular cerebral (AVC) causa um impacto negativo nos indivíduos afetados e ocasiona alto número de mortes e internações no mundo. O AVC causa incapacidades funcionais, e a reabilitação na fase aguda ajuda a reduzir instalação de complicações secundárias e favorecer a independência. A medida de independência funcional (MIF) é um instrumento amplo para mensurar a capacidade funcional nesta fase de reabilitação. O Objetivo: Avaliar o perfil sociodemográfico, clínico e funcional de indivíduos com AVC internados em um centro de reabilitação em Goiânia - GO. Método: O estudo foi transversal, analisou o prontuário de pacientes internados de julho de 2016 a julho de 2018, foi coletado o perfil sociodemográfico e a MIF no primeiro dia de internação. Resultados: Foram analisadas 138 fichas, houve predominância do sexo masculino, mediana de idade de 61 anos, 70,3% tiveram AVC isquêmico, 89,9% apresentaram hemiplegia, 46,4% o lado esquerdo foi mais acometido, 84,1% utilizavam cadeiras de rodas. 51,4% eram casados, 36,2% tinham baixa escolaridade e 60,1% eram hipertensos e 55 de mediana da MIF destacando  maior independência funcional nos cuidados pessoais, controle, esfincteriano e conhecimento social. Concluisão: O perfil dos pacientes com AVC internados foi caracterizado por indivíduos do sexo masculino, baixa escolaridade e renda, idade avançada, altos índices de incapacidade funcional, alterações na marcha, espasticidade, hemiplegia e disfagia. Conhecer o perfil dos indivíduos com AVC ajudará a compreender suas causas e guiar políticas de prevenção, permitindo melhor qualidade de vida, rápida recuperação e reinserção às atividades de vida diária e à vida profissional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Ponte AL, Fedosse E. Caracterização de sujeitos com lesão cerebral adquirida em idade produtiva. Rev CEFAC. 2016;18(5):1097-108. Doi: https://doi.org/10.1590/1982-0216201618518415

Mourão AM, Vicente LCC, Chaves TS, Sant`Anna RV, Meira FC, Xavier RMB, et al. Perfil dos pacientes com diagnóstico de AVC atendidos em um hospital de Minas Gerais credenciado na linha de cuidados. Rev Bras Neurol. 2017;53(4):12-7.

Ribeiro KSQS, Neves RF, Brito GEG, Morais JD, Lucena EMF, Medeiros JM, et al. Perfil de usuários acometidos por acidente vascular cerebral adscritos à estratégia saúde da família em uma capital do nordeste do Brasil. Rev Bras Saúde. 2012;16(2):25-44. Doi: https://doi.org/10.4034/RBCS.2012.16.s2.05

Locatelli MC, Furlaneto AF, Cattaneo TN. Perfil epidemiológico dos pacientes com acidente vascular cerebral isquêmico atendidos em um hospital. Rev Soc Bras Clín Méd. 2017;15(3):150-4.

Moreira NRTL, Andrade AS, Ribeiro KSQS, Nascimento JA, Brito GEG. Qualidade de vida em indivíduos acometidos por acidente vascular cerebral. Rev Neurocienc. 2015;23(4): 530-7. Doi: https://doi.org/10.4181/RNC.2015.23.04.1036.08p

Mendy VL, Mendy VL, Vargas R, Payton M, Sims JN, Zhang L. Trends in the stroke death rate among Mississippi adults, 2000-2016. Prev Chronic Dis. 2019;16:E21. Doi: https://doi.org/10.5888/pcd16.180425

Damata SRR, Formiga LMF, Araújo AKS, Oliveira EAR, Oliveira AKS, Formuga RCF. Perfil epidemiológico dos idosos acometidos por acidente vascular cerebral. Rev Interd. 2016; 9(1):107-7.

Lima SM, Maldonade I. Avaliação da linguagem de pacientes no leito hospitalar depois do acidente vascular cerebral. Distúrb Comun. 2016;28(4):673-85.

Silva DCS, Nascimento CF, Brito LS. Efeitos da mobilização precoce nas complicações clínicas pós-avc: revisão da literatura. Rev Neurocienc. 2013;21(4):620-7. Doi: https://doi.org/10.4181/RNC.2013.21.891.8p

Utida KAM, Batiston AP, Souza LA. Nível de independência funcional de pacientes após acidente vascular cerebral atendidos por equipe multiprofissional em uma unidade de reabilitação. Acta Fisiátr. 2016;23(3):107-12. Doi: https://doi.org/10.5935/0104-7795.20160021

Araújo JB, Cirne GNM, Lima NMFV, Cavalcanti FAC, Cacho EWA, Cacho RO. Sobrecarga de cuidadores familiares e independência funcional de pacientes pós-acidente vascular encefálico. Rev Ciênc Méd Campinas. 2016;25(3):107-13. Doi: https://doi.org/10.24220/2318-0897v25n3a2991

Sarmento SDG, Dantas RAN, Dantas DV, Oliveira SP, Henriques LMN, Costa IB. Perfil das vítimas de afecções neurológicas atendidas por um serviço pré-hospitalar móvel de urgência. Cogitare Enferm. 2017; 22 (2). Doi: https://doi.org/10.5380/ce.v22i2.49698

Lopes Junior JEG, Freitas Junior JHA, Figueiredo ADJ, Santana FM. Perfil dos pacientes acometidos por acidente vascular encefálico cadastrados na estratégia de saúde da família. Rev Fisioter S Fun. 2013;2(1):21-7.

Pereira ARR, Dantas DS, Torres VB, Viana ESR, Correia GN, Magalhães AG. Associação entre função sexual, independência funcional e qualidade de vida em pacientes após acidente vascular encefálico. Fisioter Pesq. 2017;24(1):54-61. Doi: https://doi.org/10.1590/1809-2950/16270824012017

Costa VS, Silveira JCC, Clementino TCA, Borges LRDM, Melo LP. Efeitos da terapia espelho na recuperação motora e funcional do membro superior com paresia pós-AVC: uma revisão sistemática. Fisioter Pesq. 2016; 23 (4): 431-38. DOI: https://doi.org/10.1590/1809-2950/15809523042016

Riberto M, Miyazaki MH, Juca SSH, Sakamoto H, Pinto PPN, Battistella LR. Validação da versão brasileira da Medida de Independência Funcional. Acta Fisiátr. 2004;11(2):72-6. Doi: https://doi.org/10.5935/0104-7795.20040003

Theme Filha MM, Souza Junior PRB, Damascena GN, Szwarcwald CL. Prevalência de doenças crônicas não transmissíveis e associação com autoavaliação de saúde: Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Rev Bras Epidemiol. 2015;18(S2):83-96. Doi: https://doi.org/10.1590/1980-5497201500060008

Johann A, Bosco SMD. Acidente vascular cerebral em idoso: estudo de caso. Cad Pedag. 2015;12(1):78-86.

Garritano CR, Luz PM, Pires MLE, Barbosa MTS, Batista KM. Análise da tendência da mortalidade por acidente vascular cerebral no Brasil no século xxi. Arq Bras Cardiol. 2012; 98(6):519-27. Doi: https://doi.org/10.1590/S0066-782X2012005000041

Silva IFG, Neves CFS, Vilela ACG, Bastos LMD, Henriques MILS. Viver cuidar após o acidente vascular cerebral. Rev Enf Ref. 2016;4(8):103-11. Doi: http://dx.doi.org/10.12707/RIV15047

Malta DC, Santos NB, Pereill RD, Szwarcwald CL. Prevalence of high blood pressure measured in the Brazilian population, National Health Survey, 2013. São Paulo Med J. 2016;134(2):163-70. Doi: https://doi.org/10.1590/1516-3180.2015.02090911

Mendonça LBA, Lima FET, Oliveira SKP. Acidente vascular encefálico como complicação da hipertensão arterial: quais são os fatores intervenientes? Esc Anna Nery. 2012;16(2): 340-6. Doi: https://doi.org/10.1590/S1414-81452012000200019

Carvalho MIF, Delfino JAS, Pereira WMG, Matias ACX, Santos EFS. Acidente vascular cerebral: dados clínicos e epidemiológicos de uma clínica de fisioterapia do sertão nordestino brasileiro. Rev Interfaces: Saúde, Hum Tecnol. 2014;2(6):1-4.

Piassaroli CAP, Almeida GC, Luvizotto JC, Suzan ANBM. Modelos de reabilitação fisioterápica em pacientes adultos com sequelas de avc isquêmico. Rev Neurocienc. 2012;20(1):128-37.

Rodríguez Hernández SA, Kroon AA, van Boxtel MP, Mess WH, Lodder J, Jolles J, de Leeuw PW. Is there a side predilection for cerebrovascular disease? Hypertension. 2003;42(1):56-60. Doi: https://doi.org/10.1161/01.HYP.0000077983.66161.6F

Fontanesi SRO, Schimt A. Intervenções em afasia: uma revisão integrativa. Rev CEFAC. 2016;18(1):252-62. Doi: https://doi.org/10.1590/1982-021620161817715

Lacerda NN, Gomes EB, Pinheiro HA. Efeitos da facilitação neuromuscular proprioceptiva na estabilidade postural e risco de quedas em pacientes com sequela de acidente vascular encefálico: estudo piloto. Fisioter Pesq. 2013;20(1):37-42. Doi: https://doi.org/10.1590/S1809-29502013000100007

Talarico TR, Venegas MJ, Ortiz KZ. Perfil populacional de pacientes com distúrbios da comunicação humana decorrentes de lesão cerebral, assistidos em hospital terciário. Rev CEFAC. 2011;13(2):330-9. Doi: https://doi.org/10.1590/S1516-18462010005000097

Ribeiro AF, Ortiz KZ. Perfil populacional de pacientes com disartria atendidos em hospital terciário. Rev Soc Bras Fonoaudiol. 2009;14(3):446-53. Doi: https://doi.org/10.1590/S1516-80342009000400004

Leandro TA, Araujo TL, Cavalcante TF, Lopes MVO, Oliveira TMF, Lopes ACM. Diagnósticos de enfermagem de incontinência urinária em pacientes com acidente vascular cerebral, Rev Esc Enferm USP. 2015;49(6):924-32. Doi: https://doi.org/10.1590/S0080-623420150000600007

Pizzi A, Falsini C, Martini M, Rossetti MA, Verdesca S, Tosto A. Urinary incontinence after ischemic stroke: clinical and urodynamic studies. Neurourol Urodyn. 2014;33(4):420-5. Doi: https://doi.org/10.1002/nau.22420

Dourado CC, Engler TMNM, Oliveira SB. Disfunção intestinal em pacientes com lesão cerebral decorrente de acidente vascular cerebral e traumatismo cranioencefálico: estudo retrospectivo de uma série de casos. Texto & Contexto Enferm. 2012; 21(4):905-11. Doi: https://doi.org/10.1590/S0104-07072012000400022

Medeiros CSP, Silva OP, Araújo JB, Souza DE, Cacho EWZ, Cacho RO. Perfil social e funcional dos usuários da estratégia saúde da família com acidente vascular encefálico. Rev Bras Saúde. 2017;21(3):211-20. Doi: https://doi.org/10.4034/RBCS.2017.21.03.04

Scalazo PL, Souza ES, Moreira AGO, Vieira DAF. Qualidade de vida em pacientes com acidente vascular cerebral: clínica de fisioterapia Puc Minas Betim. Rev. Neurociênc. 2010;18(2):139-44. Doi: https://doi.org/10.34024/rnc.2010.v18.8480

Monteiro RBC, Laurentino GEC, Melo PG, Cabral DL, Correia JCF, Salmela LFT. Medo de cair e sua relação com a medida da independência funcional e a qualidade de vida em indivíduos após acidente vascular encefálico. Ciênc Saúde Colet. 2013;18(7):2017-27. Doi: https://doi.org/10.1590/S1413-81232013000700017

Fernandes MB, Cabral DL, Souza RJP, Sekitani HY, Teixeira-Salmela LF, Laurentino GEC. Independência funcional de indivíduos hemiparéticos crônicos e sua relação com a fisioterapia. Fisioter Mov. 2012;25(2):333-41. Doi: https://doi.org/10.1590/S0103-51502012000200011

Publicado
2019-09-30
Seção
Artigo Original