Sintomas osteomioarticulares em bombeiros militares do Distrito Federal

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2317-0190.v26i4a168675

Palavras-chave:

Transtornos Traumáticos Cumulativos, Morbidade, Bombeiros

Resumo

Objetivo: Verificar a prevalência de sintomas osteomioarticulares em bombeiros militares do Distrito Federal. Metódo: Trata-se de um estudo transversal, realizado com bombeiros militares de idades entre 18 e 55 anos. Foi utilizado o Questionário Nórdico de Sintomas Osteomusculares e os participantes relataram a ocorrência dos sintomas nos 12 meses e nos sete dias precedentes à entrevista, bem como os afastamentos das atividades no último ano. Os dados foram tabulados no programa Microsoft Excel 2016 e foi feita a estatística descritiva. Resultados: Dos 178 bombeiros participantes, 89% eram do sexo masculino, com idade média de 39 anos e média do índice de massa corporal de 25,93. As regiões de maior prevalência foram a região lombar (20,90%), seguida dos joelhos (14,24%) e da região dorsal (12,26%) nos últimos 12 meses e a região lombar (20,35%), seguida dos joelhos (16,48%) e dos ombros (11,97%) nos últimos sete dias. Conclusão: Verificou-se maior prevalência de sintomas osteomioarticulares na região lombar, joelhos e região dorsal para alterações crônicas, e maior prevalência de sintomas na região lombar, joelhos e ombros para alterações agudas. Os bombeiros apontaram como causas a realização de força, fadiga e/ou cansaço, posturas mantidas por um longo período de tempo, movimentos bruscos e movimentos repetitivos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Brasil. Ministério da Previdência Social. Instrução Normativa INSS/DC nº 98 de 05 de Dezembro de 2003. Atualização clínica das lesões por esforços repetitivos (LER) distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho (DORT). Diário Oficial da Republica Federativa do Brasil, Brasília (DF); 2003 Dez 10.

Leite PC, Silva A, Merighi MAB. A mulher trabalhadora de enfermagem e os distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho. Rev Ess Enferm USP. 2007;41(2):287-91. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342007000200016

Marques CRCS, Lira MCC, Santos Júnior BJ, Cruz SL, Lima BRDA, Silva GC. Avaliação dos riscos ergonômicos relacionados à atividade de bombeiros militares. Rev Enferm UFPE. 2014;8(9):3082-9. Doi: http://dx.doi.org/10.5205/reuol.5960-55386-1-ED.0809201416

Campos HDST, Santos JRMD, Alencar RRB, Alves SA. Avaliação dos riscos psicossociais relacionados ao trabalho no Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal [monografia] Brasília (DF): Universidade de Brasília; 2014.

Trindade APNT, Gomes TCR, Castro LFA, Balieiro LC, Bittar CML. Relação de dor osteomuscular e a qualidade de vida dos militares do batalhão do corpo de bombeiros de Araxá–MG. Cinergis. 2016;17(4):1-5. Doi: http://dx.doi.org/10.17058/cinergis.v17i3.8068

Guedes D B. Morte e invalidez do bombeiro militar: um estudo no Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal [monografia]. Itajaí: Universidade do Vale do Itajaí; 2007.

Kuorinka I, Jonsson B, Kilbom A, Vinterberg H, Biering-Sørensen F, Andersson G, et al. Jørgensen K. Standardised Nordic questionnaires for the analysis of musculoskeletal symptoms. Appl Ergon. 1987;18(3):233-7. Doi: http://dx.doi.org/10.1016/0003-6870(87)90010-x

Pinheiro FA, Tróccoli BT, Carvalho CV. Validação do Questionário Nórdico de Sintomas Osteomusculares como medida de morbidade. Rev Saúde Pública. 2002;36(3):307-12. Doi: https://doi.org/10.1590/S0034-89102002000300008

Mesquita CC, Ribeiro JC, Moreira P. Portuguese version of the standardized Nordic musculoskeletal questionnaire: cross cultural and reliability. J Public Health. 2010;18(5):461-6. Doi: https://doi.org/10.1007/s10389-010-0331-0f

Barros EN, Alexandre NM. Cross-cultural adaptation of the Nordic musculoskeletal questionnaire. Int Nurs Rev. 2003;50(2):101-8. Doi: https://doi.org/10.1046/j.1466-7657.2003.00188.x

Moreno, G. M. Definición y clasificación de la obesidad. Rev Med Clin Condes. 2012;23(2):124-8. Doi: https://doi.org/10.1016/S0716-8640(12)70288-2

Dalquano CH, Nardo Júnior N, Castilho MM. Efeito do treinamento físico sobre o processo de envelhecimento e o nível de aptidão física de bombeiros. J Phys Educ. 2008;14(1):47-52. Doi: https://doi.org/10.4025/reveducfisv14n1p47-52

Levandoski G, Chiquito E, Oliveira AG, Zaremba CM. Qualidade de vida e composição corporal de soldados ingressantes no exército. Rev Bras Qual Vida. 2013; 5(2):23-30. Doi: https://doi.org/10.3895/S2175-08582013000200003

Kim MG, Kim KS, Ryoo JH, Yoo SW. Relationship between occupational stress and work-related musculoskeletal disorders in Korean male firefighters. Ann Occup Environ Med. 2013;25(1):9. Doi: https://doi.org/10.1186/2052-4374-25-9.

Punakallio A, Lusa S, Luukkonen R, Airila A, Leino-Arjas P. Musculoskeletal pain and depressive symptoms as predictors of trajectories in work ability among finnish firefighters at 13-year follow-up. J Occup Environ Med. 2014;56(4):367-75. Doi: https://doi.org/10.1097/JOM.0000000000000139

Brasil. Ministério da Saúde. Dor relacionada ao trabalho: lesões por esforços repetitivos (LER): distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho (DORT). Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2012.

Vitari FC, Francisco HS, Mello MG. Ergonomic risks on the operational activities of firefighters from Rio de Janeiro. Work. 2012;41 Suppl 1:5810-2. Doi: https://doi.org/10.3233/WOR-2012-0959-5810

Smith DL. Firefighter fitness: improving performance and preventing injuries and fatalities. Curr Sports Med Rep. 2011;10(3):167-72. Doi: https://doi.org/10.1249/JSR.0b013e31821a9fec

Downloads

Publicado

2019-12-31

Edição

Seção

Artigo Original