Variabilidade de Xanthomonas malvacearum (E. F. Smith) Dowson, no estado de São Paulo

  • Edivaldo Cia Instituto Agronômico do Estado de São Paulo; Secção de Algodão
  • Eric Balmer Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz; Departamento de Fitopatologia
  • Carlos A. M. Ferraz Instituto Agronômico do Estado de São Paulo; Secção de Algodão
  • I. L. Gridi-Papp Instituto Agronômico do Estado de São Paulo; Secção de Algodão
  • O. Paradela F.° Instituto Agronômico do Estado de São Paulo; Secção de Microbiologia Fitotécnica

Resumo

No presente trabalho foi determinada a variabilidade de X. malvacearum, em condições de casa de vegetação, baseando-se na reação dos hospedeiros diferenciais para raças fisiológicas do patógeno. A técnica de inoculação empregada foi a de riscos feitos na página inferior das folhas e para avaliação dos sintomas foi adotada uma escala que variou de 1 a 5. Foi detectada a ocorrência das raças fisiológicas 3, 8 e 10. A linhagem do algodoeiro IAC RM3-4133 71/523 foi resistente à raça fisiológica 3, enquanto que as linhagens (Acala x Nu.16) 71/213 e IAC 12-2 71/170 foram resistentes às raças 3, 8 e 10.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
1973-01-01
Como Citar
Cia, E., Balmer, E., Ferraz, C., Gridi-Papp, I., & Paradela F.°O. (1973). Variabilidade de Xanthomonas malvacearum (E. F. Smith) Dowson, no estado de São Paulo . Anais Da Escola Superior De Agricultura Luiz De Queiroz, 30, 457-463. https://doi.org/10.1590/S0071-12761973000100034
Seção
naodefinida