Ocorrência de aflatoxina em farelos de amendoim (Arachis hypogaea L.) na região araraquarense, do estado de São Paulo

  • Homero Fonseca

Resumo

No presente trabalho foram estudadas a ocorrência das aflatoxinas B e G em 56 amostras de farelo de amendoim provenientes de 9 fábricas de óleo da região Araraquarense, bem como uma possível correlação na produção dos dois grupos de aflatoxina. As amostras foram coletadas em quatro épocas representando material proveniente da industrialização de duas safras distintas, a saber: março e maio - safra das "águas" e julho e setembro - safra da "seca". Dos resultados concluiu-se que: a) a incidência de aflatoxina foi geral na região, pois todas as amostras estavam tóxicas; b) o nível de toxidez encontrado foi elevado (valores de 0,1 a 20,0 ppm) sendo bem mais elevado na safra das "águas" - média de 4,55 ppm, contra 2,40 ppm na "seca"; c) foi considerado que apenas 16,07% do material examinado estaria em condições de ser utilizado na composição de rações animais; d) observou-se uma elevada produção de aflatoxina G sendo maior que as B em seis amostras; e) houve correlação estatisticamente significativa, entre a produção das aflatoxinas B e G.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
1975-01-01
Como Citar
Fonseca, H. (1975). Ocorrência de aflatoxina em farelos de amendoim (Arachis hypogaea L.) na região araraquarense, do estado de São Paulo . Anais Da Escola Superior De Agricultura Luiz De Queiroz, 32, 7-19. https://doi.org/10.1590/S0071-12761975000100001
Seção
naodefinida