Os 311 dias da Rádio Rebelde como Arma Guerrilheira em Cuba

  • Beatriz Buschel Pasqualino Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Rádio, Revolução Cubana, Rádio Rebelde, Cuba, Fidel Castro

Resumo

Este artigo busca apresentar a atuação do rádio clandestino durante período de guerrilha (1956-1959) na Revolução Cubana , especificamente a Rádio Rebelde e demais estações radiofônicas criadas na Sierra Maestra pelo Exército Rebelde, que combatia a ditadura de Fulgêncio Batista, instalada em 1952, por golpe militar. Pretende-se dar indicadores de como o rádio foi utilizado como arma militar, ideológica e de propaganda política do Movimento Revolucionário 26 de Julho, liderado por Fidel Castro. Para isso, está sendo realizada pesquisa de Mestrado sobre o tema que analisa o assunto a partir de entrevistas com combatentes que estiveram na guerrilha; textos publicados em jornais, revistas e livros; e locuções originais da época recolhidas em formato de áudio e impressas

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Beatriz Buschel Pasqualino, Universidade de São Paulo
Jornalista pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e socióloga pela Universidade de São Paulo.
Publicado
2013-12-17
Como Citar
Pasqualino, B. (2013). Os 311 dias da Rádio Rebelde como Arma Guerrilheira em Cuba. Revista Alterjor, 8(2), 12-23. Recuperado de http://www.revistas.usp.br/alterjor/article/view/88294