FOMENTO AO CINEMA BRASILEIRO: O PAPEL DO ESTADO

  • Pricila Valéria de Oliveira Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo
  • Renato Coelho Pannacci
Palavras-chave: Cinema, Fomento, História.

Resumo

Esta pesquisa tem como objetivo estudar o fomento ao cinema brasileiro, desenhando uma linha do tempo a partir do início da década de 1960, com a criação do Grupo Executivo da Indústria Cinematográfica (GEICINE), criado em 1961, até os dias atuais, com a Agência Nacional do Cinema (ANCINE), criada em 2001. Pautado por uma perspectiva historiográfica, este estudo além de trazer um panorama do fomento ao cinema brasileiro, pretende entender o papel do Estado no contexto da produção cinematográfica gerando, assim, maior compreensão acerca dos obstáculos que impedem que o cinema nacional se mantenha enquanto indústria autossustentável de fato.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pricila Valéria de Oliveira, Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo
Pesquisadora de iniciação científica da Universidade Anhembi-Morumbi.
Renato Coelho Pannacci
Doutorando e mestre em Multimeios pela Universidade Estadual de Campinas, graduado em Comunicação Social com habilitação em Cinema pela Fundação Armando Álvares Penteado. É professor nos cursos de graduação em Cinema e Rádio e TV da Universidade Anhembi Morumbi.
Publicado
2017-12-15
Como Citar
Oliveira, P., & Pannacci, R. (2017). FOMENTO AO CINEMA BRASILEIRO: O PAPEL DO ESTADO. Anagrama, 11(2). Recuperado de http://www.revistas.usp.br/anagrama/article/view/141636
Seção
Artigos