Florescer o Eu na pele

reflexões sobre tatuagens e regimes de visibilidade

  • André Kupfermann Rodarte ESPM
  • Thaísa Carvalho
  • Rosilene Marcelino

Resumo

Este artigo propõe uma discussão acerca das intervenções no corpo humano pela perspectiva do consumo, comunicação e psicanálise. Como objeto de estudo, as tatuagens são fenômenos férteis para pensar limites e configurações de regimes de visibilidade contemporâneos. Em particular, investigaremos intervenções estéticas em cicatrizes como tentativas de ressignificação e expressão corporal através do programa BBC Three: A Tattoo To Change Your Life. A produção de novos sentidos através de tais inscrições na pele manifesta a celebração de um compromisso moral de um dever-ser, fundamentado na condição corpórea como subterfúgio para construção e reconhecimento de subjetividades. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosilene Marcelino
Doutoranda em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP, mestre em Comunicação e Práticas de Consumo pela ESPM-SP, membro do Grupo de Pesquisa Comunicação, educação e consumo: as interfaces na teleficção (ESPM-SP). Docente da ESPM-SP. E-mail: rosilene.marcelino@outlook.com.      
Publicado
2018-11-13
Como Citar
Rodarte, A., Carvalho, T., & Marcelino, R. (2018). Florescer o Eu na pele. Anagrama, 12(2). Recuperado de http://www.revistas.usp.br/anagrama/article/view/150452