Aura e Fantasmagoria

inscrição subjetiva em dois curtas-metragens de compilação

  • Lucas Manuel Mazuquieri Reis UNICAMP
Palavras-chave: filme de compilação; arquivo; memória; autorretrato; inscrição subjetiva;

Resumo

Este artigo propõe uma abordagem do cinema de compilação pela ótica da inscrição subjetiva. Para tanto, parte-se de uma problematização da noção de arquivo e da utilização deste como forma de articulação histórica no filme de compilação. Para matizar a relação entre o filme de compilação e a memória afetiva realiza-se o estudo de caso de dois curta-metragens brasileiros de compilação, Inconfissões (Ana Galizia, 2017) e Sem título #1: Dance of Leitfossil (Carlos Adriano, 2014), em que os cineastas que utilizam o arquivo recuperado como forma de lidar com a morte de um familiar, marcando subjetivamente a re-enunciação.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2019-10-11
Como Citar
Reis, L. (2019). Aura e Fantasmagoria. Anagrama, 13(2). Recuperado de http://www.revistas.usp.br/anagrama/article/view/157506