Familismo, patriarcado e empobrecimento feminino na comunicação pública do governo sobre o Programa Bolsa-Família

  • Eduardo Lopes Oliveira Universidade Federal de Minas Gerais
  • Angela Cristina Salgueiro Marques Universidade Federal de Minas Gerais – Belo Horizonte, MG
Palavras-chave: Política; Alteridade; Imagem; Bolsa Família; Propaganda Estatal

Resumo

O presente artigo tem como objetivo discutir as representações imagéticas das mulheres beneficiárias do Bolsa Família na divulgação da publicidade governamental sobre o programa. Discutiremos aspectos ligados à desumanização e desfiguração das mulheres, que são obrigatoriamente titulares do benefício recebido por suas famílias, e como quadros morais amplamente compartilhados pela sociedade fazem com que algumas imagens e padrões de representação se sobressaiam aos demais. Argumentamos que a divulgação governamental dos programas de redistribuição e a circulação de imagens que mostram mulheres empobrecidas produzem circuitos de valores e padrões morais de avaliação dos modos de vida e suas vulnerabilidades  que podem incidir sobre o sentido político que as imagens adquirem em sua circulação social. Especificamente, argumentamos que imagens que remetem ao familismo e ao patriarcado são validadas por uma economia moral que estabelece como julgamos e definimos o valor das vidas e modos de vida nas sociedades neoliberais e meritocráticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eduardo Lopes Oliveira, Universidade Federal de Minas Gerais

Graduando em Comunicação Social pela Universidade Federal de Minas Gerais. Pesquisador de inciação científica junto ao Grupo Margem.

Angela Cristina Salgueiro Marques, Universidade Federal de Minas Gerais – Belo Horizonte, MG
Doutora em Comunicação Social pela UFMG. Pós-Doutora em Comunicação pela Université Stendhal - Grenoble 3. Professora do Programa de Pós-graduação dessa mesma instituição. Pesquisadora bolsista do CNPq.
Publicado
2019-10-11
Como Citar
Lopes Oliveira, E., & Salgueiro Marques, A. (2019). Familismo, patriarcado e empobrecimento feminino na comunicação pública do governo sobre o Programa Bolsa-Família. Anagrama, 13(2). Recuperado de http://www.revistas.usp.br/anagrama/article/view/157549