A Agonia (Júlio Bressane, 1978) no cinema experimental brasileiro

uma análise a partir de Limite (Mário Peixoto, 1931)

  • Pedro Pimenta Barbosa de Sousa Universidade Federal de São Carlos
Palavras-chave: Análise Fílmica, Cinema Experimental, Júlio Bressane, Intertextualidade, Mário Peixoto

Resumo

Este trabalho tem como objetivo realizar uma análise da relação intertextual existente entre Limite (Mário Peixoto, 1931) e A Agonia (Júlio Bressane, 1978). Limite é um longa-metragem, de estilo experimental e que foi pouco visto até a década de 1970, quando a obra é restaurada e passa a ser mais disseminada. Júlio Bressane a assiste pela primeira vez nessa ocasião, e decide realizar um longa-metragem (A Agonia) com o intuito de realizar, nas palavras do diretor, uma "crítica cinematográfica" de Limite. A análise concentrou-se nas sequências de A Agonia que reencenam, em uma chave particular, trechos do filme de Mário Peixoto.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2019-10-14
Como Citar
Barbosa de Sousa, P. (2019). A Agonia (Júlio Bressane, 1978) no cinema experimental brasileiro. Anagrama, 13(2). Recuperado de http://www.revistas.usp.br/anagrama/article/view/161510