A cor do Homem Nu: impasses de uma periferia branca diante do modernismo (Paraná, 1953)

Palavras-chave: Branquidade, Regionalismo, Modernismo, Arquitetura, Curitiba, Pós-guerra

Resumo

Em meados dos anos 1950, a construção de um monumento em Curitiba colocou a elite local diante de um impasse: como ser moderno, no Brasil do pós-guerra, sem deixar de ser branco? Concebido como parte das comemorações de cem anos de criação do Paraná, o monumento do centenário deveria dominar a praça do Centro Cívico – um conjunto administrativo moderno projetado para simbolizar a súbita transformação do Paraná em um dos estados mais ricos da federação. Os 21 gigantes de pedra que formariam o monumento, entretanto, acabaram sendo reduzidos a apenas um, o Homem Nu, obra dos escultores Erbo Stenzel e Humberto Cozzo. Neste artigo, analiso os sentidos relacionados à adaptação, construção e repercussão do monumento do Homem Nu, incluindo os atritos entre agentes locais e profissionais de vanguarda (e outros nem tanto) que trabalhavam no Rio de Janeiro. Procuro mostrar os esforços de uma fração da elite empenhada em atualizar sua região periférica seguindo os ditames de um movimento moderno desenvolvido no centro da vida cultural nacional. Contra a resistência de uma fração reacionária da elite, os modernos do Paraná conseguiram assegurar projetos arquitetônicos significativos, para em seguida recuar quando descobriram que ser moderno e brasileiro, nos anos 50, significava tornar-se menos branco.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Benno Warken Alves, Universidade de São Paulo

Doutor em Sociologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (USP)

Referências

FONTES MANUSCRITAS

COZZO, Humberto. [Correspondência]. Destinatário: Erbo Stenzel. [s. l.; s. d.]. Fundação Cultural de Curitiba, Fundo Erbo Stenzel, pasta A Praça 19 de Dezembro na obra de Erbo Stenzel.

MARX, Roberto Burle. Proposta a Elato Silva. Rio de Janeiro, 4 ago. 1953. Arquivo Público do Paraná, fundo Comissão de Comemorações do Centenário do Estado do Paraná, caixa 24/07/69/46.

PEREIRA, Ivo Arzua. [Correspondência]. Destinatário: Bento Munhoz da Rocha Neto, [s.l.], 13 ago. 1954. Arquivo Público do Paraná, fundo Comissão de Comemorações do Centenário do Estado do Paraná, caixa 24/07/67/01.

PEREIRA, Ivo Arzua. [Correspondência]. Destinatário: Bento Munhoz da Rocha Neto, [s.l.], 20 jan. 1955a. Arquivo Público do Paraná, fundo Comissão de Comemorações do Centenário do Estado do Paraná, caixa 24/07/68/01.

PEREIRA, Ivo Arzua. [Correspondência]. Destinatário: Antonio Anibelli, [s. l.], 30 abr. 1955b (anexo). Arquivo Público do Paraná, fundo Comissão de Comemorações do Centenário do Estado do Paraná, caixa 23/41/08/08.

PEREIRA, Ivo Arzua. [Correspondência]. Destinatário: Bento Munhoz da Rocha Neto, [s. l.], 12 maio 1955c. Arquivo Público do Paraná, fundo Comissão de Comemorações do Centenário do Estado do Paraná, caixa 24/07/68/11.

PRAÇA 19 de Dezembro. [s. d.]. Biblioteca Casa da Memória, Fundação Cultural de Curitiba, pasta Praças “D”.

SILVA, Elato. Ofícios ao governador Bento Munhoz da Rocha Neto, [s. l.], 26 dez. 1952 e 9 mar. 1953. Arquivo Público do Paraná, fundo Comissão de Comemorações do Centenário do Estado do Paraná, caixa 24/07/67/01.

TERMO de contrato de locação de serviços entre o estado do Paraná e o engenheiro civil Elato Silva. [s. l.; s. d.]. Arquivo Público do Paraná, fundo Comissão de Comemorações do Centenário do Estado do Paraná, caixa 23/40/01/03.

FONTES ICONOGRÁFICAS

A ESTÁTUA sem cabeça. [s. d.]. 1. Fotografia. Acervo da Fundação Cultural de Curitiba, Fundo Erbo Stenzel, pasta A Praça 19 de Dezembro na obra de Erbo Stenzel.

COZZO, Humberto. Maquete. [s. d.]. 1. Fotografia. Acervo da Fundação Cultural de Curitiba, Fundo Erbo Stenzel, pasta A Praça 19 de Dezembro na obra de Erbo Stenzel.

STENZEL, a estátua e Cozzo. [s. d.]. 1 fotografia, p/b. Instalação na Praça Dezenove de Dezembro da estatua do Homem Nu, de autoria dos escultores Erbo Stenzel e Humberto Cozzo. Acervo Casa da Memória, Diretoria do Patrimônio Cultural, Fundação Cultural de Curitiba, Coleção Erbo Stenzel (ref.: SN, 6808).

STENZEL, Erbo. Torso de Trabalhador. 1941. 1. Escultura. Acervo do Museu de Arte do Paraná. Erbo Stenzel, 1911 - 1989: escultura, desenho, gravura. Exposição realizada por ocasião do décimo quinto aniversário de falecimento do artista, Curitiba, 6 de julho a 25 de agosto de 1995 [panfleto].

STENZEL, Erbo; COZZO, Humberto. O modelo de argila, “branco”. [s. d.]. 1 fotografia, p/b. Modelos em barro em escalas diferentes da estátua do Homem Nu, dos escultores Erbo Stenzel e Humberto Cozzo. Acervo Casa da Memória, Diretoria do Patrimônio Cultural, Fundação Cultural de Curitiba, Coleção Erbo Stenzel (ref.: SN, 6967).

FONTES IMPRESSAS

ARIEL. Tópicos da Cidade. O Dia, Curitiba, jun.-jul. 1955.

CARNEIRO, David. O conjunto arquitetônico do Centro Cívico. O Dia, 1º maio 1952, p. 3.

CENTRE CIVIQUE. L’Architecture d’Aujourd’hui, n. 42, 1952.

C.E.O.C., uma sigla que passará à história do progresso paranaense. O Estado do Paraná, Curitiba, 19 dez. 1953, p. 26.

COMISSÃO de Comemorações do Centenário do Paraná. O Estado do Paraná, 19 dez. 1953 (Edição especial).

CORDEIRO, João Jorge. Os monumentos da cidade de Curitiba. [s. d.], p. 14. Biblioteca da Casa da Memória, Fundação Cultural de Curitiba.

MENDES, Fradique. Instantâneos. O Dia, 7 jul. 1955, p. 3.

MENSAGEM apresentada à Assembleia Legislativa do Estado por ocasião da 1ª sessão ordinária da segunda legislatura pelo senhor Bento Munhoz da Rocha Neto, governador do Paraná. Curitiba, Paraná, 1951, p. 115.

MENSAGEM apresentada à Assembleia Legislativa do Estado por ocasião da 2ª sessão ordinária da segunda legislatura pelo senhor Bento Munhoz da Rocha Neto, governador do Paraná. Curitiba, Paraná, 1952, p. 193.

MILLARCH, Aramis. Meister, o homem do teatro Guaíra. O Estado do Paraná, 25 out. 1990, p. 24.

MONUMENTO do Centenário do Paraná. Brasil Arquitetura Contemporânea, n. 1, ago.-set. 1953.

MULHER de Pedra já mora junto ao “Homem Nu”. Diário do Paraná, Curitiba, 31 ago. 1972, p. 8.

O CRIADOR fala sobre a sua obra. A mulher nua ainda não está no lugar planejado. Diário do Paraná, 4 set. 1972, p. 3.

O MONSTRO no Tribunal Popular!”. O Dia, Curitiba, 3 jul. 1955.

O MONUMENTAL Centro Cívico de Curitiba, Ilustração Brasileira, ano XLIV, n. 224, dez. 1953.

O MONUMENTO da Praça 19 e sua entrega”. O Dia, Curitiba, 15 jun. 1955, p. 3. OURO PRETO, Carlos Celso de. Introduction. L’Architecture d’Aujourd’hui, n. 42, 1952, p. 1.

PARANÁ. Decreto nº 1.084 de 11 de maio de 1951. Diário Oficial do Estado do Paraná, Curitiba, ano XXXIX, nº 56, 11 maio 1951, p. 1.

PARANÁ. Lei nº 674 de 29 de agosto de 1951. Diário Oficial do Estado do Paraná, Curitiba, ano XXXIX, nº 145, 30 ago. 1951, p. 1.

PARANÁ e Santa Catarina. O Cruzeiro, 21 jun. 1952.

PERPETUADA em bronze e granito a glória dos homens do passado. Diário do Paraná, Curitiba, 29 de março de 1955 (Suplemento Comemorativo do Aniversário da Cidade).

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA. Boletim PMC, ano 2, n. 12, nov.-dez. 1943. Curitiba: Empresa Gráfica Paranaense. Disponível em: <https://bit.ly/2T6oWFr>. Acesso em: 7 mar. 2019.

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA. Boletim Informativo da Casa Romário Martins, Curitiba, v. 15, n. 82, agosto de 1988, p. 17.

PRESENTE de natal para o macaco de pedra da Praça 19 de Dezembro”, Diário do Paraná, Curitiba, 23 dez. 1958.

LIVROS, ARTIGOS E TESES

BAHLS, Aparecida Vaz da Silva. Símbolos e monumentos: as comemorações de emancipação política do Paraná nos logradouros de Curitiba. Publicatio UEPG: Ciências Humanas, Ciências Sociais Aplicadas, Linguística, Letras e Artes, Ponta Grossa, v. 14, n. 1, p. 7-20, jun 2006.

BATISTELLA, Alessandro. O Partido Trabalhista Brasileiro no Paraná. Topoi, Rio de Janeiro, v. 17, n. 32, p. 257-286, jan.-jun. 2016.

BATISTELLA, Alessandro. A campanha oposicionista ao governador paranaense Bento Munhoz da Rocha Neto (1951-1955) por meio da caricatura política. In: XXIX Simpósio Nacional de História, Brasília, Brasília: UnB, 2017.

BEGA, Maria Tarcisa Silva. Letras e política no Paraná: simbolistas e anticlericais na República Velha. Curitiba: Editora UFPR, 2013.

CAMARGO, Geraldo Leão Veiga de. Paranismo: arte, ideologia e relações sociais no Paraná. 2007. Tese (Doutorado em História) – Setor de Ciências Humanas, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2007.

CAVALCANTI, Lauro. Moderno e brasileiro: a criação de uma nova linguagem na arquitetura (1930-1960). Rio de Janeiro: Zahar, 2006.

CERCHIARO, Marina Mazze. Esculpindo para o Ministério: arte e política no Estado Novo. 2016a. Tese (Mestrado em Filosofia) – Instituto de Estudos Brasileiros, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016a.

CERCHIARO, Marina Mazze. Esculpindo o ideal de “homem novo”: discursos sobre raça, gênero e nação no Estado Novo. In: 30ª Reunião Brasileira de Antropologia, João Pessoa, João Pessoa: UFPB, 2016b.

CHUVA, Márcia. Fundando a nação: a representação de um Brasil barroco, moderno e civilizado. Topoi, Rio de Janeiro, v. 4, n. 7, jul.-dez. 2003, p. 313-333.

COMISSÃO de Comemorações do Centenário do Paraná. International Coffee Exhibition – Exposição Internacional do Café. Curitiba: Impressora Paranaense, [s. d.].

DECKKER, Zilah Quezado. Brazil built: the architecture of the modern movement in Brazil. Londres; Nova York: Spon Press, 2001.

DUDEQUE, Irã Taborda. Espirais de madeira: uma história da arquitetura de Curitiba. São Paulo: Studio Nobel; FAPESP, 2001.

FISCHER, Brodwyn. A Poverty of Rights: Citizenship and inequality in twentieth-century Rio de Janeiro. Stanford, CA: Stanford University, 2008.

GALANI, Luan. Histórias da Biblioteca Pública que os livros não contam. Gazeta do Povo, Caderno Haus, Curitiba, 4 ago. 2015.

GNOATO, Luís Salvador Petrucci. Introdução do ideário modernista na arquitetura de Curitiba (1930-1965). 1997. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1997.

GNOATO, Luís Salvador Petrucci. Racionalismo e rigor construtivo. Revista Arquitetura e Urbanismo, n. 160, jul. 2007. Disponível em: <https://bit.ly/2F5lhDc>. Acesso em: 7 mar. 2019.

GONÇALVES, Josilena Maria Zanello. Integração das artes no Paraná (1950-1970): a conquista do espaço público. 2006. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

GUIMARÃES, Antonio Sérgio Alfredo. Democracia racial: o ideal, o pacto e o mito. Novos Estudos, n. 61, nov. 2001, p. 147-162.

GUIMARÃES, Antonio Sérgio Alfredo. Raça, cor, cor da pele e etnia. Cadernos de Campo, São Paulo, v. 20, jan.-dez. 2011.

IPARDES. O Paraná reinventado: política e governo. Curitiba: [s. n.], 1989.

MACHADO, Daiane Vaiz. O percurso intelectual de uma personalidade curitibana: David Carneiro. 2012. Dissertação (Mestrado em História) – Setor de Ciências Humanas, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2012.

MENDONÇA, Paulo Knauss. Arte pública e direito à cidade: o encontro da arte com as favelas do Rio de Janeiro contemporâneo. Tempo & Argumento, Florianópolis, v. 1, n. 1, 2009.

MUELLER, Oscar. Centro Cívico de Curitiba: um espaço identitário. 2006. Dissertação (Mestrado em Arquitetura) – Faculdade de Arquitetura, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2006.

NOGUEIRA, Oracy. Preconceito racial de marca e preconceito racial de origem: sugestão de um quadro de referência para a interpretação do material sobre relações raciais no Brasil. Tempo Social, São Paulo, v. 19, n. 1, 2006 [1955].

OLIVEIRA, Luiz Claudio Soares de. Joaquim contra o paranismo. 2005. Dissertação (Mestrado em Estudos Literários) – Setor de Ciências Humanas, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2005.

OLIVEIRA, Márcio de. Imigração e diferença em um estado do sul do Brasil: o caso do Paraná. Nuevo Mundo Novos Mundos, maio 2007. Disponível em: <https://bit.ly/2VXPDhK>. Acesso em: 7 mar. 2019.

PACHECO, Paulo Cesar Braga. A arquitetura do Grupo do Paraná 1957-1980. 2010. Tese (Doutorado em Arquitetura) – Faculdade de Arquitetura, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010.

PADIS, Pedo Calil. O Paraná: uma visão de conjunto. Revista de Administração de Empresas, v. 11, n. 1, jan.-mar. 1971, p. 35-50.

PADIS, Pedo Calil. Formação de uma economia periférica: o caso do Paraná. São Paulo; Curitiba: HUCITEC; Secretaria da Cultura e do Esporte do Governo do Estado do Paraná, 1981.

PEREIRA, Magnus Roberto de Mello. Semeando iras rumo ao progresso: ordenamento jurídico e econômico da sociedade paranaense, 1899-1889. Curitiba: Editora UFPR, 1996.

ROMANOVSKI, Natalia. Um grupo abstrato: cultura, geração e ambições modernas na Revista Joaquim. 2014. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

ROMANOVSKI, Natalia. A consagração na escrita da história: um olhar sociológico sobre a revista Joaquim. Estudos Sociológicos, Araraquara, v. 21, n. 40, jan.-jun. 2016, p. 197-214.

SEGAWA, Hugo. Arquiteturas no Brasil. São Paulo: Edusp, 1998.

SIMIONI, Ana Paula Cavalcanti. Modernismo brasileiro: entre a consagração e a contestação. Perspective [on-line], n. 2, 2013. Disponível em: <https://bit.ly/2PqnNtl>. Acesso em: 26 fev. 2020.

TEIXEIRA, Selma Suely. Teatro em Curitiba na década de 50: história e significação. 1992. Dissertação (Mestrado em Letras) – Setor de Ciências Humanas, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 1992.

WEINSTEIN, Barbara. Racializando as diferenças regionais: São Paulo X Brasil, 1932. Esboços, Florianópolis, n. 16, 2006, p. 281-303.

WEINSTEIN, Barbara. The color of modernity: São Paulo and the making of race and nation in Brazil. Durham; Londres: Duke University, 2015.

Publicado
2020-07-15
Como Citar
Alves, B. (2020). A cor do Homem Nu: impasses de uma periferia branca diante do modernismo (Paraná, 1953). Anais Do Museu Paulista: História E Cultura Material, 28, 1-44. https://doi.org/10.1590/1982-02672020v28d1e7
Seção
ECM/Dossiê: Dimensões raciais da cultura material urbana no Brasil

Dados de financiamento