Lina Bo Bardi e a experiência da restauração no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1982-02672020v28e10

Palavras-chave:

Restauração, Arquitetura Moderna, Lina Bo Bardi, Patrimônio cultural, Restauração arquitetônica, Brasil

Resumo

O presente artigo tem como objetivo apresentar e aprofundar uma avaliação histórica e crítica da contribuição de Lina Bo Bardi à cultura arquitetônica brasileira e internacional, em particular para os fundamentos e a prática da restauração. A delimitação temporal se estende da década de 1960, quando a arquiteta projeta e executa a restauração do Solar do Unhão, em Salvador, adaptando-o para abrigar o Museu de Arte Moderna da Bahia, até a década de 1990, quando realiza suas últimas obras, antes de sua morte em 1992. A análise de algumas obras selecionadas, dentre as duas dezenas de projetos de restauração realizados, pretende contribuir, primeiramente, para identificar a coerência interna de sua produção, bem como para ponderar as transformações ocorridas ao longo do tempo. Pretende-se também explorar o diálogo que Lina Bo Bardi estabelece entre o ambiente italiano, as teorias da restauração e a prática brasileira. Por fim, objetiva-se que a análise proposta contribua para uma oportuna revisão da historiografia da arquitetura moderna paulista e brasileira, bem como colabore na construção da história da preservação do patrimônio cultural no país.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Lúcia Cerávolo, Universidade de São Paulo

Arquiteta e urbanista pelo Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (IAU-USP São Carlos). Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo (EESC-USP). Doutora em Teoria e História da Arquitetura e do Urbanismo Moderno pelo IAU-USP. Tem experiência em gestão de políticas públicas para preservação do patrimônio cultural, tendo coordenado as ações patrimoniais no Município de São Carlos (SP), por dez anos. Atualmente é docente no Centro Universitário Central Paulista (Unicep, São Carlos), onde coordena o curso de Arquitetura e Urbanismo.

Referências

FONTES DATILOGRAFADAS

BARDI, Lina Bo. Critério proposto para a restauração do “Solar do Unhão”. Arquivo da 7a SR IPHAN, Salvador, 1962.

FILHO, Godofredo. Ofício nº 50, 29 mar. 1963, encaminhado a Rodrigo Melo Franco de Andrade. Arquivo da 7ª SR IPHAN, Salvador.

SOEIRO, Renato. Informação n. 206. 17 ago. 1962, encaminhada a Godofredo Filho. Arquivo da 7a SR IPHAN, Salvador.

LIVROS, ARTIGOS E TESES

ANELLI, Renato. Ponderações sobre os relatos da trajetória de Lina Bo Bardi na Itália. Revista Pós. São Paulo, v. 17, n. 27, p. 89, junho 2010.

AZEVEDO, Paulo Ormindo David. A Restauração arquitetônica entre o passado e o presente. Rua – Revista de Arquitetura e Urbanismo (UFBA). Salvador, n. 8, 2003.

AZEVEDO, Paulo Ormindo David. Patrimônio cultural e natural como fator de desenvolvimento: a revolução silenciosa de Renato Soeiro, 1967-1979. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, n. 35, 2017.

BARDI, Lina Bo. Contribuição propedêutica ao ensino da Teoria da Arquitetura. São Paulo: s/e., 1957

BARDI, Lina Bo. Ladeira da Misericórdia. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Rio de Janeiro, n. 23, 1994.

BECHARA, Renata Carneiro. A atuação de Lina Bo Bardi na criação do SESC Pompeia (1977-1986). 2017. 198 p. Dissertação (Mestrado) – Instituto de Arquitetura e Urbanismo da USP. São Carlos, 2017.

BIERRENBACH, Ana Carolina de Souza. Lina Bo Bardi: tempo, história e restauro. Revista CPC. São Paulo, n. 3, p. 6-32, nov. 2006/abr. 2007.

BONELLI, Renato. Architettura e restauro. Veneza: Neri Pozza, 1959.

BRUAND, Yves. A Arquitetura Contemporânea no Brasil. São Paulo: Perspectiva, 1981.

CAMPELLO, Maria de Fátima de Mello Barreto. Lina Bo Bardi: as moradas da alma. Dissertação (Mestrado) – Escola de Engenharia de São Carlos – Universidade de São Paulo. São Carlos, 1997.

CARAMELO. FAU-USP. Caramelo. São Paulo, n. 6, 1993. Especial Lina Bo Bardi.

CERÁVOLO, Ana Lúcia. Interpretações do patrimônio: Arquitetura e urbanismo moderno na constituição de uma cultura de intervenção no Brasil, 1930-1960. São Carlos: EDUFSCar, 2013.

CERÁVOLO, Ana Lúcia. Arquitetura, restauração e a poética brutalista [internet]. Curitiba: X Docomomo Brasil, 2013. Disponível em: <https://bit.ly/33ykncc>. Acesso em: 20 ago. 2016

CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL. Anuário de Arquitetura e Urbanismo 2018. Brasília: CAU/BR, 2018

CRICONIA, Alessandra. Lina Bo Bardi, un’architettura tra Italia e Brasile. Milão: Franco Angeli, 2017.

CUNHA, Claudia dos Reis e. Restauração: diálogos entre teoria e prática no Brasil nas experiências do IPHAN. 2010. Tese (Doutorado) – FAU USP. São Paulo, 2010.

FERRAZ, Marcelo Carvalho (org.). Lina Bo Bardi. São Paulo: Instituto Bardi/Casa de Vidro; Romano Guerra, 2013.

GONÇALVES, Cristiane Souza. Restauração arquitetônica: a experiência do Sphan em São Paulo, 1937-1975. São Paulo: Annablume/Fapesp, 2007.

KOGAN, Gabriel. Lina Bo Bardi: do frustrante concurso para docente na FAUUSP ao recente interesse da academia por sua obra. AU Educação [internet]. São Paulo, Pini, n. 249, dez. 2014. Disponível em: <https://bit.ly/2OAYq8x>. Acesso em: 18 dez. 2016.

LIMA, Zeuler. Lina Bo Bardi. Nova York: Yale, 2013.

LIMA, Zeuler. Valores à mostra: o legado de Lina Bo Bardi. Revista de Pesquisa em Arquitetura e Urbanismo (RISCO) (IAU USP). São Carlos, n. 20, p. 87-90, 2014.

OLIVEIRA, Olivia de. Lina Bo Bardi. Sutis Substâncias. São Paulo: Romano Guerra; Barcelona: Gustavo Gili, 2006.

OLIVEIRA, Olivia de. Repasses. A depredação material e espiritual da obra de Lina Bo Bardi. Arquitextos, São Paulo, ano 6, n. 068.01, Vitruvius, jan. 2006.

OLIVEIRA, Raissa Pereira Cintra de. Permanência e inovação: o antigo e o novo nos projetos urbanos de Lina Bo Bardi. 2008. Dissertação (Mestrado) – FAU-USP. São Paulo, 2008.

OLIVEIRA, Rogério de Castro. A Teoria Perdida: indagações de uma arquiteta modernista que queria ensinar. 8º Seminário DOCOMOMO Brasil [internet]. Rio de Janeiro, 2009. Disponível em: <https://bit.ly/2DqzPwG>. Acesso em: 15 ago. 2016.

PESSÔA, José. Entre o singelo monumentalizado e o simbólico. Reflexões sobre o patrimônio cultural brasileiro. Arquitextos, São Paulo, ano 17, n. 195.05, Vitruvius, ago. 2016.

PEREIRA, Juliano. Lina Bo Bardi. Bahia, 1958-1964. Uberlândia: EDUFU, 2007.

RODRIGUES, Angela Rosch. Patrimônio industrial e os órgãos de preservação na cidade de São Paulo. Revista CPC. São Paulo, n. 14, mai./out. 2012.

ROSSETTI, Eduardo Pierrotti. Tensão moderno/popular em Lina Bo Bardi: nexos de arquitetura. Dissertação (Mestrado) – PPG-AU/FAUFBA. Salvador, 2002.

RUBINO, Silvana; GRINOVER, Marina (orgs.). Lina Por Escrito. Textos Escolhidos De Lina Bo Bardi. São Paulo: Cosac Naify, 2009.

SANT’ANNA, Márcia. Da cidade-monumento à cidade-documento. A Trajetória da Norma de Preservação de Áreas Urbanas no Brasil (1937-1990). 1995. Dissertação (Mestrado) – FAU-UFBA. Salvador, 1995.

SERT, José Luis. Can our cities survive? Londres: Oxford, 1944.

TENTORI, Francesco. P.M. Bardi: com as crônicas artísticas do “L’Ambrosiano”, 1930-1933. São Paulo: ILBPMB; Imprensa Oficial, 2000.

VIDEODOCUMENTÁRIO

MICHILES, Aurélio (dir.). Lina Bo Bardi. Videodocumentário. Brasil, 50min, 1993. Disponível em: <https://bit.ly/34A9KXI>. Acesso em 6 abr. 2018.

SESC Pompeia. Sesc Pompeia 30 anos. Instrumental Sesc Brasil. Publicado em 25 de abr. de 2013.

Downloads

Publicado

2020-08-31

Como Citar

Cerávolo, A. L. (2020). Lina Bo Bardi e a experiência da restauração no Brasil. Anais Do Museu Paulista: História E Cultura Material, 28, 1-37. https://doi.org/10.1590/1982-02672020v28e10

Edição

Seção

Conservação e Restauração