A estratégia territorial da Colônia Militar do Itapura: legado urbano e arquitetônico

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1982-02672020v28e20

Palavras-chave:

Colônia militar, Itapura, Avanhandava, Colonização militar, Ocupação territorial paulista

Resumo

Em meados do século XIX o governo imperial empregou um plano de ocupação do território nacional através da criação de colônias militares. Assim, a fundação desses estabelecimentos por todo o império vincula-se aos problemas relacionados ao controle e domínio social, numa época em que a manutenção da integridade territorial e, simultaneamente, uma perspectiva de expansão das fronteiras colocaram-se como sendo das mais emergenciais entre as tarefas das elites políticas. Itapura e Avanhandava foram as duas colônias criadas na província de São Paulo e herdaram o topônimo de seus locais estratégicos de implantação – os saltos no Rio Tietê. O presente trabalho tem como propósito estudar a colônia militar do Itapura em seu aspecto espacial-construtivo. O objetivo é analisar o material textual e cartográfico da colônia, documentação coletada em arquivos públicos, principalmente plantas e projetos, trazendo à luz tal fonte primária. Dessa forma, com clara intenção de planejamento urbanístico, demonstra-se um ideal que estava muito além de demarcar e ocupar a região: o intuito era construir em meio à mata fechada e às margens do Rio Tietê uma cidade projetada, inicialmente de caráter militar e agrícola, que seria a semente de futuro núcleo civil. Além disso, ao compararem-se as plantas da colônia do século XIX com as imagens de suas ruínas, fotografadas pela Comissão Geográfica e Geológica de São Paulo no início no século XX, verifica-se a exuberância arquitetônica de
suas construções e a qualidade urbanística de seu plano considerado inovador para a época.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nilson Ghirardello, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"

Doutor em Arquitetura e Urbanismo pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo. Atualmente é Professor do Departamento de Arquitetura, Urbanismo e Paisagismo e do Programa de Pós Graduação em Arquitetura e Urbanismo da Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (Faac/Unesp) – Campus de Bauru.

Daniel Candeloro Ferrari, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"

Mestrando em Arquitetura e Urbanismo da Faac/Unesp – Campus de Bauru. Possui graduação em Arquitetura e Urbanismo pelo Centro de Tecnologia e Urbanismo da Universidade Estadual de Londrina (CTU/UEL)

Referências

FONTES ICONOGRÁFICAS

COMISSÃO GEOGRAPHICA E GEOLOGICA DO ESTADO DE S. PAULO. Exploração do Rio Tieté. (Barra do Rio Jacaré-Guassú ao Rio Paraná). Publicado no período presidencial do Dr. Jorge Tibiriçá sendo Secretario da Agricultura o Dr. Carlos J. Botelho, 1905. 3ª ed. São Paulo: Typographia Brazil de Rothschild& Cia., 1930.

GIANNELLI, Ercole. Provincia de S. Paulo: Colônia Militar de Itapura. São Paulo: J. Martin, 1885. Descrição: Planta; 74 x 113cm., desenhado fora de escala. (Acervo cartográfico – Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro).

LIMA, Carlos Frederico de. Planta da Colônia Militar de Itapura em junho de 1878. Rio de Janeiro: [s. n.], 1878. Descrição: Mapa manuscrito; 45,5 x 36,5cm., Escala 1:4000. (Acervo cartográfico – Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro).

MÜLLER, Daniel Pedro. Mappa Chorographico da Provincia de São Paulo, 1841. In: BEIER, José Rogério. Biografia de um mapa: A trajetória do primeiro mapa impresso da província de São Paulo (1835-1842). In: Anais do V Simpósio Luso-Brasileiro de cartografia histórica. Petrópolis, RJ, nov./2013.

NOBRE, Helio; ROSAEL, José. Canhão. Acervo do Museu Paulista. (RG: 1-15-02-000-03737-00-00). 1. Fotografia.

NOBRE, Helio; ROSAEL, José. Casa do diretor, c. 1905. Acervo do Museu Paulista (IC: 1-03611-0000-0000). 1. Fotografia.

NOBRE, Helio; ROSAEL, José. Excursão à Itapura. Washington Luís em visita como presidente do Estado de São Paulo (c. 1922). Acervo do Museu Paulista (IC: 1-00854-0000-0000). 1. Fotografia.

NOBRE, Helio; ROSAEL, José. Igreja da Colônia Militar de Itapura, c. 1905. Acervo do Museu Paulista (IC: 1-03610-0000-0000). 1. Fotografia.

NOBRE, Helio; ROSAEL, José. Os três sinos da igreja. (c. 1922). Acervo do Museu Paulista. (RG: 1-13-02-000-00555-00-00; 556 e 557, respectivamente). 1. Fotografia.

PLANTA da situação da colônia militar de Itapura, 1936. Secretaria de Estado da Cultura, Condephaat, processo nº 12318/69.

FONTES IMPRESSAS

AZEVEDO, Antonio Mariano de. Relatório do primeiro tenente d’armada sobre os exames de que foi incumbido no interior da província de S. Paulo. Rio de Janeiro: Typ. Peixoto, 1858.

BRASIL. Collecção das Leis do Imperio do Brasil de 1850. Tomo XI. Parte I. Rio de Janeiro: Typographia Nacional, 1850.

BRASIL. Colleção das Leis do Imperio do Brasil de 1854. Tomo XVII. Parte II. Rio de Janeiro: Typographia Nacional, 1854.

BRASIL, Collecção das Leis do Imperio do Brasil de 1858. Tomo XIX, Parte II. Rio de Janeiro: Typographia Nacional, 1858.

RELATÓRIO da Directoria da Companhia Estrada de Ferro Noroeste do Brazil apresentado á Assembléa Geral Ordinaria realisada em 11 de junho de 1906. Rio de Janeiro: Typographia de Heitor Ribeiro & C., 1906.

LIVROS, ARTIGOS E TESES

BACELLAR, Carlos de Almeida Prado. As famílias de povoadores em áreas de fronteira da capitania de São Paulo na segunda metade do século XVIII. Revista brasileira de estudos de população, Belo Horizonte, v. 34, n. 3, p. 549-565, set./dez., 2017, p. 550.

BARROS, Fausto Ribeiro de. Itapura. Ex-Colônia Militar e Estabelecimento Naval. In: Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGSP), São Paulo: Gráfica Canton Ltda., Volume LIV, p. 279-312, 1957.

BEIER, José Rogério. Biografia de um mapa: A trajetória do primeiro mapa impresso da província de São Paulo (1835-1842). In: Anais do V Simpósio Luso-Brasileiro de cartografia histórica. Petrópolis, RJ, nov./2013.

BENEVOLO, Leonardo. História da cidade. 7ª ed. São Paulo: Perspectiva, 2019.

CALVINO, Italo. As cidades invisíveis São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

CESP. Salto do Avanhandava: história e documentação. Orentino Martins. Penápolis: Companhia Energética de São Paulo 1988.

CINTRA, Jorge Pimentel; BEIER, José Rogério; RABELO, Lucas Montalvão. Affonso de Taunay e as duas versões do mapa de D. Luis de Céspedes Xeria (1628). Anais do Museu Paulista: História E Cultura Material, São Paulo, v. 26, n. 33, p. 1-53, 2018.

DERNTL, Maria Fernanda. Método e Arte: criação urbana e organização territorial na capitania de São Paulo, 1765-1811. Tese (Doutorado) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo FAU-USP, São Paulo, 2010.

DI CREDDO, Maria do Carmo Sampaio. Terras e índios. Propriedade da terra no Vale do Paranapanema. São Paulo: Arte & Ciência, 2003.

GHIRARDELLO, Nilson. Estabelecimento Naval e Colônia Militar do Itapura, ápice do pensamento urbanístico-militar do império brasileiro. In: Anais do IX Seminário de História da Cidade e do Urbanismo – IX SHCU. São Paulo, 4 a 6 de Setembro de 2006.

GONZAGA DA SILVA, Jéssica de Freitas e. “Na paz, cumpre-se preparar a guerra”: a Armada Imperial e a defesa da fronteira da província do Mato Grosso contra a República do Paraguai (1852-1865). 2017. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Estudos Marítimos, Escola de Guerra Naval, Rio de Janeiro, 2017.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Monções e Capítulos de expansão paulista. Laura de Mello Souza, André Sekkel Cerqueira (Orgs.). 4ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

JANKE, Leandro Macedo. Duarte da Ponte Ribeiro: Território e territorialidade no império do Brasil. 2014. Tese (Doutorado) – Universidade de São Paulo, Departamento de Geografia Humana da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, São Paulo, 2014.

MACAULAY, David. Construção de uma cidade romana. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

MATTOS, Ilmar Rohloff de. Do Império do Brasil ao Império do Brasil. In: Faculdade de Letras da Universidade do Porto. (Org.). Estudos em homenagem a Luís Antonio de Oliveira Ramos. Porto: Universidade do Porto, 2004. v. 2, p. 727-736.

MONBEIG, Pierre. Pioneiros e fazendeiros de São Paulo. São Paulo: Hucitec; Polis, 1984.

MUMFORD, Lewis. A cidade na história: suas origens, desenvolvimento e perspectivas. 2ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 1982.

NEME, Mário. História da Fundação de Piracicaba. Piracicaba, SP: Editora Equilíbrio; Instituto Histórico e Geográfico de Piracicaba, 2009.

NEME, Mário. Piracicaba no século XVIII. São Paulo: Equilíbrio, 2010.

OLIVERA, Maria Luiza Ferreira de. O Exército e “a difícil luta contra a independência dos homens do campo”: embates na construção do Estado no Brasil, 1840-1870. In: SOUZA, Adriana Barreto de, et. al. (Orgs.) Pacificar o Brasil, das guerras justas às UPPs. São Paulo: Alameda, 2017. p. 197-224.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. As barbas do imperador: D. Pedro II, um monarca nos trópicos. 2ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

SILVA, Maria Apparecida. Itapura: Estabelecimento Naval e Colônia Militar (1858-1870). 1972. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo, 1972.

WOOD, David Lyle. Abortive panacea: Brazilian military settlements, 1850 to 1913. A dissertation submitted to the faculty of the University of Utah in partial fulfillment of the requirements for the degree of Doctor of Philosophy – Department of History, University of Utah, 1972.

SITES

Museu Paulista da USP. Acervo de iconografia e objetos – Disponível em: <https://bit.ly/33FKuhC>. Acesso em: 10 out. 2019.

Downloads

Publicado

2020-09-09

Como Citar

Ghirardello, N., & Ferrari, D. C. (2020). A estratégia territorial da Colônia Militar do Itapura: legado urbano e arquitetônico. Anais Do Museu Paulista: História E Cultura Material, 28, 1-47. https://doi.org/10.1590/1982-02672020v28e20

Edição

Seção

Estudos de Cultura Material