Censos e favelas cariocas: evolução de um conceito censitário

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1982-02672020v28e23

Palavras-chave:

Favelas, Conceito censitário de favelas, Evolução dos recenseamentos

Resumo

O presente artigo procura levantar a evolução do conceito censitário de favelas desde o censo do Distrito Federal de 1948 até o último censo nacional de 2010. Não se pretende discutir especificamente os dados quantitativos obtidos pelos recenseamentos, mas, de um lado, retraçar a evolução das definições censitárias dos espaços favelados no decorrer dos séculos XX e XXI e, por outro lado, compreender como os serviços nacionais de recenseamento adaptaram suas formas de atuar para levar em consideração as especificidades desses espaços. Em ambos os casos, questionamos como o caso das favelas cariocas se tornou um modelo para pensar os bairros informais no país.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Soares Gonçalves, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Advogado e historiador. Doutor em História e Civilização pela Université Paris Diderot. Pós-doutor em Antropologia pela École des Hautes Études en Sciences Sociales. Professor associado do Departamento de Serviço Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Pesquisador CNPq e Faperj. Coordenador do Laboratório de Estudos Urbanos e Socioambientais (Leus) e editor científico da revista O social em Questão.

Referências

FONTES IMPRESSAS

AGACHE, Alfred. Cidade do Rio de Janeiro, remodelação, extensão e embelezamento. Paris: Foyer Brésilien, 1930.

CÂMARA do Distrito Federal. Anais da Câmara do Distrito Federal (setembro de 1948). Rio de Janeiro: Câmara do Distrito Federal, 1948.

CAVALIERI, Fernando; VIAL, Fernanda. A nova Classificação de favelas para o planejamento das políticas públicas. Rio de Janeiro: IPP, 2012. Disponível em: <https://bit.ly/2ZbGDdc>. Acesso em: dez. 2019.

CAVALIERI, Fernando; VIAL, Fernanda. Favelas na cidade do Rio de Janeiro: o quadro populacional com base no Censo 2010. Rio de Janeiro: IPP, 2012.

CEASM. Quem somos? Quantos somos? O que fazemos? A maré em dados: censo 2000. Rio de Janeiro: CEASM, 2003.

DEPARTAMENTO de Estatística e Publicidade. Estatística Predial do Distrito Federal de 1933. Rio de Janeiro: Departamento de Estatística e Publicidade, 1935.

DIRECTORIA Geral de Estatística, Recenseamento do Brazil. Estatística predial e domiciliária da cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Typologia da Estatística, 1925.

FERREIRA, Maria Paula et al. Uma metodologia para a estimação de assentamentos precários em nível nacional. São Paulo, 2007. Mimeografado. Disponível em: <https://bit.ly/2AJOUvs>. Acesso em: mar. 2019.

IBGE. Censo demográfico de 1960. Favelas do Estado da Guanabara VII recenseamento geral do Brasil (Série Especial, v. IV). Rio de Janeiro: IBGE, 1960.

IBGE. VIII Recenseamento Geral/1970 (Série Regional, v. I, t. XVI). IBGE: Rio de Janeiro, 1970a.

IBGE. VIII Recenseamento Geral. Instruções para delimitação dos setores censitários. Rio de Janeiro: IBGE, 1970b.

IBGE. A base territorial dos censos de 1980. Rio de Janeiro: IBGE, 1981.

IBGE. IX Recenseamento Geral do Brasil-1980. Censo demográfico, dados gerais – Migração, instrução, fecundidade, mortalidade – Rio de Janeiro (v. 1, t. 4, n. 18). Rio de Janeiro: IBGE, 1983.

IBGE. Censo demográfico de 1991. Resultados do universo relativos às características da população e dos domicílios. Rio de Janeiro: IBGE, 1991.

IBGE. Metodologia do Censo Demográfico 2000 (Série Relatórios Metodológicos, v. 25). Rio de Janeiro: IBGE, 2003.

IBGE. Aglomerados Subnormais. Levantamento de Informações Territoriais. Referências Básicas (Segundo Encontro Nacional de chefes de Agências do IBGE). Angra dos Reis: IBGE, 2009.

IBGE. Censo Demográfico de 2010. Aglomerados subnormais, primeiros resultados. Rio de Janeiro: IBGE, 2010.

IBGE. Metodologia do censo demográfico 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2016 (série Relatórios metodológicos, v. 41).

MARQUES, Eduardo (coord.). Assentamentos precários no Brasil Urbano. Brasília: Centro de Estudos da metrópoles e Ministérios das Cidades, 2007.

MATION, Lucas Ferreira; NADALIN, Vanessa Gapriotti; KRAUSE, Cleandro. Favelização no Brasil entre 2000 e 2010: Resultados de uma classificação comparável. Rio de Janeiro: Ipea, 2014.

OFFICINA de Estatística. Recenseamento do Rio de Janeiro de 1906 (Districto Federal). Rio de Janeiro: Officina da Estatística, 1926.

OLIVEIRA, Jane Souto; NIEMEYER, Lilian de Jesus Garcia. Reavaliação das favelas do município do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: [s. n.], 1983. Mimeografado.

PREFEITURA do Distrito Federal. Censo das favelas. Aspectos gerais. Rio de Janeiro: Departamento de Geografia e Estatística, 1949.

REDES DA MARÉ. Censo Populacional da Maré. Rio de Janeiro: Redes da Maré, 2019.

RIO DE JANEIRO. Plano Diretor. Lei Complementar n. 111 de 1º de fevereiro de 2011. Dispõe sobre a política Urbana e Ambiental do Município, institui o Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano Sustentável do Município do Rio de Janeiro e dá outras providências. Rio de Janeiro, 2011. Disponível em: <https://bit.ly/2O8qFdA>. Acesso em: 18 jul. 2018.

LIVROS, ARTIGOS E TESES

ANJOS, Gabriele dos. A questão “cor” ou “raça” nos censos nacionais. Indic. Econ. FEE, v. 41, n. 1, p.103-118, 2013.

BOMFIM, Paulo Roberto de Albuquerque. Teoria e prática do planejamento regional no IBGE na década de 1960. Terra Brasilis (Nova Série) [on-line], nº 3, 2014. Disponível em: <https://bit.ly/3iQEtaA>. Acesso em: dez. 2019.

CAVALCANTI, Mariana. Vida e Morte do “Agrupamento 26” (2011-2013): breve etnografia do Morar Carioca na “Barra Olímpica”. Revista de Antropologia, v. 60, n. 3, p. 211-235, 2017.

CAVALIERI, Fernando et al. Caracterização e tipologia dos assentamentos precários brasileiros: o caso do Rio de Janeiro. In: MORAIS, Maria da Piedade; KRAUSE, Cleandro; LIMA NETO, Vicente Correia (orgs.). Caracterização e tipologia de assentamentos precários: estudos de caso brasileiros. Brasília: Ipea, 2016. p. 411-463.

COSTA PINTO, Luiz de Aguiar. O Negro no Rio de Janeiro: Relações de Raças numa Sociedade em Mudança. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1953.

COSTA, Valéria Grace. Rediscutindo o espaço-favela: sobre a operacionalização da pesquisa em favelas – o caso do Município do Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Geografia, v.58, n. 1/4, p. 25-36, 1996.

COSTA, Valéria Grace; NASCIMENTO, Jose Antonio Sena do. O conceito de favelas e assemelhados sob o olhar do IBGE, das prefeituras do Brasil e da ONU. Anais do X Encontro de Geógrafos da América Latina, São Paulo, p. 3794-3808, mar. 2005.

DESROSIERES, Alain; KOTT, Sandrine. Quantifier. Genèses, nº 58, p. 2-3, 2005.

GONÇALVES, Rafael Soares. Favelas do Rio de Janeiro. História e Direito. Rio de Janeiro: Palas, 2013.

GUERREIRO, Maria Pandolfi. Dilemas para a consolidação de uma política pública territorial: um debate sobre a UPP Social. Tese (doutorado em Políticas Públicas, Estratégias e Desenvolvimento) – Departamento de Economia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2019 (versão preliminar apresentada à banca).

GUIMARÃES, Alberto Passos. As favelas do Distrito Federal. Revista Brasileira de Estatística, nº 55, p. 250-278, 1953.

MAIO, Marcos Chor. Uma Polêmica Esquecida: Costa Pinto, Guerreiro Ramos e o Tema das Relações Raciais. Dados, v. 40, n. 1, p.127-162, 1997.

MARTIN, Olivier. Chiffrer pour évaluer? [on-line]. La vie des idées, 2016. Disponível em: <https://bit.ly/38VeMkV>. Acesso em: dez. 2019.

MOTTA, Eugenia. Resistência aos números: a favela como realidade (in) quantificável. Mana, n. 25, p. 72-94, 2019.

OLIVEIRA, Samuel Silva Rodrigues de; “Trabalhadores Favelados”: identificação das favelas e movimentos sociais no Rio de Janeiro e em Belo Horizonte. 2014. Tese (doutorado em História) – Fundação Getulio Vargas, Rio de Janeiro, 2014.

PARISSE, Lucien. Favelas de l’agglomération de Rio de Janeiro. 1970. Tese (doutorado 3ème Cycle) – Universidade de Estrasburgo, Estrasburgo, 1970, 217p.

PIZA, Edith; ROSEMBERG, Fúlvia. Cor nos censos brasileiros. Revista USP, n. 40, p. 122-137, 1998.

RUIZ, Émilien. Légitimer par les nombres, à propos d’une autre fonction des outils quantitatifs. Statistique et société, v. 6, n. 1, p. 21-25, 2018.

SENRA, Nelson. Pesquisa histórica das estatísticas: temas e fontes. Revista História, Ciências, Saúde, v. 15, n. 2, p. 411-425, 2008.

SILVA, Maria Laís Pereira da. Favelas Cariocas (1930-1964). Rio de Janeiro: Contraponto, 2005.

SILVA, Jailson de Souza (org.). O que é favela, afinal?. Rio de Janeiro: Observatório de Favelas do Rio de Janerio, 2009.

TASCHNER, Suzana. Favelas em São Paulo – censos, consensos e contra-sensos. Trabalho apresentado no Encontro da Anpocs. Caxambu: [s. n.], 2000. Mimeografado.

Downloads

Publicado

2020-08-31

Como Citar

Gonçalves, R. S. (2020). Censos e favelas cariocas: evolução de um conceito censitário. Anais Do Museu Paulista: História E Cultura Material, 28, 1-30. https://doi.org/10.1590/1982-02672020v28e23

Edição

Seção

Estudos de Cultura Material

Dados de financiamento